logo-ge

Engenharia Têxtil

Este engenheiro atua em toda a cadeia produtiva da indústria têxtil, da fabricação e do tratamento de fibras, fios e tecidos à confecção final do vestuário

Este engenheiro atua em toda a cadeia produtiva da indústria têxtil, da fabricação e do tratamento de fibras, fios e tecidos à confecção final do vestuário. Ele projeta as instalações da indústria e os equipamentos da linha de produção em tecelagens e empresas de confecção.

O profissional controla custos, processos industriais, como estamparia, tingimento, corte e costura, bem como a qualidade da matéria-prima e do produto final. Coordena o trabalho de operários e técnicos para concretizar os projetos de estilistas e designers.

Com conhecimentos de marketing, pode também assessorar e orientar empreendimentos que atuam no setor têxtil, inclusive como autônomo. Você pode ingressar na carreira com um curso tecnológico.

Veja também

O que você pode fazer

Pesquisa e desenvolvimento Desenvolver fibras e fios sintéticos para compor novos tecidos. Desenvolver produtos, como fios e tecidos, para a indústria. Elaborar padronagens e estudar a integração dos produtos químicos para artigos têxteis.

Processos industriais Acompanhar as etapas de produção e implantar novas tecnologias e processos têxteis, como os de tinturaria. Projetar fábricas, escolhendo os equipamentos mais adequados.

Projetos Planejar, instalar e ampliar fábricas têxteis. Criar máquinas e equipamentos utilizados nessas indústrias. Atuar como consultor para melhorar processos.

Mercado de Trabalho

O Brasil é o quinto maior produtor têxtil do mundo, com 32 mil empresas. A Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit) estima que o setor deve gerar 10 mil novas vagas em 2017. A forte concorrência dos produtos chineses, que exige da indústria têxtil brasileira atualização tecnológica e reformulação das competências de seus profissionais, agita o mercado e abre oportunidades para este engenheiro.

A inovação tecnológica nas indústrias aquece as áreas de processos químicos e bioquímicos, polímeros e nanotecnologia. Ele também encontra chances de trabalho no controle de qualidade de produtos importados. Além disso, a área de pesquisa e desenvolvimento absorve recém-formados.

Rhodia, Tavex, Hering, Marisol e Santa Constância são alguns dos tradicionais empregadores desse engenheiro, que pode ainda se dedicar à área de pesquisa acadêmica e docência.

Em geral, as melhores chances de trabalho estão no Sul e no Sudeste, com destaque para São Paulo, pelo grande número de indústrias têxteis, e Santa Catarina, onde existe um importante polo de malharias, fações e tecelagens.

No Ceará, que reúne indústrias do setor, e nos estados de Minas Gerais e Pernambuco, o mercado é promissor, mas a crise econômica restringiu contratações em nos últimos anos.

Curso

O primeiro ano é de matérias básicas das engenharias, como matemática, informática e física. Depois o currículo inclui disciplinas técnicas que abordam a composição de fios e tecidos, processos de fação, tecelagem, malharia e confecção.

As matérias específicas incluem fibras têxteis, texturização, beneficiamento, controle de qualidade e desenvolvimento do produto, além de projetos e instalações industriais têxteis.

Há também conteúdos ligados à gestão de negócios e controle da produção. Estágio e trabalho de conclusão de curso são obrigatórios.

Duração média: 5 anos.

 

Legenda:

Estrelas da Avaliação do Guia do Estudante

★★★★★ - Excelente

★★★★ – Muito bom

★★★ - Bom

CPC – Conceito Preliminar de Curso ① ② ③ ④ ⑤ 

O CPC é o indicador do Ministério da Educação que mede a qualidade dos cursos. Ele varia de 1 (menor valor) a 5 (maior valor). Ele está informado na ficha do curso para todas as graduações que tinham esse indicador disponível (fonte: site do Inep, anos 2014, 2013 e 2012). 

Cifrões – Referem-se às faixas de preço da mensalidade:

$ - Até 500,00 reais

$$ - De 500,01 a 750,00 reais

$$$ - De 750,01 reais a 1.000,00 reais

$$$$ - De 1.000,01 a 1.500,00 reais

$$$$$ - Acima de 1.500,01 reais

n/i - Valor não informado