Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Gossip Girl e o retrato da cultura do cancelamento

A série já falava sobre linchamento virtual muito antes do cancelamento ser uma ameaça real

Por Luccas Diaz Atualizado em 24 jul 2021, 21h33 - Publicado em 23 jul 2021, 18h48

Você está assistindo a nova versão de Gossip Girl? A série estreou no começo de julho na HBO Max e já está dando o que falar. Mas que tal voltar um pouco no tempo e pensar em alguns pontos (bem) problemáticos da série original – no ar entre 2007 e 2012? Será que o comportamento de jovens brancos, héteros, cis, ricos, que abusam de seu privilégio e são tóxicos uns com os outros ainda é algo aceitável? Ou será que a GG previu toda a cultura do cancelamento? 

Pré-cancelamento

Pôster da série 'Gossip Girl'
Da esquerda para a direita, Chuck, Blair, Serena e Nate: os jovens milionários de Gossip Girl. The CW/Divulgação

Gossip Girl é uma série de TV que foi ao entre 2007 e 2012, adaptada dos livros da autora estadunidense Cecily von Ziegesar. Por mais que o termo ‘cultura do cancelamento’ só tenha surgido por volta de 2017, a série se baseava na constante ameaça de linchamento virtual impulsionado por uma blogueira misteriosa. 

Retrato de uma geração

Pôster da série 'Gossip Girl'
“Inapropriado” e “pesadelo dos pais” foram alguns dos termos ditos por associações americanas de pais. Gossip Girl transformou a movimentação dos pais em campanha de marketing. The CW/Divulgação

A série foi um tremendo sucesso – ao ponto de associações de pais fazerem abaixo-assinados pedindo o cancelamento da série por influenciar negativamente os jovens. O canal responsável pela produção pegou as reclamações das associações e usou como estratégia de marketing. A história retratava um grupo de amigos da elite de Nova York.

Vigilante misteriosa

Cena da série 'Gossip Girl'
Muito antes das redes sociais, Gossip Girl já usava a internet como forma de espalhar fofoca. The CW/Reprodução

Muito antes dos #exposed e das #cancelparty, Gossip Girl atormentava os adolescentes da série espalhando fofocas (algumas fakes) em um blog . Uma versão micro dos polêmicos perfis de fofoca no Instagram? De certa forma, a série previu um pouco do futuro com as atuais “Gossip Girls”.   

Ser patricinha é tão cringe

Cena da série 'Gossip Girl'
O “estilo patricinha” da série  é considerado um ícone fashion da época. The CW/Divulgação

A autora dos livros, Cecily von Ziegesar, conta que se inspirou na sua juventude em uma escola de elite em NY. Segundo ela, naquele tempo era aceitável garotas serem más uma com as outras e garotos terem posturas abusivas. Hoje, a Geração Z reprova esses tipos de comportamento. Certo?

Classe de 2021

Cena do reboot de 2021 da série 'Gossip Girl'
A nova versão de Gossip Girl tem maior inclusão e diversidade. HBO Max/Divulgação

Uma nova versão de Gossip Girl estreou em julho na HBO Max. Desta vez, os personagens apresentam uma gama muito maior de diversidade e inclusão. Eles continuam ricos, maus e privilegiados? Sim. Mas agora são jovens que viveram o movimento #MeToo, o #BlackLivesMatter e compartilha uma maior consciência de classe. 

  • Continua após a publicidade
    Publicidade