Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

7 filmes brasileiros baseados em livros

Obras cinematográficas originadas de livros e peças de teatro ajudam a contar um pouco a história do Brasil – e da nossa literatura 

Por Danilo Thomaz 6 jul 2021, 19h42

A literatura – da mais clássica à mais popular – sempre foi uma grande fonte de inspiração para o cinema em todo o mundo – e até uma forma de popularizá-lo em seus primórdios. Um clássico hollywoodiano, “…E o vento levou” (1939), é inspirado num best-seller homônimo. Aqui no Brasil também há uma série de filmes disponíveis na internet que nasceram da nossa literatura em prosa e do nosso teatro. GUIA separou alguns deles para vocês =) 

1 – O auto da compadecida (2000), de Guel Arraes

O Auto da Compadecida
O filme mostra as aventuras de João Grilo e Chicó, dois nordestinos pobres que vivem de golpes para sobreviver Pinterest/Divulgação

Baseado na peça de Ariano Suassuna, o clássico da nossa literatura também tornou-se um hit do cinema da retomada, que acontece a partir de meados dos anos 1990. “O auto da compadecida” conta a história de João Grilo, um sertanejo pobre e mentiroso, e Chicó, o mais covarde dos homens, que enganam a todos no pequeno vilarejo de Taperoá, no sertão da Paraíba. A obra é uma aula sobre a cultura popular de raiz do Brasil – uma aula, diga-se, bastante divertida. 

Disponível no Globoplay. Compre o livro aqui

 

2 – Cidade de Deus (2003), de Fernando Meirelles

Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles, Kátia Lund
Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles, Kátia Lund. Buscapé é um jovem pobre, negro e sensível, que cresce em um universo de muita violência. Ele vive na Cidade de Deus, favela carioca conhecida por ser um dos locais mais violentos do Rio. Pinterest/Divulgação

Um dos filmes mais importantes do nosso cinema é baseado no livro do escritor carioca Paulo Lins. O longa narra a história da comunidade da Zona Oeste do Rio de Janeiro em sua cultura e sofrimentos ao longo de várias décadas.

Disponível na Netflix. Compre o livro aqui

3 – Eles não usam black tie (1981), de Leon Hirszman

Eles não usam Black Tie
Otávio é um militante sindical que organiza um movimento grevista para resistir às práticas exploradoras de uma metalúrgica, na qual seu filho Tião também trabalha. Mas, com a namorada grávida, o jovem resiste à greve para não perder o emprego. Pinterest/Divulgação

O filme é baseado na peça homônima do ator e dramaturgo Gianfrancesco Guarnieri. O texto é um clássico do nosso teatro e foi encenado pela primeira vez na década de 1960. À época buscava-se um jeito brasileiro de fazer teatro. A obra conta o conflito entre um pai e um filho que decide furar a greve por temer perder o emprego, misturando, assim, questões familiares e sociais da classe trabalhadora. A atriz Fernanda Montenegro é uma das estrelas do elenco.

Disponível na Globoplay. Compre o livro aqui

 4 – A hora da estrela (1985), de Suzana Amaral

 

Continua após a publicidade
A hora da estrela
Macabéa, uma nordestina de 19 anos. A orfã vai para São Paulo ser datilógrafa e mora em uma pensão. Ela tem uma vida sem muitas emoções até conhecer Olímpico de Jesus e engatar um namoro. No entanto, em pouco tempo Olímpico troca Macabéa por Glória, colega de trabalho da ex-namorada, que, por recomendação de sua cartomante, rouba o namorado de Macabéa. Pinterest/Divulgação

O filme é uma adaptação do último livro da escritora Clarice Lispector, que conta a história de Macabéa, uma menina muito pobre e pura vivendo em um ambiente hostil de desigualdade, brutalidade e sonhos que nunca se tornam realidade.

Disponível em Spcine Play e Looke. Compre o livro aqui

 

5 – Memórias póstumas de Brás Cubas (2001), de André Klotzel

Memórias póstumas de Brás Cubas
Após ter morrido em 1869, Brás Cubas decide narrar sua história e revisitar os fatos mais importantes de sua vida. Pinterest/Divulgação

Baseado na obra-prima de Machado de Assis, o filme homônimo conta a história de Brás Cubas, um aristocrata brasileiro que revê sua trajetória – não lá feita de grandes realizações na vida – após a morte.

Disponível na Amazon Prime. Compre o livro aqui

 

6 – A vida invisível (2019), de Karim Aïnouz

A Vida Invisível
Antigas cartas de sua irmã Guida, há muito desaparecida, surpreendem Eurídice, uma senhora de 80 anos. No Rio de Janeiro dos anos 1950, Guida e Eurídice são cruelmente separadas, impedidas de viverem os sonhos que alimentaram juntas ainda adolescentes. Pinterest/Divulgação

Uma adaptação de “A vida invisível de Eurídice Gusmão”, de Martha Batalha, um dos maiores fenômenos editoriais recentes do Brasil. A versão cinematográfica – é bom adiantar para quem já leu o livro – é bastante diferente da obra original. E não, isto não é um problema. Na história adaptada, acompanhamos a história de duas irmãs que se afastam uma da outra em determinado momento da vida, vivendo trajetórias díspares, mas cheias de pontos de contato. Ambientado no Rio de Janeiro, a história é um retrato da problemática feminina na segunda metade do século 20.

Disponível na Globoplay. Compre o livro aqui

 

7 – Vidas secas (1964), de Nelson Pereira dos Santos

 

Continua após a publicidade
A história de uma família pobre da região seca do Nordeste e sua luta diária por trabalho e comida para sobreviver e superar as dificuldades do ambiente árido em que vive.
Vidas Secas é a história de uma família pobre da região seca do Nordeste e sua luta diária por trabalho e comida para sobreviver e superar as dificuldades do ambiente árido em que vive. Pinterest/Divulgação

O filme é uma adaptação do clássico do escritor Graciliano Ramos, que teve várias de suas obras convertidas para o cinema.  Na história, Fabiana viaja com a família – e a cachorra Baleia – em busca de uma vida melhor pelo sertão, num período de profunda seca e miséria.

Disponível no Globoplay.  Compre o livro aqui

  • Continua após a publicidade
    Publicidade