logo-ge

Animação

Este bacharel projeta, desenvolve e produz animações digitais ou analógicas

Este bacharel projeta, desenvolve e produz animações digitais ou analógicas, usando animações digitais ou analógicas, usando técnicas como 2D (bidimensional), 3D (tridimensional) ou stop motion, em que modelos reais são movimentados e fotografados quadro a quadro.

Ele dá movimento total ou parcial a produções visuais, sejam elas desenhos, fotografas, massa de modelar ou computação gráfica, para filmes, desenhos animados, curtas-metragens, publicidade, games e aplicativos de celular.

Com habilidade para desenhar, ele cria um filme quadro a quadro, respeitando a estrutura, a forma, o movimento, o gestual e as expressões faciais do personagem. Em estúdio de cinema, produz curtas e longas-metragens de animações.

Em emissora de TV, pode criar vinhetas e fazer abertura de programas. Na publicidade, desenvolve animações para comerciais veiculados por diferentes mídias, inclusive na internet. No setor educacional, faz animações para cursos de educação a distância ou para vídeos de aulas complementares.

O animador atua sempre com o diretor de arte, cenógrafos e iluminadores, entre outros profissionais. Também é possível trabalhar como autônomo. Nesse caso, o bacharel cobra pelo trabalho completo ou pelos segundos ou minutos animados.

Fique de Olho

BUSCA PELA FORMAÇÃO SUPERIOR

Pesquisa realizada pela mestre em design Cristiane Fariah mostrou que 54% dos profissionais da área não têm formação superior em Animação – a maioria obteve um diploma de nível técnico.

Mas as empresas estão buscando, cada vez mais, profissionais com qualificação e até estimulam essa capacitação – o que é uma boa notícia para os bacharéis de Animação.

O que você pode fazer

Colorista: escolher as cores que serão usadas para compor personagens, cenários e tudo mais envolvido no projeto, pensando na beleza plástica do conjunto.

Design de personagem: criar personagens a partir de um roteiro ou briefing definindo suas características, seu figurino, seus movimentos e sua voz.

Direção: coordenar a execução da animação, da escolha da técnica ao planejamento da produção. Definir cenários, sonoplastia, dublagem e edição final do material.

Edição: selecionar e organizar as cenas gravadas para dar continuidade ao filme ou desenho animado de forma a criar uma história completa.

Efeitos visuais: criar animações para serem usadas como efeitos visuais em outros projetos audiovisuais, como filmes, ou elaborar efeitos para serem usados nas próprias animações.

Infografista: criar infográficos animados para revistas, jornais, portais e agências online.

Modelagem 3D: criar cenários e personagens, usando programas que moldam figuras em três dimensões.

Produção: planejar e executar ações para a gravação, desde a contratação de profissionais até captação de recursos, realização de orçamento e cronograma.

Mercado de Trabalho

A animação brasileira está em alta. Especialmente, as séries produzidas para a TV, como Peixonauta, cujas duas temporadas foram vendidas para mais de 90 países e deram origem ao longa Peixonauta, o Filme. O bom momento se deve à lei que obriga os canais de TV por assinatura a terem uma cota diária de produção nacional.

As produções para TV e web são as que mais demandam o bacharel. No cinema, o mercado tende a crescer graças às distribuidoras que começam a trabalhar com a animação nacional.

De 2001 a 2016, chegaram aos cinemas 18 animações brasileiras longas-metragens, mas esse número deve aumentar. “Muitos bacharéis vão trabalhar fora do Brasil após formados”, diz o professor Luis Moraes Coelho, coordenador do curso de Cinema de Animação da UFMG.

Agências de propaganda também oferecem vagas na produção de filmes publicitários. A indústria de games e a área de ensino vêm crescendo, com boas perspectivas para os próximos anos. O bacharel pode ainda trabalhar produzindo animações para sites de empresas e infográficos animados para portais jornalísticos, revistas e jornais.

Curso

O primeiro ano do bacharelado é dedicado a disciplinas gerais na área de artes e design. O aluno estuda semiótica, teoria da animação e cinema, narrativa e linguagem visual, computação gráfica e história da arte.

A partir do segundo ano, as disciplinas práticas entram na grade curricular, como desenho para animação 2D e 3D, edição de vídeo, modelagem, escultura digital, cenários, criação de personagens, edição de som, charge, storyboard e motion design.

Estágio e trabalho de conclusão (geralmente, uma produção de animação), são obrigatórios.

Atenção: algumas instituições oferecem cursos de Produção Audiovisual, Produção Multimídia e Design, com ênfase em animação.

Duração média: 4 anos

Outros nomes: Artes Vis. (cin. de anim.); Cin. de Anim.; Cin. de Anim. e Artes Dig.; Design (anim.); Design de Anim.

O curso tecnológico é oferecido por duas instituições. No Belas Artes (SP), cada um dos quatro semestres é dedicado a um módulo – animação 2D, animação digital, criação de personagem e animação 3D. No Unicuritiba (PR), entre os grandes eixos do curso estão curta-metragem em animação e business e arte em animação.

Duração média: 2 anos.

Outros nomes: Des. de Anim.; Design de Anim.

 

 

Legenda:

Estrelas da Avaliação do Guia do Estudante

★★★★★ - Excelente

★★★★ – Muito bom

★★★ - Bom

CPC – Conceito Preliminar de Curso ① ② ③ ④ ⑤ 

O CPC é o indicador do Ministério da Educação que mede a qualidade dos cursos. Ele varia de 1 (menor valor) a 5 (maior valor). Ele está informado na ficha do curso para todas as graduações que tinham esse indicador disponível (fonte: site do Inep, anos 2014, 2013 e 2012). 

Cifrões – Referem-se às faixas de preço da mensalidade:

$ - Até 500,00 reais

$$ - De 500,01 a 750,00 reais

$$$ - De 750,01 reais a 1.000,00 reais

$$$$ - De 1.000,01 a 1.500,00 reais

$$$$$ - Acima de 1.500,01 reais

n/i - Valor não informado