Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Entrevista reversa: perguntas que podem (e devem) ser feitas ao recrutador

Confira os passos essenciais para estar preparado para uma entrevista de emprego

Por Redação 16 jun 2021, 16h33

Este texto foi originalmente publicado no portal Na Prática, parceiro do Guia do Estudante.

A entrevista reversa (ou invertida) é entendida como o momento pelo qual o candidato tem a oportunidade de assumir o papel de entrevistador em um processo seletivo. Embora essa etapa da seleção costume ser ocupada quase que integralmente pelo recrutador, quem nunca ouviu: você tem alguma pergunta?

Mas que tipo de dúvidas é possível ter? A resposta é qualquer uma, mesmo que elas tenham surgido durante a conversa. Além disso, é importante lembrar que muito provavelmente o recrutador está falando com outros candidatos.

Assim, por meio de testes aplicados, perguntas padronizadas e outros critérios, ele consegue ter uma visão ampla e tem mais facilidade para fazer a comparação de perfis. Junto a isso, o entrevistador conhecimento histórico e do dia a dia da empresa.

Em contrapartida, dificilmente o candidato dispõe de informações privilegiadas da companhia – a não ser que conheça alguém interno e ainda sob a possibilidade de ter uma visão limitada a determinada área e/ou função. É por isso que a entrevista invertida deve ser usada como uma ferramenta para os candidatos sempre que houver a oportunidade.

O que é a entrevista reversa?

Uma boa entrevista que culmina na contratação de um profissional dificilmente é baseada apenas em testes de personalidade e avaliações de habilidades e competências. Afinal, conforme aponta Dilip Saraf, coach de carreira e liderança, o recrutador também visa saber o quanto o candidato entende as necessidades da empresa.

Em um artigo publicado no LinkedIn, ele destaca que os candidatos devem sempre fazer uma extensa pesquisa sobre as empresas de interesse. E, assim, ter informações e perguntas que mostrem uma visão aguçada na área em que está sendo entrevistado.

“São as perguntas perspicazes que você faz em sua própria área de interesse, que mostram a profundidade de seu pensamento de liderança. Além disso, são as perguntas que você faz sobre as áreas adjacentes de interesse que destacam a amplitude de sua liderança”, afirma Saraf.

Deste modo, um processo de entrevista reversa bem-sucedida inclui não apenas as perguntas que você, como candidato, faz ao entrevistador. Ao levantar questionamentos pertinentes à posição pretendida ou sobre a organização, é demonstrado a maneira como você encara o processo seletivo e o quão interessado e preparado está para o desafio.

Continua após a publicidade

Prepare-se tanto quanto (ou mais) que o recrutador

Estar tão preparado quanto o recrutador é uma oportunidade de impactar no processo de entrevista. Pois, além de permitir que o candidato vá preparado para entender o necessário para tomar uma decisão, também mostra à empresa o que ela deveria saber, mas não perguntou.

Sobre o assunto, o Na Prática compilou 3 passos essenciais para os candidatos que estejam preparados para a entrevista de emprego e a invertida:

#1 Compreenda a importância da função, equipe e empresa

É bastante comum que, ao se deparar com a oportunidade de fazer perguntas, o entrevistado se concentre basicamente em questões sobre rotina, atribuições e benefícios. São questões importantes, porém limitadas quando se pensa no todo.

Por isso, para realmente entender a vaga pretendida, o ideal é que o candidato outros dois pontos importantes: a equipe e também a empresa. Para começar, é um erro acreditar que o desenvolvimento profissional da pessoa contratada está unicamente centrado em sua função. Porém esse não é único componente dessa importante equação.

Assim sendo, é importante formular perguntas cujas respostas sejam capazes de nortear se o ambiente (função + equipe + empresa) estão de acordo com as suas pretensões de carreira.

