Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Devo fazer Medicina, mesmo sendo de família de baixa renda?

Orientador profissional esclarece

Por Redação Atualizado em 16 Maio 2017, 13h57 - Publicado em 3 out 2009, 07h24

Olá! Este ano irei tentar meu 1º vestibular pra Medicina, pois este é o curso que eu sempre me identifiquei. Porém, vejo muitas dificuldades, principalmente por eu ser de família de baixa renda que conseqüentemente não teria como me manter durante o curso. Infelizmente, está muito difícil conseguir entrar numa Universidade Federal, que seria a opção ideal, no entanto muitas das vagas são preenchidas por estudante provenientes de escolas particulares que são mais bem preparados para a concorrência. Minha dúvida é… Mesmo com as dificuldades financeiras devo tentar Medicina ou devo optar por outro curso que também goste, só que menos concorrido?
Enviado por Jonathan Luiz da Silva Tavares

Se você tem mesmo este forte interesse em medicina, não bloqueie de início em função das dificuldades financeiras. Você parece ter clareza quanto às injustiças sociais em relação ao processo de escolarização no Brasil. De fato, as condições sócio-econômicas são um forte fator limitador da liberdade de escolha, como apontado por você. Limitador, porém não impeditivo.

É possível superar tais dificuldades por meio de estratégias bem elaboradas e do aproveitamento de oportunidades. Saiba que está em tramitação – possivelmente para breve aprovação – no senado um projeto de lei que determina que 50% das vagas das Universidades Federais sejam reservadas a estudantes provenientes da escola pública. O texto que está em exame determina também que para ser beneficiado pela cota o estudante deve pertencer a famílias que tenham como renda máxima 1,5 salário mínimo per capita. Outras políticas públicas – como o Pró-Uni – podem auxiliá-lo na superação das diferenças de ordem social.

Você também pode buscar estratégias alternativas para se manter economicamente durante o curso. É mais comum do que possa parecer que alunos com maiores necessidades explorem atividades econômicas para permanecer estudando, tais como lecionar aulas particulares, comercializar alimentos ou outros produtos de interesse da comunidade acadêmica. Há também a possibilidade de conquistar bolsas de iniciação científica durante a graduação. De toda forma, o primeiro passo é conseguir realizar estudos pré-vestibulares sólidos e profundos. Afinal, a concorrência em medicina é a maior. Também para isso você pode buscar conquistar bolsas de estudo, pois vários cursinhos as oferecem, bem como existem cursinhos mantidos por Ongs ou que têm custo baixo, como o cursinho da Poli. Informe-se a esse respeito e construa possibilidades.

Se não passar nesta primeira tentativa, você pode fazer outras, como é frequente em relação à medicina. Pense que se conseguir efetivar seu projeto, sua vitória terá um sabor especial: não será apenas uma conquista individual, mas também refletirá possibilidades de transformação social. E lembre-se: depois de formado, mantenha seu compromisso social: não se esqueça que milhões de brasileiros têm pouco acesso a serviços de saúde adequados

Continua após a publicidade
Publicidade