logo-ge

Pesquisa aponta que EaD pode superar ensino superior presencial até 2023

Estudo revela também que estudantes estão inseguros quanto à aceitação da modalidade pelo mercado de trabalho

Com mensalidades mais baixas e maior autonomia oferecida para organizar os horários de estudos, a educação a distância vem ganhando cada vez mais adeptos no ensino superior.

Uma pesquisa divulgada em maio pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) mostra que o ensino a distância tem crescido mais do que o presencial e, se continuar nesse ritmo, deve ultrapassá-lo: estima-se que 51% dos estudantes matriculados no Ensino Superior recorrerão à EAD até 2023, contra 49% dos que optarão por salas de aula tradicionais.

Além disso, dos 1.012 entrevistados, 44% optariam neste momento pela EAD, frente aos 56% que ainda preferem o ensino presencial.

Quando perguntados se aceitariam o ensino superior a distância caso parte das matérias fosse dada presencialmente, o índice de aceitação aumenta para 93%. 

Veja na tabela abaixo os detalhes do perfil e o comparativo dos estudantes que mais buscam a EAD e o ensino presencial, segundo a pesquisa:

EAD PRESENCIAL
67% têm mais de 30 anos 53% têm até 30 anos
83% trabalham 76% trabalham
25% são das classes sociais A ou B 33% são da classe social A ou B
75% estudaram em escolas públicas 64% estudaram em escolas públicas
25% estudaram em escolas particulares 36% estudaram em escolas particulares

O maior receio dos entrevistados em relação à EAD diz respeito às chances no mercado de trabalho. Entre aqueles que não cursariam a modalidade nem mesmo caso ela oferecesse matérias presenciais, 62% apontaram o medo de não conseguir emprego ou de ser barrado nas entrevistas.

Para Celso Niskier, vice-presidente da ABMES, esse receio tende a ser combatido com o tempo: “Conforme mais estudantes forem se formando na modalidade, mais o desempenho dos profissionais será equivalente”, afirma. 

Hoje, as matrículas no ensino a distância no Brasil correspondem a 18,6% dos estudantes matriculados no Ensino Superior. A pesquisa ainda aponta que a região Nordeste é a que mais concentra inscrições na modalidade. Os cursos mais procurados são os da área de Educação.