logo-ge

Como saber se um curso de graduação a distância é bom?

Em meio a tantas ofertas e possibilidades, saiba o que analisar para escolher um curso EaD de qualidade

Com a popularização dos cursos de ensino a distância (EaD) – e a diminuição do preconceito no mercado de trabalho nos últimos anos -, este tipo de graduação vem se consolidando cada vez mais como uma ótima alternativa de formação.

O crescimento da demanda por essa modalidade de ensino levou a uma grande alta na oferta desses cursos e aí veio a questnao desta matéria, por que esses cursos podem nem sempre ser da melhor qualidade. Por isso, é importante estar atento na hora de escolher a gaduação e a instituição de ensino para obter um bom resultado do esforço e do investimento aplicados.

Estrutura
Mas afinal, como escolher a melhor graduação a distância? “É essencial para qualquer curso de graduação superior contar com docentes bem qualificados e com uma infraestrutura técnica de acesso a materiais didáticos e pedagógicos, laboratórios, bibliotecas físicas e digitais”, afirma Daniel Laporta, coordenador dos cursos EaD no Centro Universitário Anhanguera de São Paulo. Para ele, esses recursos devem atuar de maneira integrada para dar amplo suporte aos estudantes de cursos a distância.

Assim, o uso das tecnologias nos cursos EaD deixa de ser um mero diferencial e passa a ser um forte medidor de qualidade. Videoaulas e plataformas de tutoria online, por exemplo, são apenas alguns dos recursos básicos que devem fazer parte da estrutura de um bom curso a distância. “A era digital proporciona possibilidades infinitas de acessibilidade e desenvolvimento pedagógico”, ressalta Laporta.

Essas oportunidades devem ser utilizadas sempre a favor do aluno a distância, que precisa de nortes dinâmicos para se manter estimulado e assim orientar de maneira satisfatória o seu desenvolvimento pedagógico.

A escolha na prática
Tendo esses conceitos em mente, o aluno que procura uma boa graduação a distância pode visitar o local onde a instituição funciona para conhecer sua infraestrutura e até conversar com o coordenador do curso para saber mais sobre as atividades acadêmicas ofertadas. “Atividades acadêmicas extracurriculares como palestras, cursos de extensão e workshops, mesmo em períodos de férias e recesso, mostram a vitalidade de uma instituição e a seriedade em reproduzir conhecimento”, afirma Laporta.

Outra boa medida de avaliação é verificar o reconhecimento e a pontuação que a instituição escolhida obteve nos índices do Ministério da Educação (MEC). Indicadores como o Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC), o Conceito Preliminar de Curso (CPC) e o Conceito Enade são disponibilizados anualmente pelo MEC e dão uma boa ideia sobre a regularidade da instituição.

“A universidade que oferta de maneira interligada bons docentes, bons materiais pedagógicos e boa tecnologia certamente será bem sucedida em contemplar os critérios de qualidade exigidos pelo Ministério da Educação”, destaca Laporta.

Além disso, esse é um bom sinal de que tanto o curso como a instituição terão um bom reconhecimento no mercado de trabalho, o que será fundamental para a empregabilidade do aluno após a conclusão da graduação.