#2 Faça perguntas que vão além do script

Perguntas como “qual é a cultura da empresa?” ou “qual é a visão estratégica para os próximos dois anos?” são boas, porém dificilmente levarão a algum lugar especial. Além de serem genéricas, dificilmente ajudarão o recrutador a ter uma percepção diferente sobre o entrevistado.

Em vez disso, adote as seguintes estratégias:

  • Dê contexto de uma forma que explique por que você está perguntando o que está perguntando – isso com certeza irá moldar a percepção que eles têm de você.
  • Pergunte sobre como aquilo que você deseja saber foi implementado ou usado na prática.
  • Reformule o seu entendimento sobre a resposta ao entrevistador. Fazer isso mostra que você está ouvindo, mas também ajuda a aprofundar sua compreensão e alinhamento.

#3 Aprofunde-se mais do que eles oferecem a você

Se você fizer uma pergunta durante a entrevista reversa a qual não recebeu uma boa resposta – por falta de aprofundamento, por exemplo –, vá mais fundo. Algumas frases simples para ajudar a levar o recrutador a fornecer mais informações. Vejas alguns exemplos:

  • Você disse “X”, poderia me dizer mais sobre isso?
  • Não tenho certeza se entendi “Y”, você tem um exemplo?
  • Você disse “X” e “Y”, mais alguma coisa?

Caso o entrevistador não queira responder, é preciso explicar por que a questão é importante no contexto da vaga. É claro que há situações em que o recrutador pode não saber detalhes técnicos da função. Neste caso, o indicado é perguntar quem seria a pessoa que poderia responder sobre essa informação.

20 perguntas que você pode fazer em uma entrevista reversa

Até aqui foi possível desenhar estratégias para formular boas perguntas que devem ser usadas durante as entrevistas de emprego. Ainda assim, separamos outras questões para inspirar. Mais uma vez, porém, é importante destacar que elas precisam fazer sentido para a oportunidade pretendida.

A seguir, reunimos uma lista de perguntas para serem usadas em entrevistas invertidas. Porém, lembre-se: elas precisam ser contextualizadas para a vaga e/ou função. Confira!

  1. Por que essa função está aberta atualmente?
  2. Quais tipos de tarefas eu faria em um dia normal?
  3. E qual será a mais importante que devo realizar nos primeiros 30 dias, 60 dias ou 6 meses?
  4. Quais são as horas de trabalho realistas, incluindo possíveis extras, esperados nesta função para que eu possa me preparar, pois estou 100% comprometido?
  5. Como funciona o período de adaptação para essa função?
  6. Qual é sua definição de sucesso para esse cargo?
  7. Como o meu desempenho será avaliado? Haverá uma rotina de feedbacks? Quais indicadores costumam ser usados?
  8. Como o trabalho, atribuições e rotina costuma ser organizado?
  9. Como sua equipe atual descreveria o ambiente e a cultura de trabalho?
  10. Como é feita a comunicação interna e externa dos times?
  11. Quem são os funcionários mais adequados com quem posso falar para entender melhor a função do dia a dia desta função?
  12. Quem define prioridades e/ou prazos?
  13. Quando há um problema ou se eu errar, como essas situações são tratadas normalmente?
  14. Quais são os desafios atuais que o time e/ou empresa está experienciando e como vocês estão resolvendo?
  15. Porque a empresa decidiu contratar alguém de fora ao invés de promover um funcionário interno?
  16. Existe plano de carreira? Quais são os requisitos e expectativas passadas aos funcionários a respeito de promoções?
  17. A empresa estimula e fornece meios de desenvolvimento, capacitação e aprendizado dos funcionários?
  18. Você poderia me contar uma história de uma situação adversa com funcionários na empresa e como vocês resolveram ela?
  19. Qual é a relação de trabalhadores remotos com os presenciais e/ou híbridos?
  20. Caso o regime seja remoto ou híbrido, a companhia fornece equipamentos como notebooks? Se sim, qual e de quanto em quanto tempo são renovados?
Continua após a publicidade
Publicidade