Guia do Estudante

SISTEMAS ELÉTRICOS

Bacharelado

Legenda:

Graduação

Graduação Tecnológica

O tecnólogo em Sistemas Elétricos atua tanto em nível operacional como estratégico. Além de montar, instalar e operar equipamentos de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, tanto na zona rural como na urbana, ele conhece todos os aspectos relacionados com a produção, distribuição, comercialização e utilização de energias, especialmente as renováveis. Entre suas atribuições está testar aparelhos elétricos e garantir o funcionamento de geradores, transformadores e redes de eletricidade. Ele implementa o acionamento eletrônico de turbinas e automatiza procedimentos em usinas. Domina a regulamentação do setor energético e ambiental, o que lhe permite implementar políticas de gerenciamento energético. Pode atuar nas áreas de venda e assistência técnica de instrumentos de alta e baixa tensão, de iluminação e de conservação de dispositivos automáticos. Pode trabalhar também em indústrias de metalurgia, assistência técnica, telecomunicações e construção civil. Ou dar consultoria na implantação de sistemas de acionamentos industriais e técnico-comerciais.

Mercado De Trabalho

De acordo com o Plano de Expansão de Energia, da Empresa de Pesquisa Energética, ligada ao Ministério de Minas e Energia, nos próximos dez anos o setor elétrico receberá investimentos de 214 bilhões de reais para a geração e a transmissão de energia. Assim, esse tecnólogo tem mercado garantido, pois a área ainda carece de mão de obra especializada. “Para a atual demanda, ainda há poucos graduados no mercado”, diz Cíntia Gonçalves Mendes da Silva, professora do curso de tecnologia em Sistemas Elétricos do IFSP. Esse profissional é absorvido por concessionárias e empresas diretamente ligadas ao setor elétrico. Pode, ainda, atuar em empresas privadas, da indústria e do comércio, como consultor em eficiência energética. Concessionárias e empresas da área de manutenção elétrica procuram o profissional para atuar na otimização do consumo de energia. Na área de comercialização de energia, ele é contratado para fazer a ligação entre as concessionárias e as grandes empresas, que compram pacotes fechados de energia. O Sul e o Sudeste concentram a maior parte das vagas, mas a instalação de indústrias no Nordeste e no Centro-Oeste aquece o mercado nessas regiões, com perspectivas de novas contratações para os próximos anos.

Salário inicial: de R$ 2.000,00 a R$ 3.500,00 (fonte: profa. Cíntia Gonçalves Mendes da Silva, do IFSP);

As melhores escolas

Curso

O aluno tem de encarar logo no início muita física, matemática e estatística. Depois, aprende eletricidade, eletrônica de potência, instalações prediais e industriais e fontes e conservação de energia, entre outras disciplinas específicas. Esse é o currículo básico, mas a ênfase pode variar conforme a escola. Algumas focam em transmissão e distribuição de energia, enquanto outras se voltam mais para sistemas de energia elétrica ou até para eletrotécnica industrial. As instituições costumam exigir estágio de seis meses e um trabalho de conclusão de curso.

Duração média: três anos e meio.

Outros nomes: eletrot. ind.; energias renováveis; sist. de energia;



O que você pode fazer

Eletrotécnica industrial

Planejar e supervisionar máquinas e dispositivos eletromecânicos em linhas de produção.

Controle de qualidade

Acompanhar a produção de equipamentos e dispositivos eletromecânicos e de eletrônica de potência.

Gestão

Gerenciar sistemas e a comercialização de produtos elétricos, acompanhando a implementação de procedimentos de segurança e preservação do meio ambiente.

Compartilhe