Assine Guia do Estudante ENEM por 15,90/mês
Continua após publicidade

Redação do Enem: apostas de tema da professora que teve 3 alunas nota mil

Fernanda Pessoa divide os temas mais prováveis em quatro grandes eixos: meio ambiente, educação, minorias e trabalho

Por Juliana Morales Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 Oct 2022, 18h19 - Publicado em 18 Oct 2022, 13h19

Vai fazer o Enem 2022? Baixe grátis o GUIA DO ENEM! São mais de 90 páginas com tudo o que você precisa saber sobre a prova. Clique aqui para baixar!

 

Na última edição do Enem, a professora pernambucana Fernanda Pessoa teve três alunas nota mil na redação e mais de mil alunos que tiraram 980. Ao ser questionada sobre a “fórmula do sucesso”, a resposta é simples: ela ajuda os estudantes a entenderem que “escrever é um reflexo do pensar”. É isso, segundo ela, que faz com que o aluno domine os assuntos em geral e esteja preparado para dissertar sobre as inúmeras possibilidades de temas de redação.

Fernanda observa que nos últimos anos o Enem segue uma tendência de escolher temas com maior chance de surpreender os estudantes. Ou seja, propostas que tenham recortes que vão além dos convencionais, com direcionamentos mais específicos. Foi o que aconteceu no ano passado, por exemplo, em que a frase tema da proposta era “Invisibilidade e registro civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil”.

“Era muito improvável que na véspera do Enem 2021, o estudante estivesse estudando exatamente sobre registro civil. Ninguém iria chutar um tema específico”, diz.

Mas isso não é motivo de preocupação, tranquiliza a professora. É aí que entra a importância da reflexão para a escrita que ela tanto defende. “Se o aluno tivesse estudado e compreendido as diretrizes sobre cidadania e invisibilidade – eixos temáticos mais amplos – ele seria capaz de criar um argumento para recortes mais fechados, como foi o caso de registro civil”, explica.

Continua após a publicidade

Pensando nesta habilidade de pensar temas mais amplos para depois adaptá-los aos recortes propostos pelo Enem, o GUIA DO ESTUDANTE convidou a professora Fernanda Pessoa a fazer apostas para a redação deste ano. Confira!

Questão ambiental

Para este ano, Fernanda acredita que temas relacionados ao meio ambiente são uma forte aposta, diante da importância do assunto e por ter algum tempo que o assunto não é cobrado pela banca. A professora conta que é comum os estudantes tentarem decorar um dado para lixo urbano, outro para lixo em metal, outro para o desmatamento. Mas isso não é o mais produtivo. “O estudante decora todos esses, aí chega no dia e a proposta é aumento do lixo plástico nos oceanos. Ele pode se desesperar por achar que não sabe nada sobre o tema”, diz.

Fernanda diz que o candidato precisa entender o contexto do dado. Por exemplo, de acordo com um levantamento do WWF (Fundo Mundial para a Natureza), feito com base em dados do Banco Mundial, o Brasil é o 4º maior produtor de lixo plástico do mundo. “Se o estudante entende as causas e os impactos disso, ele consegue associar a falta de educação ambiental para qualquer tipo de tema que envolva meio ambiente”, explica.

Nesse sentido, Fernanda recomenda que os jovens estudem pensadores importantes da área, o que vai garantir um repertório bom e diverso no momento da prova. Para a questão ambiental, ela indica o ecologista Genebaldo Freire, que é autor de 19 livros sobre a temática ambiental, entre eles, Educação Ambiental: Princípios e práticas.

Continua após a publicidade

Por fim, a professora destaca recortes possíveis dentro do eixo temático de meio ambiente. São eles:

  • A persistência do desmatamento no Brasil;
  • Catástrofes ambientais;
  • Aumento das queimadas;
  • Aquecimento global.

Minorias

Fernanda também chama atenção para os temas que são associados a minorias. A última vez que o exame trouxe um recorte nesse sentido foi em 2017, quando a proposta abordou os desafios impostos às pessoas com deficiência – mais precisamente, os “desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”.

Ela ressalta, por exemplo, que a redação do Enem nunca discutiu questões associadas à sexualidade e gênero, e que homofobia ou transfobia são possíveis apostas para este ano.

+ Para saber mais sobre os dois assuntos, confira uma lista com 12 livros para estudar a história do movimento LGBTQIA+.

O palpite da professora vai na contramão da expectativa de que a prova não cobre temas sensíveis ao atual governo. Em 2021, o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro chegou a levantar a possibilidade de analisar pessoalmente as questões do Enem para evitar “perguntas muito subjetivas e até mesmo com cunho ideológico”. O presidente Jair Bolsonaro também afirmou que o Enem “começaria a ter a cara do governo”

Fernanda sustenta que, apesar disso, muitos temas que poderiam gerar críticas ao governo Bolsonaro foram abordados na prova nos últimos anos. O maior exemplo disso foi em 2019, ano em que o Ministério da Cultura foi extinto e a Ancine (Agência Nacional do Cinema) sofreu grandes cortes.  Naquela edição do Enem, os candidatos dissertaram sobre “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”.

