Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Sisu 2020/1: aprovados têm até esta terça para se matricularem

Quem não passou também tem até esta terça (4) para aderir à lista de espera

Por Juliana Morales Atualizado em 4 fev 2020, 01h02 - Publicado em 4 fev 2020, 00h02

Esta terça (4) é o último dia de matrícula para os candidatos aprovados na primeira chamada do Sisu 2020/1. Em meio a muitos erros e polêmicas, o resultado da seleção foi divulgado na semana passada, dia 28. Em 2020, o Sisu oferece 237.128 vagas em 128 instituições de ensino de todo o país. Para se matricular, o estudante deve verificar junto à universidade ou instituto onde foi aprovado os horários e dias definidos para entregar a documentação.

  • LISTA DE ESPERA

    Quem não foi aprovado em nenhuma das duas opções na chamada regular também só tem mais esta terça para se inscrever na lista de espera. Para manifestar interesse em participar, o candidato deve acessar o site do Sisu, “logar” no seu boletim com número de inscrição e senha do Enem 2019 e, em seguida, escolher a opção “Participar da lista de espera”. Depois disso é só escolher se quer concorrer a uma vaga no curso de primeira ou segunda opção. Ao final da inscrição, uma mensagem de confirmação vai aparecer na tela.

  • As convocações da lista de espera devem começar em 7 de fevereiro. Lembrando que a convocação dos candidatos para a matrícula cabe às próprias instituições de ensino (o MEC não divulgará quem são os aprovados). Assim, os inscritos devem acompanhar o resultado diretamente nos portais das universidades.

  • Na manhã da última quarta-feira (29), a hashtag #erronalistadeespera foi muito usada no Twitter. Apenas candidatos que não foram aprovados em nenhuma das opções de cursos preenchidas podem se inscrever na lista de espera do Sisu. Muitos estudantes, então, escolheram apenas um curso para poderem participar da lista de espera, caso não passassem na chamada regular. Mas, por conta de erro no sistema, muitos deles não estavam conseguindo se inscrever e relataram o erro nas redes sociais. O problema foi resolvido horas depois, segundo o MEC. 

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade