logo-ge

Saiba como se sair bem em uma seleção de mestrado ou doutorado

Veja as principais dicas para conseguir uma vaga em um programa de pós-graduação

Começar um mestrado ou doutorado pode até parecer simples, mas essa ideia já cai por terra quando se percebe a exigência dos processos seletivos dos programas de pós-graduação. Além de serem concorridos, eles costumam ser bastante rigorosos, o que não abre chances para que o candidato consiga uma vaga no programa desejado sem antes ter se preparado muito bem.

Pensando nisso, reunimos as principais dicas de comportamento e organização para qualquer um que esteja pensando em seguir os estudos na pós-graduação. Confira:

Conhecer o programa é fundamental

De nada adianta concorrer a uma vaga em um programa que não corresponde aos seus objetivos, certo? Por isso, é muito importante pesquisar tudo sobre o curso antes de se inscrever: ler o edital com cuidado, ter ideia de como é a infra-estrutura, quais são as disciplinas que compõem a grade curricular, quem são os professores e qual é a linha de pesquisa seguida por eles.

Além disso, conversar com os alunos que estão cursando ou que já terminaram o curso pode render algumas dicas valiosas sobre a seleção e também sobre o próprio programa. “É importante que o candidato converse com profissionais que estão no mestrado ou doutorado para saber a opinião deles e como a especialização pode contribuir para o sucesso profissional”, afirma Angelo Palmisano, pró-reitor acadêmico do Complexo Educacional FMU.

Pesquisa e experiência

É importante ter em mente um projeto de pesquisa, já que a maioria das seleções de pós-graduação pedem que o candidato apresente pelo menos um pré-projeto sobre o assunto ou tema que deseja pesquisar. É através dele que os professores avaliarão o conhecimento do candidato e se ele se encaixa às linhas de pesquisa do programa.

Palmisano ainda destaca que ter experiência prévia na área, seja com iniciação científica ou até mesmo através de experiências no trabalho, é um ponto bastante valorizado, já que durante a pós o aluno “realizará pesquisas neste ramo para aumentar seus conhecimentos e agregar novos em seu repertório.”

Segunda língua

Um aluno de mestrado ou doutorado deve ser capaz de acompanhar os avanços da ciência, e estes raramente são expostos em português. Tendo isso em vista, algumas instituições podem exigir um certificado de proficiência em inglês ou outra segunda língua. Já outras podem ainda aplicar um exame de proficiência próprio para testar os conhecimentos do candidato em determinada língua. Por isso, é extremamente vantajoso dedicar um tempo a aprender ou aperfeiçoar uma segunda língua.

No entanto, é importante lembrar que apesar de o conhecimento do inglês ser sempre o mais destacado, nem sempre ele é o único necessário. Para cursos de humanas, por exemplo, saber um pouco de francês e espanhol também é importante, já que as escolas europeias têm grande destaque nessa área.

Clareza nos objetivos

Mais do que conhecer bem os objetivos desejados com a pós, é preciso saber expô-los com clareza no momento da entrevista do processo seletivo. Os professores da banca costumam fazer perguntas gerais sobre as motivações do candidato para cursar a pós, mas sem deixar de lado as questões mais específicas sobre currículo e rotina, por exemplo.

"É importante demonstrar que possui tempo para se dedicar ao curso, uma vez que serão necessárias muitas horas para leitura, consultas, pesquisas, participações em eventos e redações”, ressalta Palmisano.

LEIA MAIS

– Notícias de pós-graduação