Assine com até 65% de desconto

Administração Pública

O bacharel é o administrador especializado no gerenciamento de instituições governamentais e na elaboração e acompanhamento de políticas públicas

Por Redação Atualizado em 14 Maio 2019, 14h58 - Publicado em 22 abr 2012, 16h50
Guia do Estudante/Guia do Estudante

O bacharel em Administração Pública é o administrador especializado no gerenciamento de instituições governamentais e na elaboração e acompanhamento de políticas públicas. Seu principal campo de trabalho está em ministérios, secretarias, concessionárias de serviços públicos e órgãos federais, estaduais ou municipais, de áreas como saúde, educação, assistência social, habitação e cultura. Nessas instituições, ele elabora, coordena e avalia políticas que têm como objetivo atender a demandas coletivas, como o combate à exclusão social, ao analfabetismo e à subnutrição, entre outros temas, atuando inclusive de forma preventiva.

Ao elaborar uma política pública, ele estabelece seus objetivos e suas diretrizes, analisa a viabilidade das linhas de financiamento com recursos públicos e privados, acompanha licitações e controla o orçamento. Organizar a infraestrutura, a logística e a operação em campanhas de vacinação ou de construção de moradias são exemplos de atividades da alçada deste profissional.

Apesar de o principal nicho de mercado estar no setor público, o profissional encontra oportunidades em associações sem fins lucrativos, como organizações não governamentais (ONGs), ou em empresas privadas, na articulação de ações em parceria com o governo ou no campo da responsabilidade social. Pode ainda atuar como político. Também é possível ingressar na carreira com um curso superior de tecnologia.

  • O que você pode fazer

    Consultoria: planejar ações institucionais que possam reduzir custos administrativos, ampliar a abrangência das ações e potencializar os benefícios das políticas públicas. Elaborar projetos para obtenção de financiamentos em bancos públicos.

    Empresas do terceiro setor: implementar programas e projetos, planejar processos de licitação pública, promover o contato entre organizações do terceiro setor, como ONGs, instituições filantrópicas e fundações, e órgão do setor estatal.

    Empresas privadas: atuar na prestação de serviços para órgãos do governo, em atividades que interagem com o poder público, em projetos de gestão compartilhada ou em programas de responsabilidade social.

    Empresas privadas: administrar a relação de uma empresa privada com o setor público, cuidando, por exemplo, de projetos de gestão compartilhada, como os consórcios para a construção de linhas do metrô.

    Gestão de políticas públicas: estabelecer diretrizes para nortear programas e encaminhar soluções para resolver problemas sociais para os poderes Executivo, Legislativo e para organizações da sociedade civil, nas mais diversas áreas, como educação, saúde, transporte, assistência social, habitação, lazer, segurança pública e meio ambiente.

    Organizações não governamentais: criar e executar programas de metas, gerenciar orçamento, implementar programas sociais.

    Política: assessorar políticos (vereadores, deputados estaduais e federais, senadores, prefeitos e governadores) em gabinetes oficiais, auxiliando-os na elaboração de políticas públicas.

    Serviço público: administrar os setores contábeis e orçamentários dos órgãos públicos e dar assistência a eles. Realizar licitações e contratos administrativos. Gerenciar a ligação entre empresas públicas e privadas.

    Mercado de Trabalho

    O Brasil tem 5.570 municípios, segundo o Instituto Brasileiro de Geografa e Estatística (IBGE), e a maioria não tem um administrador público nos quadros administrativos das prefeituras. Por isso, é grande a demanda pelo profissional em todo o país.

    Ele é procurado também por órgãos públicos das esferas estadual e federal, em áreas diversas, como auditorias, regulação, mercado financeiro de capitais, infraestrutura e até na assessoria parlamentar, no Legislativo.

    Além de ser funcionário do Estado, o bacharel e o tecnólogo encontram boas chances em empresas privadas que prestam serviços para a administração pública, como as concessionárias de rodovias e as construtoras. Nesse caso, eles atuam na adequação às regras do setor público.

    O terceiro setor é outra área em desenvolvimento, que tem expandido as oportunidades. Nas ONGs, esse administrador lida, por exemplo, com captação de recursos e desenvolvimento de políticas públicas. Há demanda pelo profissional em todo o país, mas Brasília e a Região Sudeste concentram o maior número de vagas. No Rio de Janeiro, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) são tradicionais empregadores.

    Curso

    O bacharelado tem muitas matérias em comum com os cursos de Administração tradicionais, como matemática, estatística, economia e administração financeira. Mas uma parte da grade curricular é ocupada por disciplinas específicas, como finanças para administradores públicos, gestão de pessoas do setor público, direito público, licitações e políticas públicas. A apresentação de uma monografa e a realização de estágios são obrigatórios.

    Atenção: o curso da Ufopa (PA), Gestão Pública e Desenvolvimento Regional, forma profissionais para atuar na gestão de políticas públicas de desenvolvimento regional, urbano, rural, ambiental e territorial com ênfase na Região Amazônica.

    Duração média: 4 anos.

    Outros nomes: Adm. Públ. e Polít. Públ.; Adm. Públ. e Soc.; Ciên. do Estado; Gestão de Polít. Públ.; Gestão Públ.; Gestão Públ. e Desenv. Reg.; Gestão Públ. para o Desenv. Econ. e Soc.; Polít. Públ.

     

    Legenda:

    Estrelas da Avaliação do Guia do Estudante

    ★★★★★ - Excelente

    ★★★★ – Muito bom

    ★★★ - Bom

    CPC – Conceito Preliminar de Curso ① ② ③ ④ ⑤ 

    O CPC é o indicador do Ministério da Educação que mede a qualidade dos cursos. Ele varia de 1 (menor valor) a 5 (maior valor). Ele está informado na ficha do curso para todas as graduações que tinham esse indicador disponível (fonte: site do Inep, anos 2014, 2013 e 2012). 

    Cifrões – Referem-se às faixas de preço da mensalidade:

    $ - Até 500,00 reais

    $$ - De 500,01 a 750,00 reais

    $$$ - De 750,01 reais a 1.000,00 reais

    $$$$ - De 1.000,01 a 1.500,00 reais

    $$$$$ - Acima de 1.500,01 reais

    n/i - Valor não informado

    Você também pode se interessar por:

    Publicidade