Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Governo anuncia exame de inglês de graça para Ciências sem Fronteiras

Candidato precisa comprovar ser de baixa renda para se beneficiar

Por da redação Atualizado em 16 Maio 2017, 13h32 - Publicado em 14 Maio 2012, 16h23

O Ministério da Educação (MEC) anunciou nesta segunda-feira (14) um acordo que beneficiará candidatos de baixa renda no programa Ciências sem Fronteiras. Para ajudar os alunos bolsistas que estudarão no exterior, o British Council, em parceria com o MEC, oferecerá livros e testes de proficiência gratuitos. O investimento feito pela organização britânica no projeto é de R$ 1,6 milhão em um ano.

Em 2012, das 20 mil bolsas que o Ciências sem Fronteiras distribuirá, cerca de 10 mil serão para o Reino Unido.

– Programa do governo vai criar 100 mil bolsas de intercâmbio no exterior para brasileiros

– Programa encaminha 525 estudantes bolsistas para universidades dos EUA

Certificado obrigatório

Para estudar em uma instituição estrangeira, o estudante brasileiro deve comprovar fluência em inglês, submetendo-se a testes de certificação como o International English Languages Testing System (IELTS), que é aplicado pelo British Council em mais de 100 países e custa R$ 440.

Continua após a publicidade

O instituto irá oferecer até 2 mil testes de graça. Para ganhar o benefício, o aluno precisa ser classificado como candidato de baixa renda, sendo bolsista do Prouni, Fies, Bolsa Família ou outro projeto do governo; ou ter renda familiar menor do que seis salários mínimos; ou ter estudado em escola pública ou em particular como bolsista. Além disso, o candidato ao exame deve ser indicado por um coordenador do Ciência Sem Fronteiras, que poderá ser localizado nas 250 instituições que participam do programa.

A parceria inclui também a doação de 4 mil livros preparatórios (com valor estimado de R$ 170 cada) para universidades e a aplicação de testes de nivelamento para que os estudantes possam conhecer melhor qual é o nível de conhecimento na língua. O British Council irá lançar também um site para disponibilizar materiais preparatórios para o exame. Outra meta é ampliar o número de cidades em que há aplicação do IELTS – hoje são apenas 17 em todo país. Para isso, será utilizado os campi dos institutos federais de educação profissional e tecnológica.

Dificuldades no idioma estrangeiro

No programa Ciências sem Fronteiras, o aluno selecionado pode passar até seis meses no país de destino fazendo uma “imersão” na língua para só depois prestar o exame de certificação. Quem não é aprovado nesse quesito não pode iniciar os estudos na instituição estrangeira para a qual foi selecionado. Para o ministro Aloízio Mercadante, a dificuldade no idioma ainda é uma barreira para o estudante. "Nós temos um grande desafio pela frente que é a proficiência em línguas. O mérito é inegociável, a condição para o aluno acessar o progrma é ter mais de 600 pontos no Enem”, disse.

De acordo com o ministro, muitos jovens pobres têm tido um desempenho excelente no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e, portanto, estão habilitados a participar do Ciências sem Fronteiras. Porém, a deficiência no idioma estrangeiro tem aparecido com frequência. "Por isso estamos fazendo um esforço muito grande nessa direção [de melhorar o acesso ao estudo da língua]”, completou Mercadante.

*Com informações da Agência Brasil

LEIA MAIS

– Notícias de vestibular e Enem

Continua após a publicidade

Publicidade