Clique e assine GE Play por R$16,90

“Preciosa – Uma História de Esperança”: utilize o filme no vestibular

Explore o enredo e enriqueça seu repertório

Por Julia Di Spagna - Atualizado em 30 abr 2019, 18h37 - Publicado em 17 Maio 2018, 16h00

A ideia desta série de matérias é permitir que você consiga desenvolver um repertório mais amplo e um pensamento crítico mais aguçado com base nas diversas camadas que a sétima arte pode apresentar. As análises dos filmes que faremos aqui buscam mostrar certas relações entre o enredo e temas contemporâneos que podem ser abordados na redação e em outras questões do Enem e dos principais vestibulares do Brasil.

Aviso: Este filme contém cenas relacionadas a abusos sexuais que podem ser gatilhos emocionais para algumas pessoas.

Harlem, bairro de Nova York, 1987. É nesse contexto que a jovem de 16 anos Claireece “Preciosa” Jones enfrenta uma série de dificuldades. Discriminação, agressão e opressão são alguns dos fatores que fazem parte do seu cotidiano.

No ambiente familiar, a jovem é agredida física e psicologicamente pela mãe e é violentada pelo pai desde pequena, o que resulta em duas gravidezes. Na escola, a situação não fica melhor. Negra e gorda, ela enfrenta diariamente o bullying por parte dos colegas.

Sua primeira filha, portadora de síndrome de Down, recebe o apelido pejorativo de “Mongo” e é criada pela avó. Quando Preciosa engravida pela segunda vez – novamente do próprio pai – é expulsa da escola.

Nesse contexto, ela consegue uma vaga em uma escola alternativa, onde encontra a professora Rain, que a auxilia com diversas questões pessoais e a ajuda a enfrentar dificuldades e encontrar seu caminho por meio dos estudos.

Com o tempo, é possível notar mudanças no comportamento da jovem, que começa a se abrir com a nova turma e se sentir acolhida. Apesar de o desfecho da trajetória da personagem não ser exatamente “feliz”, ela demonstra maturidade, esperança e vontade de correr atrás de uma vida melhor.

É possível explorar o filme “Preciosa” a partir de diversos aspectos. Conversamos com Michele Marcelino, professora de redação do Anglo, para estabelecer os principais e mostrar qual a melhor forma de aplicá-los na hora do vestibular.

Violência doméstica e sexual

A personagem encara diversos tipos de violência. Decidimos explorar melhor dois deles: a doméstica e a sexual. Por violência doméstica entende-se qualquer tipo de agressão física ou psicológica cometida por membros do mesmo âmbito familiar.

Espancada e humilhada em diversos momentos pela mãe, em uma das cenas Preciosa chega até a desmaiar depois de ter um objeto atirado em sua cabeça.

Já a violência sexual é definida como qualquer ato sexual sem o consentimento de uma das partes ou tentativa de ato sexual por coerção independentemente da relação entre o agressor e a vítima.

Preciosa é abusada por seu pai. A mãe sabe dos abusos que a garota sofre desde pequena, mas consente.  

O GUIA publicou uma matéria explicando os diversos tipos de violência. Confira o conteúdo no link para saber mais.

Bullying

Também encarado como uma forma de violência, o bullying virou uma pauta frequente nas discussões atuais – o que levou a uma melhora no tratamento desse tipo de caso por parte das escolas.

Seja por campanhas de conscientização, debates sobre o tema em sala de aula ou mesmo um olhar mais atento dos professores para promover conversas tanto com os agressores quanto com as vítimas, o assunto tem sido levado mais a sério por muitas instituições.

O bullying precisa ser problematizado e os jovens precisam ter noção das consequências que esses atos podem gerar.

Padrões de beleza

“Semana passada, a Sra. Rain me pediu que escrevesse como eu queria ser. Eu disse: cabelos longos, pele clara e magra”. A personagem deixa claro seu desejo de ser uma garota dentro dos padrões de beleza fortemente apresentados pela mídia como o “ideal”.

Essa ideia retorcida de uma suposta aparência perfeita desencadeia uma série de consequências internas e externas, principalmente nas jovens. Nesse contexto, a maneira como elas se enxergam se torna problemática, negando suas características e buscando mudanças que podem afetar a própria saúde.

Além disso, existe um problema externo que é a maneira como os outros enxergam as pessoas fora do “padrão midiático” e os possíveis preconceitos e discriminações que isso pode desencadear.

