logo-ge

Museologia

O museólogo dedica-se à classificação, à conservação e à exposição de peças de valor histórico, artístico, cultural e científico

O museólogo dedica-se à classificação, à conservação e à exposição de peças de valor histórico, artístico, cultural e científico. Sua missão é transmitir e divulgar conhecimento, desenvolvendo ações culturais sobre acervos.

Ele planeja e executa tarefas de documentação, arquivamento e conservação de objetos e obras artísticas. Faz aquisições, administra coleções e promove intercâmbio de peças com outros museus ou empréstimos de colecionadores particulares.

Atua no planejamento, na gestão, na execução e no acompanhamento de projetos e políticas públicas relativas ao patrimônio histórico e cultural.

Envolve-se, ainda, na organização de mostras e exposições, analisando a melhor forma de dispor e apresentar as peças, conforme as características do público e do local de instalação. Atua também em universidades, centros comunitários, galerias de arte, centros culturais e sítios arqueológicos.

O que você pode fazer

Ação cultural: articular conteúdos e temáticas tratados em exposições para públicos específicos, como estudantes ou idosos, buscando formas pedagógicas de apresentação do acervo ao público.

Ação documental: elaborar políticas de aquisição, cuidar da seleção de peças e da identificação de obras para o acervo. Promover intercâmbio com museus e outras instituições culturais, artísticas, históricas e científicas para trocas temporárias de obras. Tratar da documentação para a permuta de obras.

Catalogação: organizar o acervo, numerar e fotografar peças, produzir laudos técnicos. Controlar a entrada e a saída de peças, fazer a avaliação delas para efeito de empréstimo e auxiliar no processo de tombamento do acervo.

Conservação: avaliar a necessidade de restauração de peças e encaminhá-las para a conservação ou a recuperação. Monitorar as condições, principalmente ambientais, adequadas ao armazenamento, ao manuseio, ao transporte e à exposição do acervo.

Exposição: selecionar peças e informações relacionadas com os objetos apresentados nos circuitos expositivos e definir a melhor maneira de mostrá-las.

Memória empresarial: organizar acervos de empresas e instituições públicas. Pesquisar e recuperar documentos e a história da instituição.

Pesquisa: aprofundar-se em temas, períodos históricos, artistas ou obras que compõem acervos.

Mercado de Trabalho

Há mais de 3,2 mil museus no país, e esse número tende a crescer graças a ações incentivadoras, como a Política Nacional de Museus, que tem como objetivo aumentar a visitação e a arrecadação, incentivar políticas de compra e preservação de acervos e, ainda, expandir o acesso às coleções, criando instituições em municípios pequenos, favelas, áreas quilombolas e indígenas.

Essas iniciativas públicas ampliado a demanda pelo museólogo mesmo fora das grandes cidades. Ele é contratado para atuar na gestão de centros culturais, centros de memória e memoriais. Também pode trabalhar em galerias de arte, institutos de pesquisa, centros educacionais, bibliotecas, escolas e universidades, jardins botânicos, zoológicos, aquários e planetários, parques e reservas naturais.

A maior demanda continua sendo a área de preservação de obras e documentação. É boa a procura na área de memória institucional.

O profissional atua em parceria com graduados em História, Comunicação e Marketing, entre outros, para fazer pesquisas e criar acervos sobre a história, a identidade e a trajetória de empresas. Um campo de trabalho recente são os museus virtuais –já existem 23 deles no país. Também há museus físicos que colocam seus acervos à visitação na internet.

Assim, o museólogo é contratado para selecionar o material que será publicado, produzir as informações sobre as obras e atualizar o site. Nesse caso, ele atua junto com especialistas em tecnologia, como desenvolvedores de sistemas e webdesigners.

A Região Sudeste é a que tem maior concentração de museus (cerca de 37% do total). As cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro oferecem o maior número de vagas. Em Minas Gerais, há vagas na preservação do patrimônio histórico. Para exercer a profissão, o graduado deve ser registrado no Conselho Regional de Museologia.

Curso

Algumas disciplinas da área das Ciências Humanas, como história da arte, história geral e do Brasil, oferecem conhecimentos para uma formação mais sólida. Há aulas sobre conservação de acervos, documentação museológica e gestão de museus.

Na parte prática do curso, o aluno aprende a construir maquetes, a montar exposições e a catalogar peças de acervo.

A realização de estágios é obrigatória. E em algumas escolas também é preciso fazer uma monografia para a conclusão do curso.

Duração média: 4 anos.

 

Legenda:

Estrelas da Avaliação do Guia do Estudante

★★★★★ - Excelente

★★★★ – Muito bom

★★★ - Bom

CPC – Conceito Preliminar de Curso ① ② ③ ④ ⑤ 

O CPC é o indicador do Ministério da Educação que mede a qualidade dos cursos. Ele varia de 1 (menor valor) a 5 (maior valor). Ele está informado na ficha do curso para todas as graduações que tinham esse indicador disponível (fonte: site do Inep, anos 2014, 2013 e 2012). 

Cifrões – Referem-se às faixas de preço da mensalidade:

$ - Até 500,00 reais

$$ - De 500,01 a 750,00 reais

$$$ - De 750,01 reais a 1.000,00 reais

$$$$ - De 1.000,01 a 1.500,00 reais

$$$$$ - Acima de 1.500,01 reais

n/i - Valor não informado