logo-ge

Contra fala de Bolsonaro, estados anunciam que vão manter aulas suspensas

O Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) emitiu uma nota depois do pronunciamento polêmico do presidente

Após pronunciamento polêmico de Jair Bolsonaro, que questionou a suspensão de aulas, o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) se pronunciou nesta quarta-feira (25). Em nota, a entidade afirmou que os estados vão manter as aulas suspensas para conter a contaminação pelo novo coronavírus, o  Sar-CoV-2, que provoca a doença covid-19.

Na noite da terça-feira (24), Bolsonaro ignorou as recomendações das entidades de saúde sobre a importância do isolamento social para conter a transmissão do vírus e fez um pronunciamento pedindo o fim do “confinamento em massa” e questionando a suspensão de aulas. A Consed, que reúne as 27 redes estaduais, atendendo 16 milhões de estudantes, escreveu a seguinte nota como reposta,:

“O Conselho Nacional de Secretários de Educação informa que continuará seguindo as determinações dos Governadores de Estado, norteados pelas orientações da Organização Mundial de Saúde e das principais autoridades médicas e científicas internacionais e nacionais. Desta forma, manter as aulas presenciais suspensas é um ato de responsabilidade, para proteger não apenas a vida dos nossos estudantes e servidores, mas de todos aqueles que estão em seu entorno, especialmente os idosos e com doenças crônicas.”

O Conselho Nacional de Saúde considerou que o discurso do presidente, que chamou a doença de “resfriadinho”, “coloca em risco a vida de milhares de pessoas” e que é “uma afronta grave à Saúde e à vida da população”. Segundo a entidade, “a fala prejudica todo o esforço nacional para que o Sistema Único de Saúde (SUS) não entre em colapso diante do cenário emergencial que vivemos na atualidade”.