logo-ge

Gosto de Humanas e sou comunicativo. Que curso devo escolher?

Orientador profissional esclarece

Tenho certeza que minha área é a de Humanas, mas quando penso em qual curso seguir fico em dúvida entre Direito e Psicologia. Acho que no primeiro terei mais chances no mercado de trabalho, melhor remuneração e mais reconhecimento. Já no segundo acho que vou poder trabalhar mais com minhas opiniões e discutir assuntos mais profundamente. Mas é fundamental para a minha escolha que haja liberdade de me expressar e a chance de discutir com outras pessoas sobre diferentes assuntos. Que curso escolho?
Enviado por Yago Argolo

Você traz à discussão elementos importantes do processo de escolha: seus valores, status das profissões, interesses já identificados e a análise de possibilidades de mercado. Agora vamos ampliar sua discussão. Primeiramente, o mercado de trabalho varia em função de diversos fatores: número de profissionais capacitados, demandas sociais, reconhecimento social das profissões – e tais determinações mudam de acordo com o momento histórico e o desempenho da economia do país. Nesse sentido, quando identificamos a atual situação do mercado, devemos considerar que apontamos apenas tendências que podem mudar.

Considere também que muitas profissões podem lhe permitir a liberdade de exposição de suas opiniões (que, depois da formação acadêmica, serão dirigidas para os assuntos para os quais você se qualificará). Como jornalista, por exemplo, você pode se tornar articulista e investigar determinado campo e expressar sua “opinião” (a síntese das análises produzidas em contato com seu objeto de estudo, mas que respeite os limites profissionais).

O mesmo em Psicologia: o psicólogo não expressa o que acha sobre o comportamento humano, mas aquilo que pode afirmar fundamentado em referências teóricas e metodológicas construídas em sua formação. Como profissional de Relações Internacionais, você poderá mediar interesses/conflitos a partir de análises dos padrões culturais e legais vigentes em diferentes sociedades. Já o advogado, baseado em sua experiência profissional e identificando interesses dos clientes, fará da mesma forma.

Em síntese, considere que esta “liberdade” é relativa e é importante lembrar qual a natureza dos assuntos sobre os quais pretende se debruçar? Comportamento humano, política, economia, direitos privado e social, cultura geral? Amplie sua análise procurando identificar não apenas a forma de expressar-se, mas também o conteúdo que você deseja versar.