logo-ge

Cinco obras para entender a Revolução Iraniana, que faz 40 anos em 2019

De livros a jogos, listamos algumas obras que vão te ajudar a entender o complexo cenário que culminou na revolução, e como ela mudou radicalmente o Irã

Desde o mês passado, o Irã está celebrando os 40 anos da revolução que depôs o xá Mohammad Reza Pahlevi e acabou com o regime monárquico no país. À época, o Irã passava por uma período de vertiginoso crescimento econômico e modernização em decorrência de um de seus principais produtos de exportação, o petróleo.

Por outro lado, o país se abria a grandes potências e se “ocidentalizava”. A desigualdade social e a repressão do governo aumentaram bastante. Em uma revolta popular, parte dos iranianos apoiaram a revolução, que transformou totalmente o Irã. O novo governo teocrático se revelou violento e autoritário.

Não é um assunto fácil. Há diversos pontos de vista sobre o país de antes e de depois de 1979. Fora que estamos falando de uma nação muito antiga, com uma vasta cultura. Então, selecionamos livros, filmes e um jogo que podem ajudar a entender melhor o que foi a Revolução Iraniana, quais eram seus antecedentes e como ela transformou radicalmente o país e o Oriente Médio.

Persépolis

A autobiografia em quadrinhos de Marjane Satrapi tem ganhado o mundo desde que foi publicada pela primeira vez, em 2002, na França. Ao longo do livro, a iraniana conta não só a sua história como também a de seu povo — que, como ela mesma afirma, já foi em tantos momentos vítima de regimes opressores.

Entre relatos da sua infância, dos protestos políticos que viu de perto, da sua mudança para a Europa e de uma adolescência conturbada, o pano de fundo é sempre a Revolução Iraniana, estopim de todas as grandes mudanças na sua vida. Uma das características do livro que merece destaque é o fato de  ser narrado da perspectiva de uma mulher. Dessa forma, é possível entender o impacto do regime xiita sobre a vida dessa parcela da população e as nuances de uma resistência feminista em condições extremas de repressão.

Produtos de Amazon.com.br

 (Companhia das Letras/Divulgação)

Persépolis, Marjane Satrapi

Companhia das Letras, 2007

R$ 43,90 na Amazon

 

O Xá dos Xás

Escrito pelo jornalista polonês Ryszard Kapuscinski, Xá dos Xás narra um Irã pré e imediatamente pós Revolução Iraniana. Por meio de uma escrita sensível, o autor resgata os fatos históricos que motivaram a queda do último xá e a ascensão do regime fundamentalista — a modernização e enriquecimento do Irã gerados pela alta do petróleo e a importação de diversos elementos da cultura ocidental.

Para descrever o cenário da pós-revolução, o autor não entrevista grandes representantes do governo ou qualquer “fonte oficial”, mas sim cidadãos comuns que pudessem revelar os anseios e nuances do povo iraniano. Segundo ele, “todos os livros sobre as revoluções […] deveriam começar com um capítulo com tons psicológicos, em que se descrevesse o momento em que um homem sofrido e apavorado repentinamente derrota o terror; o instante em que ele deixa de sentir medo”.

Produtos de Amazon.com.br

 (Companhia das Letras/Divulgação)

O Xá dos Xás, Ryszard Kapuscinski

Companhia das Letras, 2012

R$ 39,92 na Amazon

Argo

O drama de 2012, dirigido por Ben Affleck, tem como pano de fundo o episódio histórico que ficou conhecido como “Crise dos Reféns”, quando 52 americanos ficaram presos na embaixada dos EUA em Teerã durante a Revolução Iraniana. A história, baseada em fatos reais, teve como base o artigo “The Great Escape de Joshuah Bearman”, publicado na revista Wired, em 2007.

Tanto o artigo quanto o filme, no entanto, focam na história específica do resgate de seis diplomatas que conseguiram fugir antes que a embaixada fosse invadida. Para resgatá-los do Irã, a CIA montou um plano envolvendo a gravação de um filme falso no país, que se chamaria Argo.

 (GK Films/Reprodução)

ArgoBen Affleck

2012

Disponível na Netflix

As noites de Zayandeh-Rood

Dirigido por Mohsen Makhmalbaf, As Noites de Zayandeh-Rood foi, durante quase três décadas, um filme sequestrado. Após cortes de quase 40 minutos e uma única exibição no Irã, ele foi tirado de circulação pelo regime do país, e só foi recuperado e exibido novamente em 2014, no Festival de Veneza.

Você deve estar se perguntando o porquê de tanto esforço para escondê-lo. Bom, o filme narra a história de um professor universitário iraniano que tem a vida atravessada pela revolução e que, desolado pelas mudanças que ela provocava na sociedade e na cultura de seu povo, resolve fazer parte dos dissidentes. A versão exibida em Veneza e agora disponível é, infelizmente, a editada pela censura iraniana, mas a essência do filme e sua história permitem uma profunda reflexão sobre a revolução e seus impactos.

 (As noites de Zayandeh-Rood/)

As Noites de Zayandeh-Rood, deMohsen Makhmalbaf

1990

US$ 3,99, com legendas em inglês, no Vimeo

 

1979 Revolution

 (1979 Revolution/Divulgação)

Desenvolvido por Navid Khonsari, um iraniano radicado nos Estados Unidos, 1979 Revolution é um jogo histórico. Por meio do protagonista, o fotojornalista Reza, você é conduzido pela revolução e seus grandes fatos marcantes (como a “crise dos reféns”, por exemplo, e o próprio episódio relatado em Argo). Colocado em situações inusitadas e tendo que tomar decisões rápidas diante dos acontecimentos caóticos, o jogador perceberá que esse foi um episódio muito mais complexo do que parece. Lançado em 2016 para computadores e celulares, ano passado o jogo ganhou uma versão para consoles.

1979 Revolution, 2016

R$ 36,90 na Playstation Store

R$ 18,99 no Google Play Store

Consulte outros preços no site do game