Clique e assine GE Play por R$16,90

Cerca de 900 mil estudantes abandonam a faculdade antes de se formar

Estudo mostra que nos últimos dez anos a evasão universitária brasileira manteve uma média de 21%; São Paulo é o estado onde a taxa mais cresceu

Por por MARIANA NADAI - Atualizado em 16 Maio 2017, 13h57 - Publicado em 3 fev 2011, 17h19

Em 2009, a taxa de evasão escolar do ensino superior no Brasil caiu. Passou de 22% em 2008, para 21% em 2009. O número parece positivo, mas quando nota-se que ele corresponde a cerca de 900 mil estudantes que desistiram de continuar estudando, a situação muda de figura.

Pelo menos, essa é a opinião de Oscar Hipólito, membro do Instituto Lobo e um dos responsáveis pela pesquisa “Estudos sobre a Evasão no Ensino Superior Brasileiro”. “A evasão universitária no Brasil se manteve praticamente estável nos últimos 10 anos, variando entre 20 e 22%. Mas quando percebemos que essa taxa representa a ausência de 900 mil pessoas e que as instituições de ensino gastam em torno de 10 mil reais com cada uma delas, os números parecem preocupantes”, diz o pesquisador.

De acordo com Hipólito, as faculdades fazem um investimento para cada estudante matriculado. Quando um deixa o curso no meio, o prejuízo é grande. “Suponhamos que um curso comece o ano com 50 alunos. A escola tem um gasto, que chamamos de fixo, que vai desde a contratação de professores até a compra de material para as aulas. Se no ano seguinte 10 alunos deixam de frequentar o curso, a faculdade acaba perdendo em torno de 100 mil reais de investimento. Agora multiplique isso aos 900 mil estudantes que desistem, são 9 milhões de reais de prejuízo”, afirma.

Evasão universitária em São Paulo cresceu nos últimos 10 anos

Enquanto a evasão universitária no Brasil se manteve estável nos últimos dez anos, a do estado de São Paulo disparou, passando de 18% em 2000 para 27% em 2009, um aumento de quase 50%.

Segundo o pesquisador Oscar Hipólito, a taxa de desistência em São Paulo foi maior nas faculdades públicas, entretanto, em números reais, as faculdades privadas apresentam uma maior quantidade de alunos desistentes. Cerca de 290 mil alunos deixaram de se matricular em 2009 no ensino superior privado, enquanto no público o número chegou a 24 mil.

“Isso ocorre porque no estado paulista o número de estudantes em universidades privadas é quase 8 vezes maior do que em universidade públicas. Mas é lógico, afinal existem muito mais escolas particulares do que públicas, o que é um absurdo. São Paulo é o estado com o maior número de estudantes, cerca de 1,4 milhão, e possuímos apenas duas universidades federais. É muito pouco”, pondera o Hipólito.

Para o pesquisador, o grande aumento da evasão escolar vem da falta de políticas educacionais. “Os estudantes têm dificuldade para pagar mensalidades e também para se alimentar, pagar transporte e material escolar. Por isso, acho que falta uma ajuda maior por parte do governo, como a criação de financiamentos de longo prazo, tipo 30 anos, para bancar o estudante, não só a mensalidade, mas todo o resto”, propõe Hipólito.

LEIA TAMBÉM

– Notícias de vestibular e Enem

Continua após a publicidade
Publicidade