Guia do Estudante

ENGENHARIA AGRÍCOLA

Bacharelado

Legenda:

Graduação

Graduação Tecnológica

São as técnicas e os conhecimentos empregados no gerenciamento de processos agropecuários. O engenheiro agrícola projeta, implanta e administra técnicas e equipamentos necessários à produção agrícola. Planeja métodos de armazenagem e constrói silos, armazéns e estufas. Leva ao campo soluções inovadoras e eficazes para melhorar a produção, sem se descuidar do desenvolvimento sustentado da agricultura. Propõe a adoção de medidas que impeçam a erosão e o esgotamento do solo e a poluição de mananciais. Constrói açudes, barragens, sistemas de irrigação e de drenagem. Trabalha no projeto de máquinas e equipamentos agrícolas e se ocupa da mecanização agrícola e da eletrificação rural. Há boas oportunidades nos setores agropecuário e agroindustrial, para trabalhar em pesquisa, geração e desenvolvimento de sistemas de produção e seus componentes tecnológicos. Atua em todas as etapas do agronegócio, do planejamento da produção à comercialização do produto.

Dúvida do vestibulando

Qual é a diferença entre Engenharia Agrícola e Agronomia?

Os dois cursos preparam profissionais para diferentes tarefas da mesma área. Enquanto o engenheiro agrícola recebe formação com ênfase em matemática e física, o agrônomo se aprofunda nas áreas de biologia e química. A Engenharia Agrícola é voltada para a parte mecânica da agricultura, como planejamento, criação e manutenção de máquinas, entre outros. Já a Agronomia se volta para todas as etapas da agropecuária – do plantio e da criação de rebanhos à comercialização da produção.

Mercado de trabalho

Entra crise, sai crise, o crescimento econômico do Brasil continua fortemente apoiado na agricultura. O Brasil é um dos maiores produtores de alimentos do mundo. E um estudo divulgado pelo Ministério da Agricultura e pela Embrapa, em 2011, mostra que nos próximos anos o país deve atingir a primeira colocação nesse ranking. Daí o aquecimento do mercado de trabalho em toda a cadeia produtiva do setor agropecuário, em particular para o engenheiro agrícola. O profissional atua em propriedades agrícolas, usinas, empresas agroindustriais, de máquinas e implementos agrícolas ou companhias de armazenamento. Pode, ainda, prestar consultoria a projetos específicos, ou trabalhar em instituições de ensino, pesquisa e extensão. Algumas das áreas mais aquecidas são manejo de irrigação e drenagem, recursos hídricos e saneamento ambiental, máquinas e mecanização, processamento de produtos agrícolas, sensoriamento remoto e geoprocessamento. Gestão empresarial e logística também são especializações que demandam profissionais, segundo Mirléia Aparecida de Carvalho, coordenadora do curso na Ufa. “Há boas oportunidades de trabalho nas novas frentes agrícolas, no Centro-Oeste e no Nordeste do país, regiões em que a agricultura vem se desenvolvendo e há falta de profissionais”, diz Mirléia de Carvalho. No Sudeste, Sul e Centro-Oeste, destacam-se as áreas de máquinas e equipamentos, desenvolvimento de produtos, venda e assistência técnica. Outro mercado forte no Sudeste são as usinas de cana-de-açúcar. Sul e Sudeste também buscam profissionais para avaliação de impacto ambiental e para tratamento e disposição de efluentes. O Norte, engenheiros que atuem nos cuidados com o meio ambiente e serviços sanitários. Isso também ocorre no Nordeste e Centro-Oeste. No Sul, boas chances de colocação em cooperativas agroindustriais.

Salário inicial: R$ 4.068,00 por 6 horas diárias (fonte: Crea-SP).

As melhores escolas

5 estrelas

MG Viçosa UFV Eng. Agrícola e Amb.; PR Cascavel Unioeste; RS Pelotas UFPel; SP Campinas Unicamp.;

4 estrelas

MG Lavras Ufa; PB Campina Grande UFCG; PE Recife UFRPE Eng, Agrícola e Amb.; PR Cidade Gaúcha UEM; RJ Seropédica UFRRJ Eng. Agrícola e Amb.;

3 estrelas

BA Juazeiro Univasf-BA Eng. Agrícola e Amb.; GO Anápolis UEG; MT Rondonópolis UFMT Eng. Agrícola e Amb.; RJ Niterói UFF Eng. Agrícola e Amb.; RS Erechim URI, Santa Cruz do Sul Unisc.;

Curso

Nos dois primeiros anos, você recebe sólida formação básica em Ciências Exatas (cálculo, física e química), do solo (geologia e pedologia, que é o estudo dos solos) e da computação (programação e uso de softwares da área da engenharia, como Autocad e Matlab). A partir do terceiro ano, o curso aborda aspectos tecnológicos que darão suporte à criação de projetos e sistemas de produção, tais como técnicas de planejamento e administração, sistemas de produção animal e vegetal, pós-colheita, irrigação e drenagem, mecanização agrícola, automação e controle. O currículo possui forte característica ambiental, principalmente no que tange ao uso adequado dos recursos hídricos e do solo, atuando na conservação da qualidade da água e do solo, bem como no manejo e tratamento de resíduos líquidos e sólidos causados pelos processos agrícolas. O estágio supervisionado e o trabalho de conclusão de curso são obrigatórios.

Atenção: algumas escolas oferecem o curso com o nome de Engenharia Agrícola e Ambiental.

Duração média: cinco anos.

O que você pode fazer

Construção rural

Projetar e construir estufas, silos, estábulos e outros alojamentos para animais, mantendo as condições ideais de climatização dos ambientes.

Eletrificação rural

Instalar em propriedades rurais fontes de energia hidráulica, elétrica, solar ou geradas por biogás.

Engenharia de Águas e Solos

Construir açudes, barragens e sistemas de irrigação e drenagem. Combater a erosão e pesquisar técnicas de conservação do ambiente.

Extensão rural e difusão de tecnologia

Orientar produtores rurais sobre tecnologias e conhecimentos de produção segundo a capacidade produtiva da propriedade.

Mecanização agrícola

Projetar e construir equipamentos mecânicos, bem como otimizar sistemas mecanizados para todas as etapas da produção agropecuária e agroindustrial. Prestar assistência técnica aos agricultores.

Planejamento agropecuário

Organizar e gerenciar negócios agropecuários. Fazer previsão de safras e propor métodos para gestão dos recursos naturais.

Saneamento rural

Projetar estações de tratamento de esgoto, instalações de dejetos agrícolas, fossas e sistemas de água residuária.

Tecnologia pós-colheita

Determinar a embalagem, o armazenamento, o transporte e o beneficiamento das safras.

Compartilhe