Assine Guia do Estudante ENEM por 15,90/mês
Continua após publicidade

Vídeo: A história de Dilma Rousseff na luta armada

O Dops a apelidou de "Joana d’Arc da Subversão" e "Papisa da Guerrilha", embora não há registros da ex-presidente em ações armadas

Por Politize!
Atualizado em 7 nov 2023, 14h16 - Publicado em 26 out 2023, 13h13

Texto produzido pelo Politize! 

A década de 1960 foi um período conturbado na história do Brasil. Com o golpe militar de 1964 e o início de uma ditadura que duraria mais de duas décadas, diversos grupos de oposição se organizaram no país. Entre eles estão os movimentos de guerrilha, que viam na luta armada a única forma de derrubar o regime.

Em um cenário de dura repressão, esses grupos atuavam no Brasil por meio de ações que iam desde sequestros e assaltos a bancos até confrontos armados em áreas rurais. Seus integrantes buscavam inspiração no movimento revolucionário cubano e defendiam uma sociedade socialista.

+ Golpe de 1964 ou Revolução de 1964?

“A Papisa da Guerrilha”

Em sua juventude, Dilma Rousseff emergiu como uma figura proeminente na luta armada contra a Ditadura. Em finais dos anos 1960, ela atuou no grupo “Vanguarda Armada Revolucionária Palmares” (VAR-Palmares) e no Polop, o Comando de Libertação Nacional.

Continua após a publicidade

Fundada nos anos 60, a Polop era uma organização de extrema-esquerda formada por dissidentes do Partido Comunista Brasileiro (PCB). Já o VAR-Palmares tinha uma presença mais significativa no cenário político e uma abordagem mais pragmática em relação à luta armada. O grupo era formado por diversos ex-membros da Ação Libertadora Nacional e do Movimento Revolucionário 8 de Outubro. O grupo participou de ações armadas notórias, como o sequestro do embaixador suíço Giovanni Enrico Bucher em 1970.

Dilma logo se tornou um nome conhecido no movimento de guerrilha, o que fez com que ela ganhasse dos militares dois apelidos – “Joana d’Arc da Subversão” e “Papisa da Guerrilha”, presentes em sua ficha no Dops. Nos anos seguintes, a atuação da ex-presidente na guerrilha seria alvo de especulações falsas que mencionavam seu envolvimento com roubo a bancos e sequestros – embora ela não há registros de ela ter participado de ações armadas e fosse conhecida por sua atuação em funções administrativas, de contabilidade e propaganda

O julgamento e a prisão

Em 1970, Dilma foi capturada e presa pelo regime militar. Depois de ser submetida a muitos dias de tortura a guerrilheira foi levada a julgamento, sendo sentenciada a 4 anos de prisão. Foi nesse dia que uma conhecida e misteriosa foto da ex-presidente foi tirada – a jovem militante aparece de cabeça erguida diante de dois militares que escondem o rosto. 

No quarto episódio da série Sobreposição, a Politize! te conta os segredos por trás dessa foto e revela a verdadeira história da ex-guerrilheira desde sua atuação na luta armada até seu julgamento e prisão.

Busca de Cursos

Continua após a publicidade

Entenda melhor a história no vídeo abaixo:

Compartilhe essa matéria via:

Entre no canal do GUIA no WhatsApp e receba conteúdos de estudo, redação e atualidades no seu celular!

Prepare-se para o Enem sem sair de casa. Assine o Curso GUIA DO ESTUDANTE ENEM e tenha acesso a todas as provas do Enem para fazer online e mais de 180 videoaulas com professores do Poliedro, recordista de aprovação nas universidades mais concorridas do país. 

Publicidade
Vídeo: A história de Dilma Rousseff na luta armada
Estudo
Vídeo: A história de Dilma Rousseff na luta armada
O Dops a apelidou de "Joana d’Arc da Subversão" e "Papisa da Guerrilha", embora não há registros da ex-presidente em ações armadas

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se você já é assinante faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

DIGITAL
DIGITAL

Acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo do site

A partir de R$ 9,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.