Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Dificuldade em ortografia e redação pode ser sintoma de dislexia

Distúrbio compromete capacidade de leitura, escrita e concentração e muitas vezes é confundido com falta de disciplina na escola; conheça os sintomas

Por Bruno Aragaki Atualizado em 16 Maio 2017, 13h31 - Publicado em 2 abr 2010, 11h17

por Bruno Aragaki

Darby Lima já tinha repetido a quarta série e continuava colecionando notas vermelhas. As broncas do pai não adiantavam. O menino estudava, mas nas provas respondia o que não era perguntado e era incapaz de prestar atenção nas aulas. Já no Ensino Médio, ouviu uma professora dizer que “aquele aluno não vai chegar longe, não”. “Me sentia burro”, diz Darby, 26, hoje no oitavo semestre da Universidade de Brasília (UnB) e há dez anos diagnosticado como portador de dislexia.

– Disléxico tem direito a tempo extra e acompanhante no vestibular

Os cientistas ainda não sabem, ao certo, a causa do distúrbio, mas estimam que ele atinja entre 5 e 15% da população mundial – entre eles, personalidades como Albert Einstein, Pablo Picasso e Tom Cruise. O portador costuma embaralhar letras e números de formatos ou sons semelhantes (trocar vaca e faca, por exemplo, ou confundir b e d).

– Time de peso: os disléxicos Da Vinci, Thomas Edison e Agatha Christie (SUPERINTERESSANTE)

A dislexia afeta principalmente a capacidade de ler, escrever e se concentrar, mas não interfere no raciocínio lógico, nem nas habilidades artísticas. A memória também pode ser afetada. Mas apesar das dificuldades com ortografia, redação e línguas, os disléxicos podem ter desempenho satisfatório em ciências, exatas ou artes.

“O disléxico é uma pessoa inteligente, mas tem extrema dificuldade de pôr o que sabe no papel ou interpretar textos escritos. Vai mal nas provas, mesmo que tenha todas as respostas na ponta da língua, e muitas vezes é tratado como preguiçoso ou indisciplinado”, explica Maria Angela Nico, coordenadora científica da Associação Brasileira de Dislexia (ABD).

Continua após a publicidade

SUPERAÇÃO

Crédito: Getty Images
O disléxico normalmente:
Demora para se alfabetizar e mesmo adulto, lê com erros
Confunde letras e números de formato parecido (b, p e d, por exemplo)
Escreve com dificuldade, ‘come’ ou inverte letras ou palavras
Tem problemas de memória e concentração
Vê dificuldade em conceitos abstratos
Confunde esquerda e direita e se perde
Tem talentos especiais (música, artes plásticas, ciências)
Tem dificuldade com línguas estrangeiras

Provavelmente hereditária, a dislexia não é considerada doença, nem tem cura. “É preciso aprender a conviver com ela e criar estratégias para compensar as limitações”, diz Maria Angela.

Com acompanhamento de psicólogos, psicopedagogos e neurologista, Darby aprendeu a se concentrar e melhorou o rendimento na escola. Na quarta tentativa, foi aprovado no vestibular de Geologia da UnB.

“Na época, não sabia que tínhamos direitos especiais nas provas”, diz o universitário. Apesar de não ser obrigatório por lei, os principais vestibulares oferecem condições especiais para os disléxicos fazer o exame.

Para ter direito a isso, é necessário apresentar laudo médico que confirme o diagnóstico de dislexia. “Muitas vezes o distúrbio é confundido com problemas de visão, de audição ou déficit de atenção”, diz Maria Angela.

O diagnóstico e o tratamento são complexos e exigem equipes multidisciplinares – normalmente, formadas por neurologistas, pedagogos, fonoaudiólogos, psicólogos e oftalmologistas. Pessoas de baixa renda podem fazê-lo gratuitamente em ONGs e associações de apoio ao disléxico, como a ABD.

 

VEJA TAMBÉM:
– Daltonismo muitas vezes só é descoberto na fase adulta
– Notícias de vestibular
– Notícias de Enem

Continua após a publicidade

Publicidade