Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

“Fogo morto” – análise da obra de José Lins do Rego

Entenda os principais aspectos da obra

Por Redação Atualizado em 12 abr 2018, 15h30 - Publicado em 28 set 2012, 21h23

Obra-prima de José Lins do Rego, esse romance regionalista mostra o declínio dos engenhos de cana-de-açúcar nordestinos e traça amplo perfil das figuras decadentes que giravam em torno dessa atividade econômica.

– Leia o resumo de Fogo Morto

Aparência e realidade
“Fogo Morto” é um romance de José Lins do Rego surgido no segundo período do modernismo, a fase regionalista. O período inicial do movimento havia sido marcado pela busca da identidade brasileira, num caminho trilhado, principalmente, pelo trabalho com a forma: a exploração da sintaxe e do vocabulário falado e utilizado no país.

Nas obras da fase regionalista, os autores focam essa mesma busca por meio do trabalho com o universo temático das regiões mais atrasadas do Brasil, sobretudo o interior do Norte e do Nordeste e, em menor escala, a Região Sul do país. Publicado em 1943, “Fogo Morto” é considerado a obra-prima de José Lins do Rego e ocupa lugar de destaque nesse período literário, ao lado de livros igualmente importantes como “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos, e “O Tempo e o Vento”, de Erico Verissimo.

Os méritos do romance, que o alçaram a uma posição respeitável no interior da fase regionalista, devem-se a seu processo de criação. Os três primeiros livros do autor – “Menino de Engenho” (1932), “Doidinho” (1933) e “Bangüê” (1934) – iniciam o ciclo da cana-de-açúcar, no qual José Lins do Rego explorou essencialmente a sociedade que se formava nas proximidades do engenho em razão de sua existência.

Quando publicou “Usina” (1936), no qual é narrado o declínio do engenho de cana-de-açúcar, o autor revelou que a obra encerrava o ciclo citado. Filho temporão desse período, Fogo Morto foi publicado sete anos depois e sintetiza o universo temático dos livros anteriores, além de demonstrar um grau de maturidade estilística e de consciência estrutural que não havia nos demais.

“Fogo Morto” é narrado em terceira pessoa e é dividido em três partes, que trazem em seus títulos o nome dos três personagens principais: “O mestre José Amaro”, “O Engenho de Seu Lula” e “O Capitão Vitorino”. Esses personagens representam, no plano psicológico e moral, a situação em que, no nível socioeconômico, estão os engenhos de cana-de-açúcar, com a decadência dessa cultura no processo histórico brasileiro.

Continua após a publicidade

Eram chamados de “engenho de fogo morto” aqueles engenhos que paravam de produzir o açúcar, riqueza da época. O espaço decrépito de um universo que perdeu a importância econômica anterior passa a agregar a seu redor personagens decadentes, que, no entanto, carregam ainda o orgulho e a empáfia patriarcal de outros tempos. Essa disparidade entre a aparência que os personagens ostentam e a realidade em que vivem norteia todo o romance.

No seguinte trecho, fica bem exemplificado o comportamento quixotesco do Capitão Vitorino:
“À tarde o mestre escutava o canário da biqueira abrindo o bico nos estalos. Tudo era mansidão em redor de si. O sol brando, o vento calmo, e as folhas da pitombeira bulindo com a brisa. O negro Passarinho roncava. Foi então que apareceu, na égua velha, no passo manso, o capitão Vitorino Carneiro da Cunha (…). – Pois seu mestre – foi falando Vitorino -, os cabras não podem com o velho. O Quinca Napoleão pensava que eu tinha medo de careta e mandou me agredir. O cabra que abriu lata comigo tinha vindo do sertão com fama de valente. Mas com estas mãos que o compadre está vendo, dei com o bicho no chão. Ainda acertei uma tapona na cara. Vitorino Carneiro da Cunha acode a todo chamado. Estão muito enganados comigo. O doutor Samuel abriu processo. Eu disse a ele: ‘Seu doutor, não precisa nada disto. Um homem do meu calibre não precisa da lei para se impor.’ O diabo é que ele quer. O Quinca Napoleão já mandou aquele cachorro do Manuel Ferreira de Serrinha falar comigo para abrir mão do processo. Eu disse a Manuel Ferreira: ‘Conheci o seu pai, seu Manuel Ferreira, era homem de palavra: dizia a todo o mundo que não pagava a ninguém e nunca pagou conta mesmo.’ Ele quis falar grosso comigo. Mas comigo é ali na direita. Fui logo botando para fora tudo o que sentia.”

Após ter apanhado, sem condições de reagir, o capitão gaba-se de ter revidado com sucesso contra o oponente. A situação patética de Vitorino faz dele o personagem mais interessante do livro, que, como foi dito, apresenta um universo de decadência humana e material.

Comentário do professor
“Fogo morto” é um drama humano organizado em três partes, daí a caracterização de estrutura triangular. Cada uma delas traz no título o nome da personagem central, nesta ordem: O mestre José Amaro, seleiro orgulhoso e revoltado; O engenho do “seu” Lula, senhor de engenho, decadente; O capitão Vitorino, “Papa-Rabo”, tipo quixotesco, defensor de fracos e oprimidos.

Cada uma das partes é dominada por uma personagem, a quem o narrador deixa falar, ou deixa mostrar-se, expressando a sua visão de mundo. Essa técnica é conhecida como onisciência multisseletiva, que permite revelar o mundo a partir do ponto de vista da personagem. A ação de Fogo morto se desenrola no Engenho Santa Fé, de Lula de Holanda Chacon, personagem que protagoniza a segunda parte do livro, como já dissemos. Na primeira parte, José Amaro é um velho seleiro, vivendo de favor nas terras do engenho Santa Fé, desde a época de seu pai.

Ao lado da mulher, Sinhá Velha, e de Marta, filha solteira e louca, o mestre Amaro (amargo) é um homem orgulhoso, machista e revoltado contra a ordem opressiva instituída pelos hábitos patriarcais. Na segunda parte, o narrador interrompe o relato dos fatos presentes e faz uma retrospectiva, localizando a ação do romance por volta do ano de 1848, quando chega à região o capitão Tomás Cabral de Melo, que ergue o engenho Santa Fé, casa-se com Dona Mariquinha e tem duas filhas. Uma delas, Amélia, casa-se com Lula de Holanda Chacon, primo do capitão. Ao morrer o capitão, o coronel Lula torna-se senhor de tudo. Na terceira parte, a ação gira em torno do capitão Vitorino, personagem que tenta defender o engenho, mas é agredido por cangaceiros e também por policiais. Vitorino é uma espécie de Quixote nordestino que alimenta esperanças na justiça e em uma virada política para os liberais.

Vale lembrar que as personagens centrais de cada parte de “Fogo morto” são tipos de um tempo em que as coisas giravam em torno dos senhores de terra e, portanto, de uma sociedade patriarcalista e violenta. Podem ser assimiladas como “fantasmas” perdidos numa outra ordem social, marcada pelo advento da tecnologia das usinas que substituem a mão de obra dos engenhos da cana de açúcar. Por essa razão, “fogo morto” é uma expressão regionalista cujo significado é engenho desativado, abandonado. Outro componente importante é a linguagem regional do interior da Paraíba, muito bem articulada por José Lins do Rego, que insere palavras utilizadas pelas próprias personagens em suas conversações cotidianas.

Marcílio Bittencourt Gomes Jr. – Professor da Oficina do Estudante – Campinas

Continua após a publicidade

Publicidade