Assine com até 65% de desconto

Preparação para a 2ª fase: estratégias de estudo para mandar bem

A preparação para a segunda fase é diferente da primeira; veja dicas para estudar do jeito certo

Por Ana Lourenço, Marcela Coelho Atualizado em 9 jan 2018, 12h33 - Publicado em 28 dez 2017, 10h16

Aviso para quem está prestando a segunda fase de um vestibular: a preparação para esta etapa é diferente da preparação para a primeira. Esqueça os simulados de questões objetivas, as técnicas para chutar quando não se sabe a resposta, os truques para descobrir a resposta através da pergunta: a coisa muda bastante quando estamos falando de questões discursivas.

Refaça questões de provas anteriores

Essa é clássica: refazer as questões de provas anteriores do vestibular ajuda a ter uma noção melhor de como os conteúdos são pedidos, o nível de dificuldade e os temas mais cobrados. Mas é preciso ficar atento às diferenças em relação à primeira fase: “Se um assunto caiu na primeira fase, é comum que o aluno corra para estudar aquele assunto para a segunda acreditando que vá cair também. Mas não é tão comum que isso aconteça”, explica Almir Bunduki, diretor pedagógico do Stockler Vestibulares.

  • Revise  a teoria antes de partir para os exercícios

    O tempo é curto até a prova e a tentação é partir direto para as questões, sem revisar a teoria. Mas o professor alerta que isso pode ser um erro: “os alunos querem de imediato responder os exercícios, mas se não lembrarem muito do assunto, vão perder muito tempo tentando relembrar”, explica. A primeira providência, então, é revisar rapidamente a teoria antes de começar os exercícios para dar uma refrescada no conteúdo.

    Além disso, é importante não tentar estudar um conteúdo completamente novo faltando tão pouco tempo para a prova. “Se ele não conseguir aprender, pode ficar angustiado tentando resolver as questões, e vai acabar mais ansioso. O melhor é valorizar aquilo que já estudou, que já sabe, já está consolidado”, diz Bunduki.

  • Cuidado com as resoluções de prova

    É comum, na hora de estudar, estudar com as resoluções das questões dos exames anteriores feitas por cursinhos e colégios. Essas respostas costumam conter bem mais do que o que é dado em aula, porque devem abranger um olhar completo sobre todos os aspectos da questão. O importante é olhar com cuidado para as respostas e não ficar ansioso caso surja aquele pensamento “eu não responderia desse jeito”, ou “eu nunca pensaria em colocar isso na resposta”. Lembre-se que as respostas são elaboradas por professores.

    Não deixe questões em branco

    Na prova, toda pontuação é bem-vinda, então é fundamental não deixar questões em branco. “Se você não sabe responder a questão, tente escrever algum conceito que tenha relação com a pergunta porque pode talvez garantir um meio ponto”, recomenda Bunduki.

    Na hora de treinar, também, tente resolver a questão levando em consideração o espaço que terá para escrever na hora da prova, para não ultrapassar o limite destinado na folha final de resposta.

    Treine

    Lembre-se que o corretor vai corrigir o que você escrever e, para isso, deve poder entender a sua letra. “O examinador tem menos paciência do que o professor na hora de corrigir, então se ele não entender o que está escrito, ele vai desconsiderar”, explica o professor. Por isso, atenção à caligrafia, ok?

  • Continua após a publicidade
    Publicidade