Guia do Estudante

ENGENHARIA AGRÍCOLA

Bacharelado / Tecnológico

Legenda:

Graduação

Graduação Tecnológica

O engenheiro agrícola cuida dos processos de produção agropecuária. Ele projeta e administra técnicas e equipamentos usados na lavoura e nas criações. Estuda e implementa métodos de armazenagem, constrói silos, armazéns e estufas, sempre pensando em inovação e desenvolvimento sustentável. Propõe a adoção de medidas que impeçam a erosão e o esgotamento do solo e a poluição de mananciais. Constrói açudes, barragens, sistemas de irrigação e de drenagem. trabalha em projetos de mecanização agrícola e eletrificação rural. A formação permite, ainda, que trabalhe com os aspectos relacionados à distribuição e à comercialização do produto. A Engenharia Agrícola é o curso mais tradicional que prepara este profissional. Mas surgem nas escolas graduações que enfatizam a formação em novas tecnologias, como os cursos de Engenharia de Biossistemas.

Mercado de trabalho

O setor do agronegócio segue aquecido no país, o que mantém vagas abertas para o engenheiro com esta formação. A competição entre exportadores de produtos agropecuários e a exigência de certificação de origem e sanidade animal exigem dos produtores constante inovação em seus processos produtivos. Esse é o espaço que pode ser ocupado pelo engenheiro agrícola ou de biossistemas. Ele encontra trabalho em fazendas, cooperativas, usinas de biocombustível, indústria de máquinas e implementos e companhias de armazenamento. Há boas oportunidades nas novas frentes agrícolas no Nordeste, onde exatamente a inovação tecnológica tem ampliado a produção agropecuária. Este profissional pode, também, prestar consultoria a projetos específicos, ou trabalhar em instituições de ensino, pesquisa e extensão, bem como em companhias de logística. Nos estados do Sudeste, do Sul e do Centro-Oeste, destacam-se as áreas de máquinas e equipamentos, desenvolvimento de produtos, venda e assistência técnica. Outro mercado forte no Sudeste são as usinas de cana-de-açúcar.

As melhores escolas

5 estrelas

MG Lavras Ufa. Viçosa UFV Eng. Agrícola e Amb. PB Campina Grande UFCG. PR Cascavel Unioeste. RS Pelotas UFPel. SP Campinas Unicamp.

4 estrelas

MS Dourados UFGD. MT Rondonópolis UFMT Eng. Agrícola e Amb. PR Cidade Gaúcha UEM.

3 estrelas

BA Juazeiro Univasf-BA Eng. Agrícola e Amb. GO Anápolis UEG. MG Montes Claros UFMG Eng. Agrícola e Amb. MT Sinop UFMT Eng. Agrícola e Amb. PE Recife UFRPE Eng. Agrícola e Amb. ②. RJ Niterói UFF Eng. Agrícola e Amb. ②. Seropédica UFRRJ Eng. Agrícola e Amb. RS Erechim URI $$$$. Santa Cruz do Sul Unisc $$$$. ___________________________________________________________ *CPC (MEC) | ① ② ③ ④ ⑤ **MENSALIDADE | ($) até R$ 400,00 ($$) de R$ 400,01 a R$ 700,00 ($$$) de R$ 700,01 a R$ 1.000,00 ($$$$) de R$ 1.000,01 a R$ 1.500,00 ($$$$$) acima de R$ 1.500,01 (n/i) valor não informado | ausência de mensalidade: curso gratuito

Curso

Como ocorre em todos os cursos de engenharia, o de Agrícola também começa com dois anos de disciplinas básicas – fundamentalmente física, matemática, estatística, informática e química. Mas o aluno já começa a entrar em contato com as ciências mais específicas, como estudos do solo. A partir do terceiro ano, começam as aulas de planejamento e administração, sistemas de produção animal e vegetal, pós-colheita, irrigação e drenagem, mecanização agrícola, automação e controle.

Atenção: algumas escolas oferecem o curso com o nome de Engenharia Agrícola e Ambiental.

Duração média: 5 anos.

IRRIGAÇÃO E DRENAGEM

Este tecnólogo executa obras de construção de sistemas de irrigação e drenagem em áreas de plantio e lhes dá manutenção. Define sistemas de distribuição de água, implanta canais e instala bombas. Entende as alterações físico-químicas que a água provoca no solo e as necessidades da plantação. Preocupa-se com o impacto da cultura sobre o meio ambiente, orientando na aplicação de defensivos e fertilizantes por meio da irrigação, e realizando estudos topográficos. De uma forma geral, o tecnólogo trabalha em parceria com o engenheiro agrícola.
O profissional tem grande procura nas regiões de clima mais seco do país, como o interior do Nordeste, onde a irrigação é um imperativo, principalmente na produção de frutas no vale do São Francisco, que abrange localidades de Pernambuco e da Bahia. As especializações mais aquecidas são fruticultura irrigada, fruticultura tropical, fertirrigação e gestão ambiental. No Rio Grande do Sul, existem boas perspectivas em empresas que fabricam ou revendem sistemas de irrigação. No Centro-Oeste, especialmente em Goiás e em Tocantins, a lavoura de cana-de-açúcar carece de profissionais com essa formação para o manejo de irrigação. Na Região Sul, as melhores oportunidades de trabalho estão nas empresas fabricantes de equipamentos de irrigação e drenagem.

Duração média: 3,5 anos.

O que você pode fazer

Águas e solo

Construir açudes, barragens e sistemas de irrigação e drenagem. Combater danos ao meio ambiente, como erosão, e pesquisar técnicas de conservação ambiental.

Construção rural

Projetar e construir estufas, silos e estábulos, mantendo as condições ideais de climatização.

Controle e automação

Monitorar equipamentos, componentes e dispositivos mecânicos, elétricos, eletrônicos, magnéticos ou ópticos.

Eletrificação rural

Instalar em propriedades rurais fontes de energia hidráulica, elétrica, solar ou que usam bioenergia. Fazer instalações elétricas e diagnóstico energético em uma propriedade.

Extensão rural e difusão de tecnologia

Orientar produtores rurais sobre tecnologias e conhecimentos de produção segundo a capacidade produtiva da propriedade.

Mecanização agrícola

Projetar e construir equipamentos mecânicos, bem como otimizar sistemas mecanizados para todas as etapas da produção agropecuária e agroindustrial. Prestar assistência técnica aos agricultores.

Planejamento agropecuário

Organizar e gerenciar negócios agropecuários. Fazer previsão de safras e propor métodos para gestão dos recursos naturais.

Qualidade

Avaliar os processos agropecuários, medir seus resultados, monitorando por ferramentas da estatística e metrologia cada etapa da produção, de modo a aumentar a produtividade e a qualidade do produto final.

Saneamento rural

Projetar estações de tratamento de esgoto, instalações de dejetos agrícolas, fossas e sistemas de água residuária.

Tecnologia pós-colheita

Determinar os sistemas de embalagem, armazenamento, transporte e beneficiamento das safras.

Compartilhe