logo-ge

Quero dar aula em universidade. Faço bacharelado ou licenciatura?

Entenda a diferença entre as titulações

Quero muito ser professora universitária e pesquisadora em Ciências Sociais, mas não sei qual tipo de graduação fazer. Qual dos dois vale mais a pena: licenciatura ou bacharelado? Ou não tem diferença?

Cecília

A maior diferença entre a licenciatura e o bacharelado é a área de atuação no mercado de trabalho. O foco principal da licenciatura é habilitar o profissional para atuar como professor nos Ensinos Fundamental e Médio. Dessa maneira, você terá disciplinas específicas que dizem respeito à parte pedagógica, como Psicologia da Educação, Didática etc.

Já na modalidade bacharelado você não vai ter contato com disciplinas da área pedagógica, pois a atuação no mercado de trabalho não é em escolas. Contudo, o bacharel não exclui suas possibilidades de ser professora universitária e pesquisadora.

Para ser uma professora Universitária é necessário cursar uma pós-graduação lato sensu, que irá te conferir o título de professora especialista, ou uma pós-graduação stricto-sensu, que corresponde ao título de mestre e posteriormente doutora, caso você continue seus estudos.

Quanto maior sua titulação como professora, maiores são as chances de ser contratada por uma universidade particular ou ser aprovada em um concurso para uma universidade pública.

Independentemente da sua escolha por bacharelado ou licenciatura, você terá que cursar alguma pós-graduação para lecionar em qualquer universidade.

Uma dica valiosa que pode ajudar na sua escolha é procurar no site da universidade que você deseja estudar pela grade curricular do curso e ver se as disciplinas do bacharelado te agradam mais do que as disciplinas de licenciatura. É importante ressaltar que as disciplinas disponíveis na grade curricular variam de uma instituição para outra, então fique atenta!

Respondido por Guilherme Lima de Araújo, graduado em História.

*O Projeto Salvaguarda, fundado por um aluno de Economia da USP, tem o objetivo de mostrar aos estudantes da rede pública que os bancos das universidades também devem ser ocupados por eles. Os mais de 200 voluntários, geralmente alunos ou professores da universidade, realizam um trabalho com os estudantes para falar sobre carreiras e a seleção para o ensino superior e aproximá-los do cotidiano do ensino superior.