logo-ge

Ciência sem Fronteiras terá bolsas de pós para todas as áreas

Novo formato, porém, concederá benefício apenas para aceitos em universidades renomadas no exterior

ciencia-sem-fronteiras

O programa Ciência sem Fronteiras vai ser repaginado, no próximo ano, para atender estudantes de pós-graduação de todas as áreas (exatas, humanas e biológicas), antes restritos aos cursos de exatas e biomédicas. As informações são da BBC Brasil.

O benefício será destinado apenas aos selecionados por universidades “renomadas” no exterior. A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) não informou qual será o critério utilizado. A verba destinada ao novo Ciência sem Fronteiras, e o número de bolsas que serão oferecidas, dependerá do valor destinado ao Ministério da Educação no próximo ano.

O oferecimento de bolsas para a graduação, maiores beneficiados nos primeiros anos do programa, não está previsto. Os melhores alunos do ensino médio da rede pública poderão fazer cursos de idiomas de curta duração no exterior, apesar de o projeto ainda estar sendo discutido.

Fique ligado!

Para estudar fora, você provavelmente vai precisar comprovar a sua proficiência na língua em que fará o curso. O Guia do Estudante tem uma plataforma para te ajudar a tirar o certificado de Inglês! Conheça clicando aqui.

O programa

O Ciência sem Fronteiras foi lançado em 2011 com a meta de conceder inicialmente 101 mil bolsas. As bolsas foram voltadas para as áreas de ciências exatas, matemática, química e biologia, engenharias, áreas tecnológicas e de saúde. Os últimos estudantes selecionados pelo programa devem concluir suas atividades até o começo de 2017.

Das mais de 92 mil bolsas concedidas desde 2011, cerca de 79% foram destinados para alunos da graduação. O custo para os estudantes de graduação, estimado em R$ 3,2 bilhões para atender 35 mil bolsistas em 2015, foi considerado elevado.