+ Veja todos os temas de redação que já caíram no Enem

Educação

Outro eixo temático que a professora destaca é educação. Assim como nas questões ambientais, não é recomendável que o aluno saia decorando todas as estatísticas referentes à educação, mas que compreenda o papel dela na sociedade. Para isso, pode se aprofundar nos pensamentos de figuras importantes no tema, como Paulo Freire, patrono da educação brasileira, e o psicólogo Jean Piaget.

Continua após a publicidade

A partir da compreensão ampla do tema, o estudante será capaz de tratar sobre as diferentes esferas do assunto, como a educação à distância ou sobre a importância da educação financeira. A discussão sobre o ensino técnico profissionalizante também tem ganhado relevância. 

+ 5 assuntos sobre educação que podem ser tema de redação

Dentro deste eixo, Fernanda chama atenção para a educação cívica. Recentemente, o Inep publicou sobre um estudo de educação cívica e cidadania com 10 mil estudantes. Assim como o Ministério da Educação, o instituto têm o hábito de divulgar ‘spoilers’ sobre o tema da redação em seus sites e redes sociais. Essa, portanto, pode ser uma dica.

A disciplina Educação Moral e Cívica, que é bastante atrelada ao período do regime militar brasileiro de 1964 a 1985, foi citada por Bolsonaro e aliados desde a campanha presidencial de 2018. Como mostra uma reportagem da Nova Escola sobre o tema, o objetivo defendido pelo governo para a volta da disciplina nos currículos era “incutir nos alunos o civismo, culto à pátria e a ética, ensinando hinos, símbolos e como funcionam as instituições nacionais”.

Continua após a publicidade

Sobre o tema, Felipe Leal, professor de redação do Curso Anglo, destaca que o artigo 205 da Constituição brasileira, que determina que a educação é um direito de todos e dever do Estado, também diz que a educação deve contribuir para o exercício da cidadania – sem qualquer viés ideológico.

Diante disso, o exame pode abordar, segundo o professor, a demanda dos brasileiros por compreensão de cidadania, já que faltam ações neste sentido. “A causa do problema é uma educação muito voltada para questões mais técnicas e conteudistas e muito pouco para reflexão ou para análise política”, explica Leal. “O efeito disso é a maior suscetibilidade às fake news: o cidadão que desconhece o verdadeiro funcionamento da democracia pode acabar sendo vítima de desinformação”, completa.

Trabalho

Fernanda reforça que os estudantes precisam saber discutir a sociedade brasileira, porque os temas do Enem serão sempre muito atuais. Um aspecto importante, nesse sentido, é o eixo temático do trabalho. Para o exame, é preciso que o candidato tenha clareza sobre como enxerga o trabalho e a economia, pontua a professora.

A pandemia da covid-19 acelerou processos e tendências que já vinham se consolidando anteriormente, principalmente nas relações trabalhistas. Diante de um cenário do aumento da automação, com o uso de mais tecnologias como a inteligência artificial, profissões estão se transformando. Surge com isso a necessidade de um novo tipo de profissional: o trabalhador 4.0. Ele precisa dominar o uso das tecnologias digitais, buscando maior colaboração, e pensando em arranjos de trabalho flexíveis.

Busca de Cursos

Continua após a publicidade

“É importante pensar o que é esse trabalhador 4.0 e sobre esse processo da economia sendo associada à questão da tecnologia”, diz Fernanda. Uma dica de repertório sobre o assunto é o livro Trabalhador 4.0, coordenado por José Roberto Afonso. Na obra, 11 autores de diferentes áreas analisam os impactos da revolução digital em curso sobre a economia e a sociedade brasileira, especialmente no que toca às mudanças nas relações de trabalho e na organização da educação, da ciência e da cultura. 

Compartilhe essa matéria via:

Quer ter a sua redação corrigida? Na plataforma REDAÇÃO ONLINE você envia o seu texto e recebe uma correção detalhada, de acordo com cada competência do Enem, em até 3 dias úteis! Garanta aqui o seu pacote com 20% de desconto usando o cupom GUIADOESTUDANTE20.  

 Prepare-se para o Enem sem sair de casa. Assine o Curso PASSEI! do GUIA DO ESTUDANTE e tenha acesso a todas as provas do Enem para fazer online e mais de 180 videoaulas com professores do Poliedro, recordista de aprovação nas universidades mais concorridas do país.

Publicidade
Redação do Enem: apostas de tema da professora que teve 3 alunas nota mil
Enem
Redação do Enem: apostas de tema da professora que teve 3 alunas nota mil
Fernanda Pessoa divide os temas mais prováveis em quatro grandes eixos: meio ambiente, educação, minorias e trabalho

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se você já é assinante faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

DIGITAL
DIGITAL

Acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo do site

A partir de R$ 9,90/mês