Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Alunos do Mackenzie se revoltam com carta de chanceler que se opõe a lei anti-homofobia

Estudantes desaprovam conteúdo do texto e se sentem "envergonhados" pela universidade; manifestação está marcada para semana que vem

Por por Felipe van Deursen Atualizado em 16 Maio 2017, 13h34 - Publicado em 18 nov 2010, 16h45
 

Vergonha e indignação foram os termos mais usados por alunos e ex-alunos ouvidos pelo GUIA DO ESTUDANTE após a polêmica envolvendo uma autoridade da Universidade Presbiteriana Mackenzie e o projeto de lei anti-homofobia. Na semana passada, uma carta aberta assinada pelo chanceler Augustus Nicodemus Gomes Lopes em que ele se opõe frontalmente à aprovação da lei gerou discórdia dentro e fora dos campi da universidade paulista.

Gomes Lopes representa o Instituto Presbiteriano Mackenzie na universidade. Ele defende na carta que religiões, como a Igreja Presbiteriana (ligada ao Mackenzie), que não aceitam a homossexualidade não podem ser taxadas de homofóbicas porque isso feriria o direito à liberdade de expressão e de credo.

O fato de a carta ter sido divulgada (e depois retirada sem explicação) no site do Mackenzie deu outra dimensão a um texto cujo conteúdo não é novidade. Em 2007 a Igreja Presbiteriana já tinha usado os mesmos argumentos para se opor à lei.

“Minha reação foi de revolta”, lembra Thiago Mattar, estudante de Jornalismo. “É claro que todos temos liberdade de pensar o que quiser sobre orientação sexual com base na religião, mas nenhum posicionamento religioso tem poder num Estado laico”. Thiago está organizando um manifesto público contra a posição do chanceler, marcado para a próxima quarta-feira (24), na universidade. “Não sou homossexual, acho que muitos não se posicionam publicamente a esse respeito porque têm medo. Entende? Medo. Isso reforça a postura conivente com o assédio moral. Tenho colegas homossexuais, acho que todos têm, não? É normal”, diz.

Maíra Xavier, também estudante de Jornalismo, acredita que a manifestação servirá “para que as pessoas saibam que nós alunos não concordamos com o que foi publicado na carta”. Chocada, Isabelle Alegro, colega de Maíra, acha errado misturar política e religião. “Ainda mais em uma universidade, onde há uma enorme diversidade de pessoas”, endossa.

A advogada Deborah Facco, formada pela universidade no ano passado, disse ter sentido uma “profunda vergonha”. “Ela, que evita rótulos para se descrever e se diz simpatizante da causa LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transsexuais), cita o orgulho tão propagado pelos alunos que passaram pelos bancos da universidade. “Estudar lá é mais que querer aprender, é uma paixão. Desde cedo aprendemos que, uma vez mackenzista, sempre mackenzista. Então, é com muito pesar que digo que, pela primeira vez, sinto vergonha de ser mackenzista”, desabafa.

HOMOFOBIA
“Não é só no Mackenzie, em qualquer lugar tem homofobia”, diz Isabelle. Nenhuma das outras pessoas entrevistadas, no entanto, disse ter visto alguma manifestação homofóbica no Mackenzie. “Até a [publicação da] infeliz carta”, lembra Deborah. “O chanceler em nada representa o real corpo pensante dessa instituição”, diz Thiago. “Preconceito velado existe em todas as universidades. Mas depois dessa atitude arbitrária do chanceler a imagem que se passa da instituição é que continuamos a ser aquele reduto de caça-comunistas e patrulheiros ideológicos do período da ditadura militar”.

Para o estudante, no campus “o clima é de tensão e revolta”. Na internet, Deborah diz que a situação começa a assustar. “Nos grupos de discussão do Mackenzie há comentários que estão passando dos limites. Estão calorosos, de um lado os que defendem a carta acusam os homossexuais de preconceito contra a religião e de outro os que acusam o Mackenzie de instituição homofóbica”, diz.

Continua após a publicidade

“A universidade se chama Universidade Presbiteriana Mackenzie, para mim é óbvio que uma carta assinada pelo chanceler é de responsabilidade do Mackenzie”, contesta Deborah. A universidade manifestou, em nota, na última terça (16), que as opiniões do chanceler representam somente a Igreja Presbiteriana. “Definitivamente, o Mackenzie se queimou”, diz a ex-aluna.

O GUIA tentou entrevistar o chanceler, mas o Mackenzie informou que só se manifestará a respeito por meio da nota oficial.

VESTIBULANDOS
Para os inscritos, especialmente os homossexuais, no vestibular do Mackenzie, que será realizado em 13 de dezembro, os possíveis veteranos têm um recado:

“Não se deixem levar por um documento. Os alunos são a favor da lei. Aqui tem infraestrutura, nome, as pessoas são amigas. Me orgulho de ser mackenzista” – Isabelle Alegro, 20 anos

“Não desistam de entrar no Mackenzie por isso. Vocês não serão maltratados nem menosprezados. Aqui é um bom lugar para estudar” – Maíra Xavier, 20 anos

“As portas estão abertas a todos. Alunos e professores receberão todos da mesma forma, com respeito e amizade. Nossa lei maior é a da convivência pacífica” – Thiago Mattar, 22 anos

“Não se deve pagar preconceito com preconceito. Se pensam em estudar no Mackenzie, que prestem o vestibular e vençam. Entrem e se imponham. Dinheiro não tem raça, credo, sexo. Na hora de pagar eles aceitam o cheque de todos” – Deborah Facco, 26 anos

LEIA MAIS
notícias de vestibular e Enem

Leia mais:
– ‘Beijaço’ gay da UnB vira bate-boca com defensores do ‘orgulho hétero’
– "ECA é conhecida pela diversidade", diz vice-presidente da Atlética
– Jornalzinho da USP incita a jogar fezes em gays; aluno foi alvo de latinhas de cerveja
– Ensino religioso no Brasil estimula homofobia e exclui religiões não cristãs, diz livro
– Gays estudam mais que heterossexuais, sugere pesquisa do Ministério da Saúde

Continua após a publicidade

Publicidade