Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Parar a carreira e ir para pós-graduação no exterior vale a pena?

Uma das questões a serem consideradas é o impacto de um curso internacional na carreira de quem volta

Por Nathalia Bustamante, do Estudar Fora Atualizado em 10 ago 2017, 18h15 - Publicado em 3 ago 2017, 17h12

O cenário é muito comum: o jovem concluiu sua graduação, entrou em uma empresa, começou a trabalhar e então sentiu aquele comichão de passar uma temporada estudando fora. E aí, vem a dúvida: pausar a carreira para fazer uma pós graduação no exterior vale a pena?

O comichão pode aparecer pelas mais variadas razões: pode ser que a posição exija um conhecimento técnico que o profissional ainda não possua; ou pode ser que a carreira não esteja tomando o rumo que se tinha imaginado… De qualquer forma, é um passo ousado, trocar o certo pelo duvidoso e abandonar a estabilidade de um emprego aqui no Brasil (e possibilidades de crescimento) por um mundo de incertezas e descobertas lá fora.

Nesta hora, o que mais importa é justamente a razão pela qual o jovem quer fazer uma pós no exterior. É por uma questão de salário? De habilidades? A carreira exige? Ou quer mudar de direção?

No vídeo abaixo, produzido em parceria com o Portal de Carreiras Na Prática, discutimos quais são os prós e o contras a serem pesados na hora de tomar esta decisão e algumas dicas de como decidir o melhor momento para a sua pós no exterior.

Pausar a carreira para fazer uma pós graduação no exterior vale a pena?

  • O impacto de uma pós no exterior na carreira

    Uma das questões a serem consideradas é o impacto de uma pós no exterior na carreira de quem volta. “O mestrado no exterior me abriu portas como um trator“, afirma o bolsista da Fundação Estudar Jorge Maluf Neto, que fez seu MBA em Stanford. Ele, que empreendeu ao retornar ao Brasil, explica que a pós graduação no exterior vale a pena tanto pelo conhecimento qunto pelo “selo Stanford”, que lhe conferiu mais credibilidade perante potenciais investidores. “Tenho certeza que 90% de meus investidores avaliaram isso como algo bem positivo na hora de tomar a decisão de investir em mim”, explica ele.

    Porém, é um erro comum ir para uma pós no exterior pensando apenas no aumento salarial. “O inglês aumenta a média salarial entre 10% e 15% na mesma posição – inclusive no mercado brasileiro”, afirma Ricardo Ribas, gerente executivo da empresa de recrutamento Page Personell. Porém, ele também alerta que experiências no exterior não garantes, por si só, carreiras de sucesso: “Muitos voltam com expectativas muito altas de colocação e salário, sendo que a experiência nem sempre lhe garante estar capacitado para os cargos almejados”.

    Considerando estes dois pontos, qual é o real impacto de uma pós no exterior na carreira e o que o estudante pode fazer para aproveitar ao máximo a sua experiência fora? Isto é o que discutimos no segundo vídeo da parceria. Confira:

    Este artigo foi originalmente publicado por Estudar Fora, portal da Fundação Estudar

    Continua após a publicidade
    Publicidade