logo-ge

Funcionários da USP prometem ?radicalizar greve? e bloquear acesso a prédios

Sindicato cogita fechar acesso a algumas unidades. Comunicado da reitoria diz que será cobrada multa de R$ 1 000 por dia se houver piquetes

por Bruno Aragaki

A greve de funcionários da USP (Universidade de São Paulo), iniciada na última quarta-feira (5), deve se “radicalizar” nesta quinta, segundo o sindicato da categoria, o Sintusp. Os manifestantes cogitam bloquear a entrada de unidades como a Escola de Comunicações e Artes (ECA) e a Faculdade de Direito do Largo São Francisco.

“Vamos radicalizar porque a reitoria radicalizou”, diz Magno Carvalho, diretor do Sintusp. “Eles querem cortar os salários. Mas se a gente fechar os prédios, ninguém vai trabalhar. Vão cortar o ponto de todo mundo?”, completou.

– Responsáveis por Enem, Enade e Fies também fazem greve

A reitoria da USP (Universidade de São Paulo) divulgou em seu portal um comunicado público dando conta de que não haverá pagamento dos dias não trabalhados. O texto também afirma que haverá multa de R$ 1 000 ao dia caso haja piquetes, bloqueios de acesso e invasões de prédios.

Os funcionários reivindicam reajuste salarial de 16% e incorporação de R$ 200. Eles se queixam também do aumento de 6% concedido apenas aos professores – que não aderiram à greve.

As outras duas grandes universidades paulistas, Unicamp e Unesp, também sinalizaram possibilidade de greve para a próxima semana. Juntas, as três instituições atendem mais de 130 mil estudantes.

VEJA TAMBÉM
– Professores de Educação Física reclamam de lei que autoriza ex-atletas a dar aulas
– Notícias de vestibular
– Notícias de Enem