Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Justiça suspende liminar do MPF e nega acesso à correção do Enem 2011

MEC havia recorrido da decisão na última sexta-feira (20)

Por da redação Atualizado em 16 Maio 2017, 13h56 - Publicado em 24 jan 2012, 18h46

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) derrubou nesta terça-feira (24) a liminar que garantia o acesso de todos os candidatos à cópia da correção da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2011. A liminar havia sido concedida pela Justiça Federal no Ceará, a pedido do Ministério Público Federal, e o Ministério da Educação (MEC) tinha recorrido da decisão na última sexta-feira (23).

– MEC admite erro ao corrigir 129 redações do Enem 2011

– Candidato de MG consegue mudar nota da redação do Enem

– Estudantes conseguem na justiça direito à revisão da nota da redação do Enem 2011

De acordo com o presidente do TRF-5, o desembargador Paulo Roberto de Oliveira Lima, que disse que a decisão de suspender a liminar ocorreu, entre outros motivos, porque a ação teve dois aditamentos, o que sugere, segundo o Paulo Lima, que o MPF não sabia o que queria.

Continua após a publicidade

Na ocasião, o desembargador disse lamentar que o exame não “ostenta qualidade operacional desejada”, mas que não pode ser ignorado o “descuido com que vem sendo judicialmente combatido”. Lima também argumentou que o Instituto Nacional de Pesquisas Nacionais (Inep), a União e o MPF já tinham celebrado um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) em agosto do ano passado, no qual o governo se compromete a dar vistas à redação apenas a partir da edição de 2012 do Enem.

Para o desembargador, a disponibilização das provas para 3.881.329 candidatos contribuiria mais para tumultuar as coisas, do que para torná-las mais eficazes. Lima também argumentou que nem todos pediram vista da prova e, talvez, somente uns poucos estejam insatisfeitos com a nota.

Na semana passada, quinta-feira (19), a Justiça Federal do Rio de Janeiro já tinha negado o acesso às vistas da redação do Enem, exigida pela Defensoria Pública da União. A ação da DPU tinha um conteúdo semelhante ao proposto pelo MPF.

*Com informações de O Estado de S.Paulo

LEIA TAMBÉM

– Notícias sobre o Enem

– Notícias sobre vestibulares

Continua após a publicidade
Publicidade