Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Cartografia: conheça os tipos de mapas

Veja como as diversas formas de representar o espaço geográfico podem alterar o modo como enxergamos o planeta

Por Redação 16 jun 2021, 17h26

Conteúdo do Curso Enem Play

Representação: é essa a ideia que norteia a construção de um mapa. Ocorre que, obviamente, o tamanho e a complexidade do planeta não cabem no papel. Desse modo, é preciso fazer escolhas para conseguir mostrar, num espaço tão restrito, o máximo daquilo que comporta o mundo real.

Dessas escolhas é que resultam as diversas maneiras de representar um território, que pode se dar com base em focos variados, como seus aspectos físicos, políticos ou sociais. Cada um desses recortes, por sua vez, abarca outras subdivisões. A representação física do planeta, por exemplo, engloba mapas de hidrografia e relevo, entre outros.

Todas essas divisões são importantes tanto por seu caráter teórico, ao facilitar o estudo de uma área, quanto pela aplicação prática desse conhecimento, ao nortear a implantação de políticas de saúde ou ambientais.

Entretanto, com tantas possibilidades, é preciso atenção na hora de ler os mapas e avaliar as conclusões tiradas com base em sua análise. Afinal, como vimos, eles mostram apenas uma parte da realidade. Assim, dependendo do ponto de vista adotado para sua construção, eles podem acabar servindo para influenciar – positiva ou negativamente – o modo como enxergamos determinada área ou algum fenômeno. Confira a seguir alguns dos principais tipos de mapas e o que eles representam.

1 – Mapas políticos

Mapas políticos
GE Play/Divulgação

 

2 – Mapas Físicos

Mapas físicos
GE Play/Divulgação

3 – Mapas temáticos

Mapa
GE Play/Divulgação

São mapas que representam dados sobre determinados temas, permitindo observar as características de uma região e estabelecer comparações entre os países apresentados. Os temas abordados podem ser os mais diversos, da economia à cultura, passando por demografia e meio ambiente. Neste exemplo, os países da América são agrupados a partir de sua classificação no ranking mundial do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O indicador, apurado pela Organização das Nações Unidas (ONU), serve para medir as variações no padrão de qualidade de vida das diferentes populações do globo, levando em conta três fatores: educação, longevidade e renda. Ao observarmos o mapa de IDH do continente americano acima, notamos que Estados Unidos, Canadá, Chile e Argentina são as únicas nações com IDH muito alto, enquanto o Haiti é a única nação com baixo desenvolvimento humano. O Brasil, junto com países como Venezuela e México, tem IDH alto.

Mapa temático sobre o IDH do Brasil
Mapa temático sobre o IDH do Brasil. GE Play/Divulgação

4 – Anamorfoses, os mapas distorcidos

Anamorfoses, os mapas distorcidos
Anamorfoses, os mapas distorcidos. GE Play/Divulgação

Os mapas têm como objetivo apresentar de forma mais fiel possível o espaço geográfico, certo? Mais ou menos. Existem alguns tipos de representação cartográfica que distorcem o tamanho e o traçado das regiões para reforçar o efeito comparativo sobre o tema apresentado. Esses mapas recebem o nome de anamorfoses e costumam cair nos vestibulares com certa frequência. Nesta anamorfose, o tamanho de cada país é proporcional ao seu Produto Interno Bruto (PIB) e não à sua extensão territorial. Logo, chama a atenção o aumento de tamanho dos Estados Unidos, dono da maior economia do mundo, com 18 trilhões de dólares. Por sua vez, note como o Canadá, que tem a segunda maior extensão territorial do planeta, atrás apenas da Rússia, ficou representado de uma forma bem menor nesta anamorfose. Isso acontece porque o gigantismo de sua área não é proporcional ao seu PIB. Já o mapa do Brasil apresenta poucas distorções na comparação entre economia e área.

No site World Mapper você pode conferir dezenas de anamorfoses sobre os mais diversos temas.

10 FATOS SOBRE CARTOGRAFIA – Veja o álbum abaixo

  • Continua após a publicidade
    Publicidade