Assine com até 65% de desconto

Biotecnologia

A Biotecnologia une conhecimentos de biologia e química à informática para atuação nas áreas de alimentos, saúde, química e ambiental

Por Redação Atualizado em 17 ago 2020, 15h06 - Publicado em 12 Maio 2012, 20h11

Biotecnologia é a aplicação de conhecimentos químicos e biológicos em diversas áreas: saúde, de alimentos, química e ambiental. Entre as funções do biotecnólogo, estão a produção de vacinas e de biocombustível, controle de pragas agrícolas e criação de plantas transgênicas.

Ou seja, a biotecnologia é multidisciplinar, porque o profissional precisa entender de biologia, física, estatística, química e informática.

Quem trabalha na área pode se engajar em tarefas variadas. No ramo da pesquisa, o profissional pode se dedicar a descobrir novos tipos e variedades de plantas mais resistentes, estudar a utilização de micro-organismos na produção de bens e produtos úteis ao ser humano, desenvolver maneiras de combater microorganismos e bactérias prejudiciais, pesquisar os efeitos de medicamentos e substâncias químicas em células humanas, estudar o melhoramento genético e o uso de microrganismos na produção de vacinas e medicamentos.

Além disso, pode controlar o crescimento microbiano em indústrias alimentícias e farmacêuticas, atuar na avaliação e prevenção da contaminação do solo e da água, aprimorar técnicas de combate a pragas e doenças nos rebanhos e nas lavouras e desenvolver processos biotecnológicos para o aprimoramento da agricultura.

  • O que você pode fazer

    Agronegócios: aprimorar técnicas de combate a pragas e doenças na lavouras e nos rebanhos.

    Indústria: acompanhar a produção de alimentos e bebidas que levem microrganismos em sua composição, como queijos e cervejas. Estudar novas matérias-primas para a produção de biocombustíveis, trabalhar na genética para tornar a plantação mais eficaz, criar novas formas de fermentação e obtenção de combustível orgânico.

    Meio ambiente: estudar processos biotecnológicos para a recuperação de solos e ao aprimoramento da agricultura. Pesquisar a poluição e a contaminação do ar, da água e do solo por microrganismos e descobrir novos biocombustíveis.

    Saúde: pesquisar o uso de microrganismos na produção de medicamentos e vacinas. Identificar micróbios causadores de doenças em laboratórios de análises clínicas e institutos de pesquisa. Atuar na prevenção, no controle e no combate a infecções hospitalares.

    Mercado de Trabalho

    O mercado para biotécnologos está cada vez mais aquecido. Tanto é assim que, antigamente, biotecnologia era apenas um curso técnico, mas virou bacharelado em faculdades como a USP.

    Um dos mercados com mais potencial é o farmacêutico, responsável, por exemplo, pela produção e venda de antibióticos.

    Outra área promissora é a biotecnologia industrial, encarregada da produção de biocombustível. 

    Há ainda a possibilidade de trabalhar com sustentabilidade, criando métodos de exploração sustentável (ou seja, com intervenção mínima no meio ambiente) para os setores de energia e de alimentação.

    O salário médio do biotecnólogo gira em torno dos R$ 3.480.

    Curso

    A Biotecnologia pode ser estudada em cursos técnicos (de dois anos) ou de graduação com bacharelado (que dura quatro anos).

    No bacharelado, o aluno tem aulas de conhecimentos gerais em química, física, matemática, estatística e informática. Outras disciplinas são mais específicas: bioquímica, biologia celular, biotecnologia vegetal e microbiologia, entre outras.

    A USP, por exemplo, separa seu curso de graduação em cinco eixos temáticos: Técnico-Científico, com matérias como introdução à computação, introdução à biotecnologia, matemática, química e estatística; Meio Ambiente, com geologia geral, evolução biológica, biodiversidade e ecologia; Biomedicina, com genética, bioquímica e fisiologia humana; Humanidades, com ética em pesquisa e desenvolvimento, gestão e psicologia; e Tecnologia, com engenharia bioquímica, bioinformática e mineração de dados.

    Algumas faculdades que têm curso de Biotecnologia reconhecido pelo MEC são Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Faculdade Ciências da Vida (FCV), Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), Universidade Positivo (UP) e Universidade de Sorocaba (UNISO).

    Os cursos de bacharelado em Biotecnologia reconhecidos pelo MEC ainda são raros no Brasil, é verdade. Se não houver um curso de graduação na sua cidade, não desanime! A área é muito ampla e é possível atuar com um curso de pós-graduação ou de especialização.

    As especializações em Biotecnologia podem ser cursadas por quem se formou na área de análises clínicas, medicina veterinária, engenharia, computação e até matemática. 

    Se a ideia é atuar em Biotecnologia, é aconselhável se graduar em um curso de Ciências Biológicas e da Saúde ou de Ciências Exatas.

    Duração média: 4 anos

    LEITURA INDICADA:

    Biotecnologia Aplicada à Saúde: Fundamentos e Aplicações (volume 1), de Rodrigo Ribeiro Resende e Carlos Ricardo Soccol

    Nanotecnologia, Biologia & Novas Ciências, de Edson Gomes de Lima

    Biotecnologia Industrial: Fundamentos (volume 1), vários autores

    Legenda:

    CPC – Conceito Preliminar de Curso ① ② ③ ④ ⑤ 

    O CPC é o indicador do Ministério da Educação que mede a qualidade dos cursos. Ele varia de 1 (menor valor) a 5 (maior valor). Ele está informado na ficha do curso para todas as graduações que tinham esse indicador disponível (fonte: site do Inep, anos 2014, 2013 e 2012). 

    Cifrões – Referem-se às faixas de preço da mensalidade:

    $ - Até 500,00 reais

    $$ - De 500,01 a 750,00 reais

    $$$ - De 750,01 reais a 1.000,00 reais

    $$$$ - De 1.000,01 a 1.500,00 reais

    $$$$$ - Acima de 1.500,01 reais

    n/i - Valor não informado

    Você também pode se interessar por:

    Publicidade