Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Saiba mais sobre química na noite do Réveillon

Você pode não reparar, mas a química está por todo lugar. Inclusive no colorido da queima de fogos do Ano Novo

Por Redação Atualizado em 16 Maio 2017, 13h44 - Publicado em 23 dez 2009, 18h22


Inventados pelos chineses, os fogos de artifício ganharam o mundo

Você, que está se preparando para a segunda fase de algum dos inúmeros vestibulares do país, já parou pra pensar que a revisão do conteúdo das provas pode não estar apenas nos livros? Muitos dos assuntos que caem nos exames de seleção estão presentes no nosso dia a dia, como a conservação de energia mecânica que te possibilita andar em uma montanha russa, por exemplo. E uma tradição mundial que você está a prestes a conferir mais uma vez, a queima de fogos do dia 31, também pode te ajudar a estudar de forma prática. Desta vez, a matéria é química.

Antes, um pouquinho de história. Para contar a da pirotecnia (“a arte de empregar o fogo” em grego), precisamos começar pela da pólvora, que foi inventada pelos chineses há cerca de mil anos. A fórmula da substância explosiva só foi desvendada pelo ocidente no século XIII, pelo monge inglês Roger Bacon. Sua produção foi aperfeiçoada no século XVIII, quando o químico Antoine Laurent Lavoisier desenvolveu uma técnica para sintetizar salitre – que até aí era obtido de forma primitiva – em grandes quantidades.

Os fogos de artifício também foram inventados pelos chineses e contêm, além dos componentes da pólvora – salitre, carvão e enxofre – outras substâncias que possibilitam as variações de cores e efeitos. Para o estouro acontecer, é preciso que ocorra a quebra das ligações químicas da pólvora através de alguma fonte de energia. Excitados, os elétrons geram novas ligações entre os átomos de oxigênio e os de carvão e enxofre da pólvora visando a estabilidade. Na combustão, esta energia pode ser liberada na forma de luz, calor ou som.

– Saiba como os fogos fazem formas no céu (MUNDO ESTRANHO)

Se a pólvora entra com a luz e com o lançamento do artefato às centenas de metros necessários, os elementos químicos presentes nas cápsulas denominadas baladas entram com as cores. Isso porque produzem ondas de energia com formatos diferentes e que são captadas por nós como cores distintas. Cobre faz o azul, lítio o vermelho, bário o verde e magnésio, o prata.

Quando você assitir à queima de fogos que nos conduzirá a 2010, lembre que não está vendo apenas cores no céu, mas testemunhando reações químicas que podem inspirar muitas questões na segunda fase do seu vestibular.

– Leia mais: A química da pirotecnia: ciência e magia dos fogos de artifício (SUPERINTERESSANTE)

– Veja outras formas divertidas de estudar

Continua após a publicidade
Publicidade