logo-ge

Engenharia de Biossistemas

É a engenharia voltada à aplicação de tecnologias nos processos de produção agropecuária, visando à produtividade do agronegócio

É a engenharia voltada à aplicação de tecnologias nos processos de produção agropecuária, visando à produtividade do agronegócio. Ele entende de produção animal e vegetal, automação, agricultura e zootecnia de precisão. Mediante uso de tecnologias inovadoras, ele projeta sistemas que beneficiam a produção no campo, de maneira produtiva e sustentável, como sistemas de drenagem, alternativas de energia e métodos de armazenamento.

Pode ainda desenvolver, instalar e gerenciar equipamentos e sistemas de apoio à agropecuária, beneficiando a produção de alimentos, fibras, materiais e energia. Atua em toda a cadeia do agronegócio, desde a infraestrutura, passando pela automação, até a gestão de tecnologias.

Dúvida do vestibulando

QUAL A DIFERENÇA ENTRE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS E ENGENHARIA AGRÍCOLA?

Enquanto a formação em Engenharia Agrícola é voltada, basicamente, para a infraestrutura da produção, projetando e construindo edificações agrícolas, sistemas de irrigação e de armazenamento, a de Engenharia de Biossistemas dirige-se à automação, gestão de software e agricultura e zootecnia de precisão.

No mercado de trabalho, eles podem atuar juntos. O engenheiro agrícola, por exemplo, definirá como será feita a irrigação da lavoura e o de biossistemas cuidará da automatização desse processo. No campo das edificações, o agrícola pode projetar um estábulo, determinando o número de baias e itens que garantam o conforto animal. Depois disso, o engenheiro de biossistemas automatizará os processos, projetando e implementado o sistema de climatização, o travamento das portas e assim por diante.

O que você pode fazer

Infraestrutura Desenvolver sistemas de drenagem e irrigação, conversão e conservação de energia. Fazer instalações elétricas de baixa tensão e diagnóstico energético.

Controle e automação Atuar no sensoriamento, controle e automação de sistemas. Monitorar equipamentos, componentes, dispositivos mecânicos, elétricos, eletrônicos, magnéticos e ópticos.

Gestão Fazer o controle estatístico e metrológico de produtos e processos e atuar na sua certificação. Coordenar pesquisas operacionais e de otimização de sistemas agropecuários.

Tecnologia Criar materiais e métodos de aproveitamento de produtos biológicos, que envolvem acondicionamento, armazenamento, pós-colheita e preservação de produtos.

Mercado de Trabalho

O agronegócio é um dos setores mais fortes da economia brasileira. Por isso, os profissionais capacitados para atuar nesta área encontram um mercado receptivo. “Mesmo em meio à crise econômica, o engenheiro de biossistemas não tem problema para arranjar trabalho. Cerca de 63% dos nossos egressos estão empregados, enquanto 27% optaram pela pós-graduação. Apenas 10% ainda procuram uma colocação”, conta Fabrício Rossi, coordenador do bacharelado em Engenharia de Biossistemas da Universidade de São Paulo (USP).

A maior parte dos bacharéis atua na agroindústria, fazendo o desenvolvimento de produtos e de sistemas de automação. A agricultura de precisão, que alia tecnologia à produção de alimentos, e a fabricação de biocombustíveis e de sistemas renováveis de energia também são setores em alta. O setor financeiro e a área de gestão também demandam o profissional por conta do amplo domínio de matemática e cálculo.

O graduado pode ainda seguir carreira acadêmica, atuando em pesquisas para o desenvolvimento do setor. Órgãos públicos, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, contratam o engenheiro por meio de concurso público. Fazer um estágio ainda durante a faculdade é uma das maneiras mais eficazes de entrar no mercado de trabalho – a maioria dos estudantes é efetivada após a conclusão do curso. As regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul concentram as melhores oportunidades.

Curso

Apenas quatro instituições oferecem o bacharelado no país: USP, em Pirassununga (SP); Unesp, em Tupã (SP); IFSP, em Avaré (SP); e UFCG, em Sumé (PB). Como ocorre em todas as engenharias, a base do currículo são disciplinas das Ciências Exatas – matemática, física e química.

A partir do segundo ano, volta-se para engenharia e biologia. Começam então aulas sobre circuitos elétricos, automação, bioquímica aplicada à engenharia e biocombustíveis, entre outras disciplinas. O estágio e um trabalho de conclusão de curso são obrigatórios.

Duração média: 5 anos.

 

Legenda:

Estrelas da Avaliação do Guia do Estudante

★★★★★ - Excelente

★★★★ – Muito bom

★★★ - Bom

CPC – Conceito Preliminar de Curso ① ② ③ ④ ⑤ 

O CPC é o indicador do Ministério da Educação que mede a qualidade dos cursos. Ele varia de 1 (menor valor) a 5 (maior valor). Ele está informado na ficha do curso para todas as graduações que tinham esse indicador disponível (fonte: site do Inep, anos 2014, 2013 e 2012). 

Cifrões – Referem-se às faixas de preço da mensalidade:

$ - Até 500,00 reais

$$ - De 500,01 a 750,00 reais

$$$ - De 750,01 reais a 1.000,00 reais

$$$$ - De 1.000,01 a 1.500,00 reais

$$$$$ - Acima de 1.500,01 reais

n/i - Valor não informado