logo-ge

Não passou em universidade pública? Bolsa de estudo é a solução

Com as vagas do Sisu e do Enem sendo preenchidas, o Estude Por Menos aparece como alternativa com descontos de até 75% em universidades em todo o Brasil

Há um ano, o estudante de administração Rubérico Boldrini, de 38 anos, começou a sentir no bolso o peso da mensalidade da sua universidade. Decidiu, então, ir em busca de outras instituições para pleitear uma bolsa. Morador de Vitória, capital do Espírito Santo, encontrou na Estácio uma saída e um desconto de 50%. Isso porque foi nessa universidade que ele conheceu o Estude Por Menos. “Não teria conseguido continuar a estudar sem a bolsa”, diz Boldrini.

A história de Boldrini vem sendo cada vez mais comum. Com a crise econômica, diversos brasileiros que não conseguiram vagas em instituições públicas precisaram se virar como puderam para pagar a faculdade. Foi nesse contexto que surgiu o Estude Por Menos, que oferece descontos de até 75% em universidades brasileiras. Uma alternativa para quem não conseguiu ingressar por meio do Sisu ou do Enem.

A lógica do Estude Por Menos é algo em que todos os participantes do processo ganham. As bolsas surgem pelas vagas que não foram preenchidas, seja por Sisu, Enem ou espontaneamente. Com as vagas ociosas, o Estude Por Menos, em parceria com a instituição de ensino, direciona a bolsa de estudo voltada para o perfil de cada aluno.

“O salário do professor vai ser o mesmo com dez, 20 ou 40 alunos em uma sala”, diz Alisson Pereira, fundador e CEO do Estude Por Menos. “Fizemos de um jeito que todo mundo ganha: nós, a universidade e especialmente o aluno.”

Economia garantida

Geralmente, o bolso do universitário está vazio. Logo, qualquer benefício ajuda e muito no dia a dia daquele estudante. Por isso, o Estude Por Menos não faz diversas cobranças ao longo do curso. O único pagamento que o aluno precisará fazer para a companhia é de uma espécie de matrícula, que sempre é menor ou igual ao valor da mensalidade que ele vai pagar durante o tempo do curso. Detalhe: normalmente, a universidade não cobra matrícula dos estudantes que ingressam por meio da plataforma.

Outra facilidade para os alunos é que não se trata de sorteio. Caso ele encontre um curso e uma universidade que lhe agradem, é só fazer a inscrição e o vestibular. Aprovado, já está com o desconto na sua mensalidade até o fim do curso. Um ponto importante é que alunos já matriculados não conseguem o benefício, mas há a possibilidade de obtê-lo com uma transferência de instituição.

Nova plataforma, mesma essência

Apesar do caráter digital, o Estude Por Menos iniciou a empresa no conhecido corpo a corpo. Após anos trabalhando no setor de captação de alunos para instituições de ensino nas ruas do Espírito Santo, o fundador Alisson Pereira percebeu que, mesmo com muita campanha, boa parte das cadeiras ficava vazia no início do semestre letivo na região. Logo, avaliou que era um problema comum no Brasil inteiro. A saída para ganhar escala apareceu por meio de um portal e aí as parcerias foram começando.

Agora, dois anos e meio depois do início do portal, a plataforma está fazendo diversas atualizações da ferramenta. Até o fim do primeiro semestre, os alunos terão acesso às mais diversas informações da universidade em que vão estudar. Desde a nota do MEC de todos os cursos até o depoimento de alunos que estão tendo aulas naquela instituição. Tudo de maneira transparente e aberta entre os estudantes. “Não quero que ele saia da plataforma para pesquisar nada, pois tudo estará ali na frente dele”, diz Pereira.

Saiba mais sobre o Estude Por Menos.

 (Marcelo Andreguetti/Editora Abril)