Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Médicos sem Fronteiras e Cruz Vermelha são opção para brasileiros que querem experiência humanitária

Voluntários não precisam necessariamente ter estudado Medicina. Saiba como ingressar nessas organizações

Por Redação Atualizado em 16 Maio 2017, 13h41 - Publicado em 26 jan 2010, 18h29


Integrante do Comitê Internacional da Cruz Vermelha atende feridos no terremoto recentemente ocorrido no Haiti (crédito: ©ICRC/M. Kokic/ht-e-00543)

por Fábio Brandt

"Recebemos um monte de mensagens de pessoas que queriam ir para o Haiti. Mas não trabalhamos assim", diz o francês Dominique Delley, coordenador de recursos humanos da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) no Brasil. "Fazemos recrutamento e as pessoas entram para um pool de reserva. Então escolhemos por perfil e oferecemos a missão, que pode ser aceita ou não", explica.

– Guia de profissões: Medicina

Para participar de uma missão da MSF, deve-se cadastrar currículo e carta de motivação no site da instituição e passar pela triagem de perfis – mecanismo similar ao usado pela Cruz Vermelha na convocação de voluntários. Os escolhidos pela MSF participam de entrevistas e atividades práticas de recrutamento que, no Brasil, ocorrem no Rio de Janeiro. As provas, explica Delley, tentam reproduzir situações estressantes. "Pra nós é interessante ver como [o candidato] vai se comportar dentro de uma missão mesmo".

– Saiba como é o trabalho de campo da Cruz Vermelha

Caso aprovado, o candidato espera propostas de missões. Se aceitar uma proposta, torna-se voluntário e assina um contrato a tempo determinado – que lhe garantirá salário e cobertura de necessidades básicas (como alimentação, transporte, moradia, vacinas e visto) durante a missão.

Continua após a publicidade

SAIBA MAIS: Morten Rostrup, ex-presidente dos Médicos sem Fronteiras, diz como salvar vidas nas piores catástrofes e epidemias do planeta (SUPERINTERESSANTE)

PERFIL
Mas quem deseja rendimentos acima da média brasileira e tratamento especial por ser formado em Medicina terá dificuldades em trabalhar numa organização humanitária. "Se quer fazer dinheiro, vai se arruinar, porque não vai conseguir economias", adverte Delley. Além disso, "a MSF não tem hierarquia, o médico não fica acima. Uma enfermeira de 25 anos tem o mesmo valor de um médico de 35 e o coordenador do médico pode ser alguém não médico. Ninguém vai chamá-lo de doutor", acrescenta.

Além de experiência profissional de pelo menos dois anos e de conhecimento de línguas estrangeiras, a MSF prioriza candidatos com experiências de vida alinhadas ao seu trabalho. O mesmo ocorre com outras das principais organizações humanitárias, como o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) – braço da Cruz Vermelha dedicado exclusivamente a situações de conflito armado.

"Procurei o CICV em busca de satisfação, para ajudar as pessoas que necessitam e por curiosidade de conhecer melhor o ser humano", conta o médico venezuelano Andrés Vera, funcionário do Comitê desde 2001. Vera nunca trabalhou em catástrofes naturais (como o terremoto que assolou o Haiti recentemente), mas já participou de missões do CICV em conflitos da Guiné, Uzbequistão, Quirguistão, Iraque e Geórgia. Há um ano, ele se mudou para o Rio de janeiro, onde é consultor de um projeto do Comitê ligado à violência urbana.

SAIBA MAIS
Qual a origem da Cruz Vermelha? (AVENTURAS NA HISTÓRIA)

FÓRUM
– Você prioriza realização pessoal ou sucesso financeiro?

LEIA MAIS
– Notícias sobre vestibular

Continua após a publicidade

Publicidade