Clique e assine GE Play por R$16,90

UFBA suspende matrícula por causa de greve de professores e servidores

Novo calendário deverá ser feito após término da paralisação

Por da redação - Atualizado em 16 Maio 2017, 13h37 - Publicado em 20 jul 2012, 13h03

A Universidade Federal da Bahia (UFBA) decidiu suspender as matrículas de alunos veteranos e novos estudantes por causa da paralisação dos professores e servidores técnico-administrativos da instituição, que acontece há quase dois meses na instituição.

– Governo propõe aumento salarial para professores de federais em greve; sindicato não ficou satisfeito

– UFMG suspende matrículas por causa de greve

– Devido à greve nas universidades federais, aprovados na UFC fazem matrícula pela internet

O comunicado foi emitido pela Secretaria Geral de Cursos (SGC), da Pró-Reitoria de Graduação. Segundo a nota, a suspensão será mantida até a redefinição do Calendário Acadêmico pelo Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe), prevista após o fim da paralisação.

Continua após a publicidade

Contexto

Os professores da UFBA decidiram pela greve após assembleia realizada em 29 de maio. A insituição se junta a outras universidades que já paralisaram as atividades na Bahia. A primeira foi a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), que iniciou a paralisação no dia 15 do mesmo mês. Dois dias depois foi a vez de parte dos profesores da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), vinculados a Apur (Associação dos Professores Universitários do Recôncavo da Bahia).

Na última sexta-feira (13), o governo federal propôs um plano de carreira aos sindicatos dos professores dos institutos e universidades federais, em greve desde o dia 17 de maio. A paralisação dos professores atinge 56 das 59 universidades federais, além de 34 dos 38 institutos federais de educação tecnológica. Eles reivindicam reestruturação da carreira e melhores condições de infraestrutura nas instituições.

Os representantes das instituições federais de ensino, no entanto, se disseram insatisfeitos com a proposta. Segundo a presidente da Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior (Andes), Marinalva Oliveira, a oferta governamental não atende às reivindicações da categoria porque beneficia um percentual pequeno dos docentes universitários.

LEIA MAIS

– Notícias de vestibular e Enem

Continua após a publicidade
Publicidade