Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Incêndio atinge depósito da Cinemateca Brasileira, em São Paulo

Em abril, funcionários fizeram alerta sobre risco de incêndio no local. Acervo audiovisual é o maior da América Latina

Por Wender Starlles Atualizado em 30 jul 2021, 08h42 - Publicado em 29 jul 2021, 20h17

Um incêndio atingiu a Cinemateca Brasileira na Vila Leopoldina,  Zona Oeste de São Paulo, nesta quinta-feira (29). A unidade contém um grande acervo de produções audiovisuais brasileiras, o maior da América Latina.

Segundo informações divulgadas pelo Corpo de Bombeiros, até o momento não há registros de vítimas. No local estão armazenados muitos materiais inflamáveis, como rolo de filmes feitos de nitrato de celulose, o que dificulta o trabalho dos bombeiros. O incêndio não ocorreu na sede da Cinemateca, localizada na Vila Mariana.

Em abril, funcionários da Cinemateca Brasileira fizeram alerta sobre risco de incêndio no local. “Tememos pela morte da memória social, histórica, cultural, cinematográfica e audiovisual brasileiras”, diz o manifesto. No texto, há um pedido por uma ação emergencial para preservar e manter o funcionamento do espaço.

A administração da instituição está sob responsabilidade do governo federal, por meio da Secretaria Especial de Cultura que é comandada atualmente por Mário Frias. Em publicação, o secretário da pasta afirmou que solicitou à Policia Federal uma investigação sobre as causas do incêndio.

Em nota, a Secretaria Especial de Cultura diz que está acompanhando o ocorrido. “O governo federal, por meio da Secretaria, reafirma o seu compromisso com o espaço e com a manutenção de sua história”.

Ainda no ano passado, por ordem do governo federal a instituição foi fechada.

Nas redes sociais, políticos e artistas lamentaram o ocorrido:

Descaso com a Cinemateca

Em fevereiro de 2020, uma grande enchente alagou o galpão da unidade da Vila Leopoldina e parte do acervo foi comprometido. De acordo com laudo técnico realizado pela Fundação Roquette Pinto, estima-se que 9 mil rolos de filmes foram destruídos sem haver qualquer possibilidade de recuperação dos arquivos.

Em 2016, outro galpão da Cinemateca Brasileira, na Vila Clementino, foi atingido por um incêndio que destruiu cerca de 500 obras audiovisuais. A principal suspeita da causa do incêndio foi a de autocombustão dos filmes. Por serem obras muito antigas, elas eram produzidas em nitrato de celulose, um material inflamável.

Continua após a publicidade
Publicidade