logo-ge

Professores aprovam mudanças no Enem; veja comentários

Aplicação do exame passará a ser feita em dois domingos consecutivos; ordem das provas também foi alterada

Em coletiva de imprensa concedida nesta quinta-feira (9), o Ministério da Educação (MEC) anunciou uma série de mudanças que serão aplicadas ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir deste ano. Entre elas, a aplicação do exame que passará a ser feita em dois domingos consecutivos; a ordem das provas, que passará a ter Ciências Humanas, Linguagens e Redação no primeiro dia, e Matemática e Ciências da Natureza no segundo. Além disso, a certificação do ensino médio será desvinculada do exame, sendo feita por um exame à parte, e o resultado do Enem por escola não será mais divulgado.

No geral, as mudanças foram bem recebidas pelos professores ouvidos pelo GUIA. “Só notícia boa. Primeiro que os candidatos sabatistas precisando ficar retidos para fazer a prova era um transtorno, não só para eles mas também para a organização”, diz o professor Renan Garcia Miranda, do Anglo Vestibulares. Com as alterações, a prova passa a ser normal para os sabatistas. A mudança da prova para dois domingos seguidos também agradou. “A prova em dois domingos vai trazer claros benefícios aos alunos. O cansaço depois de uma prova de 90 questões é bastante real. Com o novo formato, o aluno não precisa se preocupar com isso, além do fato de ter tempo para programar os seus estudos e fazer grandes revisões das disciplinas da semana, e não de todas”, diz Claudio Hansen, diretor pedagógico do cursinho online Descomplica.

Veja também

Além disso, Claudio acredita que a alteração na ordem das provas trará mudanças significativas na preparação dos alunos. “Teremos um primeiro dia bem pesado no sentido da leitura atenta, interpretação e capacidade de escrita e concatenação de ideias. Um segundo dia mais ligado aos raciocínios lógicos e aos cálculos. Em um primeiro momento, estamos indicando novas formas de preparação para a prova, agrupando questões que sigam essa nova organização”, diz.

Essa mudança não foi tão bem aceita por outros professores. Segundo Hélcio Alvim, coordenador pedagógico do Colégio Mopi, “essa nova distribuição é mais pesada aos alunos, principalmente os de humanas que, no segundo domingo, terão de responder a muitas questões complicadas em apenas quatro horas e meia. Sendo assim, gosto mais da divisão anterior”, diz. Já Antunes Rafael, coordenador pedagógico do cursinho Oficina do Estudante, acredita que o estudante sairá favorecido na redação: “Linguagens e Humanas no mesmo dia é bom para a redação. A partir dessa organização, provavelmente o tema vai acabar aparecendo em alguns dos textos das questões”, explica.

“Um ponto que deve ser destacado é a manutenção da redação, que é uma ferramenta muito importante para avaliar a capacidade argumentativa, o registro, coesão e coerência, inclusive questões éticas. Havia um temor quanto à possibilidade de se retirar a redação e, assim, a prova perder muito de seu caráter formacional, pois os temas têm sido instigantes e levado a sociedade a discutir assuntos preciosos, como foi nas últimas edições”, pontua Daniel Medeiros, professor do colégio COC Atibaia.