Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Japão mede radiação em escolas de Fukushima

De acordo com autoridades não há risco para as crianças se elas forem mantidas a mais de 30 quilômetros da usina nuclear

Por da redação Atualizado em 16 Maio 2017, 13h44 - Publicado em 5 abr 2011, 12h26

Quase quatro semanas após o terremoto e tsunami que danificaram a usina nuclear de Fukushima, no Nordeste do Japão, – e deixaram mais de 12 mil mortos – autoridades da província iniciaram hoje um programa de emergência para medir os níveis de radiação em creches e escolas da região.

– Terremoto pode ser assunto de mais vestibulares que o comum, afirmam professores

Em uma operação que deve durar dois dias, mais de 1.400 instituições de ensino infantil serão testadas. Apesar da ansiedade de pais, que se preocupam com seus filhos dentro das escolas, autoridades locais garantem que não há riscos para a saúde das crianças se elas forem mantidas fora da área de exclusão de 30 quilômetros no entorno da usina.

– Após terremoto, estudantes brasileiros se dizem seguros para continuar no Japão

Água contaminada será despejada no mar
Também nesta terça-feira, os técnicos da usina nuclear começaram a despejar água com baixos níveis de radioatividade para o mar. A medida tem como objetivo liberar espaço de estocagem para a água com alto nível de contaminação, que vaza do prédio do reator número 2 da usina.

Continua após a publicidade

– "Desastre no Japão poderia ter sido pior", diz professor

Cerca de 11.500 toneladas de água devem ser jogadas no mar. A remoção de água contaminada dos prédios que abrigam os reatores diversos é necessária para reduzir riscos para trabalhadores no local.

O governo japonês informou que o despejo da água no mar não representará um sério risco à saúde, pois o material radioativo deverá se dissipar rapidamente.

*Com informações da BBC Brasil

VEJA TAMBÉM

– Notícias de vestibular e Enem

Continua após a publicidade
Publicidade