logo-ge

Vocação é o critério mais usado na escolha do curso superior

Facilidade de inserção no mercado de trabalho e possíveis melhorias de carreira são outros itens bastante considerados pelos estudantes, aponta pesquisa

Um levantamento recente feito pelo Quero Bolsa revela que a maioria dos estudantes de instituições superiores privadas leva em conta a vocação na escolha do curso. O resultado é um recorte do “Panorama Quero Bolsa do Ensino Superior Privado no Brasil”, que entrevistou mais de 22 mil pessoas de todo o País.

Dos universitários ou formados interrogados para a pesquisa, 44% disseram que a vocação foi o principal item avaliado na hora de decidir o curso de graduação. Já 25% consideraram possibilidades de melhorias de carreira, 23% facilidade de inserção no mercado de trabalho, 3% influência de amigos e familiares, outros 3% prestígio social e 2% motivos com menor peso no momento da definição.

Outra informação coletada pela pesquisa foi a principal motivação para o ingresso no ensino superior. As respostas foram as seguintes:

  • Possibilidade de atuar na área do curso (66%);
  • Diploma aumenta as chances no mercado de trabalho (14%);
  • Trabalham na área e pretendem se aperfeiçoar na carreira (13%);
  • Diploma aumenta as chances de uma remuneração melhor (6%) e
  • Influência da família e amigos (1%).

Além dos motivos pessoais, o levantamento elencou os fatores preponderantes para a escolha da instituição de ensino:

  • Preço da mensalidade (61%);
  • Qualidade de ensino e reputação da faculdade (18%);
  • Proximidade da residência (5%);
  • Localização (4%);
  • Infraestrutura da faculdade (4%);
  • Facilidade de acesso (3%);
  • Não é perto nem do trabalho nem de casa, mas é de fácil acesso (2%) e
  • Outros (3%).

Não matriculados

Dentre os que não estão matriculados no ensino superior, o levantamento elegeu dois subgrupos: os que nunca ingressaram em uma faculdade e os que ingressaram, mas evadiram ou trancaram a matrícula.

Para o primeiro subgrupo foi perguntado os motivos de ainda não ter se matriculado no ensino superior.

“Vale registrar que esse público, em geral, é composto por jovens, que veem o diploma como uma alavanca para a carreira e para a vida, aumentando as possibilidades no mercado de trabalho e de ganhar um salário melhor”, afirma André Narciso, diretor financeiro do Quero Bolsa e responsável pela pesquisa.

Abaixo estão os resultados:

  • Valor da mensalidade fora do orçamento (65%);
  • Não consegui bolsa de estudo/financiamento governamental (20%);
  • Quero tentar uma faculdade pública (6,6%);
  • Não fui aprovado em nenhum processo seletivo (2,3%);
  • Falta de tempo (2%);
  • Ainda não decidi o curso que quero fazer (1,7%);
  • Ainda não decidi a faculdade que quero fazer (1,4%) e
  • Desisti de fazer a faculdade (0,3%).

Já para o segundo subgrupo o questionamento foi os motivos de evasão ou trancamento da faculdade. As respostas foram as seguintes:

  • Valor das mensalidades (57%);
  • Devido a outros compromissos pessoais/profissionais (23%);
  • Falta de identificação com o curso (10%);
  • Dificuldade para acompanhar as disciplinas do curso (5%);
  • Qualidade insatisfatória das aulas/professores (4%) e
  • Profissão em baixa no mercado de trabalho (1%).

Cursos mais desejados

O relatório também observou a preferência dos estudantes quando decidem pesquisar um curso de ensino superior na internet. Confira o ranking:

1. Direito
2. Enfermagem
3. Administração
4. Psicologia
5. Pedagogia
6. Fisioterapia
7. Educação Física
8. Nutrição
9. Ciências Contábeis
10. Medicina
11. Recursos Humanos
12. Engenharia Civil
13. Farmácia
14. Odontologia
15. Medicina Veterinária
16. Arquitetura e Urbanismo