logo-ge

Devo ou não tentar ser professor?

Orientador profissional esclarece

Tenho 16 anos, estou no segundo ano do Ensino Médio. Possuo grande facilidade em ensinar e dar aulas para os colegas de classe, e gosto de fazê-lo, além disso sou apaixonado pelo conhecimento, principalmente exatas, porém tenho um receio quanto a ser um professor. Não é difícil ver nos grandes meios de comunicação a notícia de que o salário de professores não é dos melhores. Meus pais me orientam a pensar no futuro e orientar minha escolha profissional de acordo com as minhas pretensões materiais, ao mesmo tempo que dizem para que eu faça o que eu goste. O que faço?
Enviado por Gabriel

A carreira de professor sofreu muitos e grandes percalços nas últimas décadas. Desde os anos em que estivemos sob a ditadura militar (de 1.964 a 1.982), as condições de trabalho dos professores da rede pública foram se deteriorando, inclusive o valor dos salários e o acúmulo de horas trabalhadas.

De fato a remuneração do professor não é considerada justa em relação à importância de seu trabalho. Lutas históricas sindicais ainda não conseguiram conquistar melhores salários, principalmente no ensino público. As instituições privadas de ensino em geral remuneram melhor; obviamente, há maior concorrência quanto às vagas nessas instituições.

Apesar de problemas quanto a remuneração, a oferta de empregos é grande. Há falta de professores em diversas áreas do conhecimento, em função da expansão da rede escolar e da diminuição do interesse de profissionais atuarem nas áreas. Procure conversar com professores de escolas públicas e particulares de sua região para um melhor mapeamento do contexto de sua escolha. Consulte também sites de sindicatos e associações de professores, pois estes costumam apresentar a s bases salariais da categoria. Observe que uma parte do salário dos professores de escolas públicas é composto por adicionais e gratificações que não são descritas nestes sites.

Para se tornar professor há caminhos diversos. Para ser professor de ensino fundamental I (1º ao 5º ano) exige-se a formação em pedagogia. Para a regência no ensino fundamental II (6° ao 9° ano) e ensino médio é necessária a licenciatura em ciências ou letras, matemática, química história, geografia etc. Há universidades que oferecem apenas a opção de bacharelado nessas áreas; neste caso, você deveria buscar a formação complementar típica da licenciatura que é exigida pelas escolas de ensino fundamental e médio para aceitá-la como professor.

Há ainda a opção quanto a docência universitária. Para se tornar professor universitário o caminho é diferente. O professor deste nível é um graduado no curso em que irá lecionar (por exemplo: engenheiros dão aula em cursos de engenharia, obviamente) ou em cursos cujo domínio é necessário na formação complementar para algumas disciplinas específicas (por exemplo, psicólogos lecionam psicologia organizacional em cursos de engenharia. Administradores lecionam disciplinas ligadas a sua área em cursos de engenharia). A carreira destes professores se inicia por meio de cursos de especialização ou pós-graduação stricto senso (mestrado e doutorado). A remuneração de professores universitários é em geral superior a de professores dos outros níveis.

Reflita sobre este panorama e sobre seus valores pessoais. Converse com professores e volte a dialogar com sua família.

Leia mais:
– TESTE: Eu me daria bem na carreira de professor?
– Terei problemas para lecionar por ter tatuagens?