Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Resultado do Enem está disponível

Notas chegam a tempo de ser computadas por Universidades Federais que iniciam inscrição amanhã, 29 de janeiro

Por Redação Atualizado em 16 Maio 2017, 13h40 - Publicado em 28 jan 2010, 09h48

da redação

O Ministério da Educação (MEC) divulgou as notas obtidas por quem prestou o novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Com o resultado, estudantes podem candidatar-se a bolsas do Pró-Uni e, a partir de 29 de janeiro, a 47,9 mil vagas em instituições de Ensino Superior Federais.

– Confira sua nota do Enem

– Vestibulandos têm três chances de usar Enem nas Federais, mas consideram método “confuso”

Realizado em 5 e 6 de dezembro, o Enem estava inicialmente marcado para 3 e 4 de outubro, mas foi adiado por causa do vazamento da prova. Nos dias 5 e 6 de janeiro, seria aplicado para detentos, mas foi também feito por moradores de Brejetuba e Ibatiba, no Espírito Santo – que não fizeram em dezembro, por conta de fortes chuvas em suas cidades.

A abstenção deste ano foi a maior da história do Enem. Dos cerca de 4,147 milhões de incritos, 2,583 milhões compareceram à prova do dia 5 – uma abstenção de 37,7%, contra 27,3% de 2008, por exemplo.

– Presidente do órgão responsável pelo Enem deixa o cargo

Continua após a publicidade

O Enem ocorreu pela primeira vez em 1998. Em 2009, deixou de ter 63 questões aplicadas em um dia para ter 180 aplicadas em dois dias: ciências humanas (geografia e história) e ciências da natureza (física, química e biologia), no primeiro dia, e linguagens e matemática, no segundo. Além do formato da prova, o peso de seu resultado também mudou. Se antes ele apenas “ajudava” os candidatos a melhorar as notas obtidas em alguns exames, agora o Enem substitui os vestibulares de diversas universidades como as federais de Alfenas e do Estado do Rio de Janeiro.

– Baixe as provas do Enem 2009

– Baixe as provas canceladas do Enem 2009

CRÍTICAS
As mudanças no exame foram polêmicas, começando por seu conteúdo. “Textos longos para perguntar coisas muito óbvias não levam a nada”, criticou Luiz Carlos Belillello, professor de Biologia do Objetivo, ouvido pelo GUIA no dia 5 de dezembro, sobre as questões de sua matéria. “Os cálculos foram mais complicados. Sem calculadora, [os alunos] levaram um bom tempo para fazê-los”, emendou Ricardo Balbino, que leciona física no Objetivo.

Alunos, de fato, queixaram-se de um número de questões desproporcional ao tempo de prova. Consonante às reclamações, a professora de português Elizabeth de Melo Massaranduba, também do Objetivo, considerou as alternativas e enunciados da prova de linguagens longos, “o que exigiu tempo e fez que os alunos não terminassem uma das provas”.

O propósito do Enem também não passou imune às críticas. “Não é possível que com uma única prova você atenda a duas finalidades tão diferentes: avaliar o Ensino Médio e selecionar alunos para várias universidades”, sentenciou Nicolau Marmo, coordenador do Anglo Vestibulares, em entrevista ao GUIA logo após o término do Enem 2009. “”Eles não têm o programa do Ensino Médio “, acrescentou Elizabeth, argumentando que isso prejudica as escolas públicas de todo o país que ficam sem saber como construir o programa de ensino.

– Novo Enem não avalia Ensino Médio, diz educador

Na semana em que ouviu as críticas, o GUIA procurou o Ministério da Educação e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) – órgão responsável pelo Enem. A assessoria do Instituto não respondeu ao pedido de entrevista e a assessoria do MEC disse que o ministro Fernando Haddad não concederia entrevista.

FÓRUM

– Como você foi nos vestibulares que prestou neste ano?


– O que você pensa sobre a substituição dos vestibulares pelo Enem?

LEIA MAIS

– Notícias sobre vestibular

Continua após a publicidade
Publicidade