Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Há muitas oportunidades para o profissional de Engenharia de Petróleo?

Orientador profissional esclarece

Por Redação Atualizado em 16 Maio 2017, 13h50 - Publicado em 9 mar 2011, 12h42

Gostaria de saber se há muitas oportunidades no mercado de trabalho para quem se forma em Engenharia de Petróleo apesar de ser um campo de atuação restrito. E qual o salário médio inicial?
Enviado por Lígia Furlan da Silva

As profissões são criadas, modificadas e extintas em função de alguns fatores, tais como a necessidade social, os investimentos privados e do Estado e mudanças tecnológicas. Vamos pensar sobre a “demanda social”, ou seja, a necessidade que uma sociedade gera para que determinadas pessoas possam contribuir para seu desenvolvimento.

Como exemplo, saiba que antes da década de 1980 praticamente não havia nenhum curso na área de informática. Com o avanço da tecnologia e com o crescimento da necessidade de termos profissionais ligados à área, uma grande quantidade de cursos foi aberta.

A demanda social nesta área foi em grande parte suprida – temos profissionais capazes de atender as necessidades de empresas privadas e públicas. Ao mesmo tempo, temos pessoas que não encontram lugar no mercado de trabalho e que realizam atividades simples para poder sobreviver.

Reflita sobre isso. Segundo o Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura de São Paulo, o salário mínimo profissional inicial deveria ser de R$ 4.335,00 por 40 horas de trabalho semanais. Com tempo de empresa, experiência acumulada e conquista de cargos de supervisão, gerência ou diretoria, tais rendimentos necessariamente serão ampliados. A engenharia é uma profissão que tem status reconhecido, necessária para o aumento e melhoria da produção.

Outro forte indicador positivo para a Engenharia de Petróleo é o investimento na área e as descobertas de novas jazidas de petróleo que a última gestão governamental federal e a Petrobrás realizaram, em especial, as descobertas de reservas nos campos do pré-sal. Empresas privadas, distribuidoras dos subprodutos como gasolina, nafta, querosene, elementos essenciais de plásticos,entre outras, contratarão profissionais da área nos próximos anos.

Elas estão quase sempre associadas a polos petroquímicos, ou seja, aqueles que fazem o “craqueamento” do petróleo – que extraem parte do produto bruto e repassam a outras o que sobra para nova extração e assim por diante.

Por fim, considere que há muitas pessoas pensando como você, bem como muitas faculdades interessadas em receber pessoas que paguem suas mensalidades para ingressar neste mercado promissor. Daqui a cinco anos, quando você se formar, a realidade pode mudar. Esteja atenta e construa seu caminho.

Leia mais:
– Será que Engenharia de Petróleo é o curso ideal para mim?
– O curso Engenharia de Petróleo já foi reconhecido pelo MEC?
– Estudei Geografia, poderei trabalhar com petróleo?
– O que devo estudar para cursar Engenharia de Petróleo?

Continua após a publicidade
Publicidade