Preconceitos: racismo, gordofobia, homofobia

Os preconceitos presentes na sociedade podem partir de diversos fatores. Os mais trabalhados no filme são aqueles contra negros, pessoas gordas e homossexuais.

A protagonista é diretamente afetada pelos dois primeiros, com sua autoestima sendo bombardeada diversas vezes.

Continua após a publicidade

Já a questão da homossexualidade aparece por meio da professora Rain. Ela vive com a sua companheira e ambas acolhem Preciosa em um momento do filme. Na cena, a jovem reflete sobre a opinião que a mãe tinha sobre os homossexuais.

“A mãe diz que os homossexuais são pessoas ruins… mas não são eles que me estupram”. A frase é forte e destaca os conflitos que Preciosa enfrenta entre aquilo que até então lhe foi apresentado sobre o mundo e as experiências que passa a ter.  

O poder da educação

O filme mostra, gradativamente, as mudanças nas atitudes da personagem. Um fator que age como o estopim para essas transformações é a nova escola. Com o incentivo da professora, o apoio das colegas e o esforço de colocar o que sente para fora, Preciosa passa a se enxergar de uma maneira totalmente diferente – não mais como uma pessoa acuada, mas como alguém com controle sobre a própria história.

Assim, a educação é utilizada como uma forma de emancipação no enredo.

Empoderamento feminino

A trajetória de Preciosa mostra comportamentos que culminam em ações focadas no que é melhor para ela. A personagem se enxerga de maneira diferente com o tempo e muda a forma como lida com suas dificuldades mais latentes, como a relação com a mãe.

Ela, que até então achava que não possuía muitos direitos, toma consciência de seu lugar no mundo como alguém que não deve passar por abusos e pode lutar por uma vida melhor.

“Não se nasce mulher, torna-se mulher”. A frase, que gerou diversas polêmicas quando foi abordada no Enem 2015, é de Simone de Beauvoir. Ela trata essa ideia de que ser mulher não é apenas algo biológico, mas está ligado ao seu papel sendo moldado pela sociedade em que está inserida. Saiba mais sobre a autora em nosso especial.

Ficou na dúvida de como esse conteúdo poderia ser aplicado na sua redação? Vamos ajudá-lo nessa missão.

É impossível prever qual será a proposta dos vestibulares. Entretanto, seja qual for o tema, se você estiver munido de diversos exemplos e relações relevantes na hora da prova, o resultado será muito melhor do que imagina.

No caso do filme “Preciosa”, é importante identificar os principais tópicos, como bullying, padrões de beleza e violência, por exemplo, e memorizar algumas cenas que exemplifiquem as situações.

Você não precisa assistir ao filme com um caderno fazendo várias anotações. O importante é entender o enredo como um todo e refletir sobre determinados acontecimentos que achar adequados. Se quiser, anote alguns tópicos e pesquise sobre os temas que achar mais pertinentes ou em que tiver alguma dificuldade.

Selecionamos algumas propostas de redações de vestibulares de anos anteriores em que você poderia utilizar seus conhecimentos sobre o filme para desenvolver o tema, tanto em termos de relações estabelecidas quanto em forma de exemplos.

Enem 2015: A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira

A proposta levanta diversos dados importantes sobre a violência contra a mulher no Brasil. Apesar de a banca fazer um recorte nacional, o filme pode ajudar o estudante a refletir e entender que existem diferentes tipos de violência que podem ser praticados.

É válido rever como funciona a lei Maria da Penha, sancionada em 2006. Não é necessário decorá-la ou nada do tipo. Mas entender suas consequências para a sociedade faz com que o estudante se familiarize com o assunto e se sinta mais à vontade para dissertar sobre isso.

Enem 2007: O desafio de se conviver com as diferenças

Ainda pensando na questão dos preconceitos, do bullying e da quebra dos supostos padrões ideais é válido refletir sobre os desafios que a personagem enfrenta por causa dessas barreiras impostas socialmente e até utilizá-los como exemplos na sua dissertação.

Vale abordar uma cena específica ou até explorar um desses aspectos no filme como um todo.

Enem 2000: Direitos da criança e do adolescente: como enfrentar esse desafio nacional?

A coletânea, entre outros textos, traz o artigo 227 da Constituição Brasileira que afirma: “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à saúde, à alimentação, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, crueldade e opressão”.

Mais uma vez, existe um recorte para a situação do Brasil, mas o filme ajuda a enxergar e a ilustrar exemplos de privação de direitos.

Filme: Preciosa
Ano: 2009
Direção: Lee Daniels

 

GE/Guia do Estudante
Continua após a publicidade
Publicidade