Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Como cai na prova: Cartografia e análise de mapas

O GUIA mostra qual a melhor forma de estudar o conteúdo que é bastante cobrado no Enem e outros processos seletivos

Por Malú Damázio Atualizado em 25 out 2017, 18h28 - Publicado em 25 out 2017, 18h25

A cartografia pode aparecer no Enem com duas abordagens: em questões de escala ou de projeções e mapas. O assunto, que é bastante amplo, não está restrito somente à prova de Ciências Humanas. A cartografia também permeia e apoia, como ilustração, todas as outras disciplinas. Por isso, é comum encontrar mapas para realizar exercícios com temáticas de população, fome, extração de petróleo ou até mesmo problemas ambientais.

“A cartografia está em todo o Enem, seja nas questões específicas ou ilustrando outros assuntos, o que não deixa de ser uma abordagem cartográfica, já que a questão pede sempre interpretação do mapa”, explica a professora de Geografia do cursinho Poliedro Cristina Lúcia do Carmo.

Enem 2011 (Gabarito ao fim da matéria) Inep/MEC

Ao se preparar para resolver os exercícios de cartografia, a principal dica é que o estudante analise bem os elementos do mapa, como legenda, título, fontes e contexto. “O mapa é uma linguagem igual a um texto, só que, em alguns casos, pode até ser de interpretação mais difícil. Por isso, é importante que o aluno leia com paciência tudo que está nele, especialmente a legenda, que é o que irá destrinchar a representação”, frisa Cristina.

  • Escala

    Os exercícios de escala são interdisciplinares e exigem do aluno, além de conhecimentos em Geografia, noções de Matemática. As questões podem fornecer, por exemplo, a metragem de um terreno de um agricultor e pedir que o estudante indique a escala mais adequada para traçar um mapa do local.

    Enem 2013 (Gabarito ao fim da matéria) Inep/MEC

    A professora do Poliedro observa ainda que a escala no Enem tem uma abordagem clássica, sem contextualizações com atualidades. “O exame vai pedir que o aluno calcule uma escala ou, o que é ainda mais comum, que adeque a grandeza de uma escala. Por isso, ele deve estar atento a qual modelo é melhor para o que requer o enunciado”, diz.

    Continua após a publicidade

    Um mapa de rua, por exemplo, deve ter uma escala que possibilite ver uma grande riqueza de detalhes. Já o de uma propriedade rural não precisa obedecer às mesmas características, porque a área representada cartograficamente será muito maior. Cada uma das escalas tem abordagens diferentes e cabe ao estudante saber avaliar qual a mais adequada para o contexto da questão.

    Enem 2015 (Gabarito ao fim da matéria) Inep/MEC

    Projeções cartográficas

    Ao contrário da abordagem mais clássica utilizada nas questões de escala, as projeções cartográficas aparecem no Enem sempre contextualizadas com a atualidade. Cristina destaca que, nessas perguntas, a prova enfatiza o uso do mapa como instrumento ideológico. As projeções mais frequentes são as de Peters, que é cilíndrica e mantém a proporção das áreas representadas, e a de Mercator, uma das mais adotadas em todo o mundo, que conserva o formato dos continentes, mas distorce as áreas.

    A professora reforça que as questões incentivam um diálogo entre as duas projeções, que trazem com elas visões de mundo políticas e distintas. “A projeção de Peters tenta se contrapor às eurocêntricas, ela valoriza o hemisfério sul e dá destaque para a África, ao contrário de Mercator. É uma maneira de mostrar o mundo por outro olhar e é possível que caia em um enunciado associado, por exemplo, à onda migratória dos últimos três anos”, explica.

    Enem 2016 (Gabarito ao fim da matéria) Inep/MEC

    Outros vestibulares

    Na visão de Cristina, o Enem tem se tornado uma prova cada dia mais conteudista, com modelos de questões bastante similares aos dos vestibulares tradicionais. Ainda assim, o exame mantém o aspecto interpretativo, de análise e correlações, sistema que também tem sido adotado nos demais vestibulares. “Cada dia mais eles estão com essa preocupação, de serem interdisciplinares e conteudistas ao mesmo tempo. Por isso, as outras provas também estão deixando de ser tão setorizadas”, analisa.

    Enem 2016 – segunda aplicação (Gabarito ao fim da matéria) Inep/MEC

    Porém, ainda é possível encontrar questões bastante específicas em vestibulares como a Fuvest. “A cartografia nessa prova vai, sim, ainda cobrar muitos detalhes, pegadinhas, notas de rodapé, enquanto o Enem pede um contexto geral”, observa a professora.

  • Gabarito das questões
    Enem 2011 – E
    Enem 2013 – D
    Enem 2015 – D
    Enem 2016 – C
    Enem 2016 (2ª aplicação) – E

    Continua após a publicidade
    Publicidade