Assine Guia do Estudante ENEM por 15,90/mês
Continua após publicidade

O beliscão como gesto de amor

Por Redação do Guia do Estudante
Atualizado em 16 Maio 2017, 13h43 - Publicado em 18 mar 2014, 17h01

O livro Memórias de um Sargento de Milícias (1853), de Manuel Antônio de Almeida, costuma aparecer na lista de grandes vestibulares. O personagem principal é o filho de um casal português que foi morar no Rio de Janeiro nas primeiras décadas do século 19. Apesar de todo mundo ser meio desajustado naquela história, chamam a atenção as demonstrações de afeto descritas ali.

Olha como os pais do herói se conheceram:

“Estando a Maria encostada à borda do navio, o Leonardo fingiu que passava distraído por junto dela, e com o ferrado sapatão assentou-lhe uma valente pisadela no pé direito. A Maria, como se já esperasse por aquilo, sorriu-se como envergonhada do gracejo, e deu-lhe também em ar de disfarce um tremendo beliscão nas costas da mão esquerda. Era isto uma declaração em forma, segundo os usos da terra: levaram o resto do dia de namoro cerrado; ao anoitecer passou-se a mesma cena de pisadela e beliscão, com a diferença de serem desta vez um pouco mais fortes; e no dia seguinte estavam os dois amantes tão extremosos e familiares, que pareciam sê-lo de muitos anos.” 

Ilustração de Bira Dantas da coleção "Literatura Brasileira em quadrinhos", da Ed. Escala Educacional. (Fonte: Divulgação)

Ilustração de Bira Dantas da coleção “Literatura Brasileira em quadrinhos”, da Ed. Escala Educacional. (Fonte: Divulgação)

Continua após a publicidade

Parece absurdo, mas esse tipo de coisa era comum em Portugal no século 18 – e, muito provavelmente, também no Brasil. Segundo historiadores, atos como beliscões e pisadas de pé estão associados ao “namoro cortês” e simbolizavam a vida rural. O texto “Do beliscão ao beijo: uma história dos gestos de amor”, publicado na Aventuras na História em 01/12/2003, explica:

“No universo camponês das sociedades pré-industriais, o domicílio familiar não significava somente local de vida social, mas também de produção de quase todos os bens do cotidiano. Do alimento às roupas, tudo era produzido pelo casal. Daí os rituais que simbolicamente avaliavam a resistência e força dos noivos.”

E havia regras para beliscões – cada circunstância pedia um tipo diferente. Leia mais aqui.

Busca de Cursos

Continua após a publicidade

Veja também:

– “Memórias de um Sargento de Milícias” – Análise da obra

– “Memórias de um Sargento de Milícias” – Resumo da obra

Publicidade
O beliscão como gesto de amor
Estudo
O beliscão como gesto de amor
O livro Memórias de um Sargento de Milícias (1853), de Manuel Antônio de Almeida, costuma aparecer na lista de grandes vestibulares. O personagem principal é o filho de um casal português que foi morar no Rio de Janeiro nas primeiras décadas do século 19. Apesar de todo mundo ser meio desajustado naquela história, chamam a atenção as demonstrações […]

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se você já é assinante faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

DIGITAL
DIGITAL

Acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo do site

A partir de R$ 9,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.