Guia do Estudante

Veja os quatro grandes temas na redação do Enem e vestibulares

Paulo Montoia | 29/07/2016

Sabe aquela prova de redação em que você não se deu tão bem? Pois achamos que sabendo a que grupo de temas ela pertence você pode descobrir se o problema é o seu domínio ou desenvoltura naquele grupo de temas a que ela pertence. Lendo mais a respeito dos temas de cada grupo, e praticando, você poderá melhorar. Eis os quatro grupos definidos em uma palavra central, que a seguir desenvolveremos:

1 – Indivíduo; 2 – Sociedade; 3 – Meio Ambiente, 4 – Tecnologia e mundo virtual.

Os grupos foram definidos em entrevistas com professores e coordenadores de redação dos cursinhos Anglo, Etapa, Intergraus e Politécnico (São Paulo), pH (Rio de janeiro), Pitágoras (Belo Horizonte) e Positivo (Curitiba), ao longo de diferentes edições. Nos últimos dez anos o grupo 3 está em baixa e o grupo 4, em alta. Veja os grupos, com 18 provas importantes e seus linques para ver a coletânea em cada uma.

Nossa sugestão para aproveitar bem esta matéria: ao encontrar um tema desafiador, baixe a prova, leia a coletânea e tente definir uma tese com um argumento em um parágrafo. E aí, vai encarar?

GRUPO 1 – Temas com foco inicial no próprio indivíduo
Amizade, felicidade, sofrimento, altruísmo, solidariedade, valores morais, escolha da profissão.

giphy

AMIZADE: Tema de diferentes provas recentes!

Fuvest 2011
O altruísmo e o pensamento a longo prazo ainda têm lugar no mundo contemporâneo?
Baixe o pdf desta prova!

UnB 2014
Viagem a Marte sem volta: possíveis motivos que levam pessoas a querer participar dessa viagem.
Baixe o pdf desta prova

 

GRUPO 2 – A relação do indivíduo com os outros
Temas sociais como direitos civis, violência, imigração, pobreza, trabalho,
corrupção, consumismo, inclusão social.
Este grupo é o que concentra temas das provas do Enem.

Enem 2014
Publicidade infantil em questão no Brasil.
Baixe o pdf desta prova

Enem 2012
O movimento imigratório para o Brasil no Século XXI
Baixe o pdf desta prova

Fuvest 2015
“Camarotização” da sociedade brasileira: a segregação das classes sociais e a democracia.
Baixe o pdf desta prova

Fuvest 2012
Participação política: indispensável ou superada?
Baixe o pdf desta prova

PUC-Rio 2015
Como, na sua concepção, “os indivíduos são levados a formular princípios que devem valer tanto para eles como para os outros”, em nossos dias?
Baixe o pdf desta prova

PUC Minas 2015-2 Prova dos cursos tecnólogos
O impacto da publicidade na formação de crianças e jovens.
Baixe o pdf desta prova

 

GRUPO 3 – A relação humana com o ambiente natural
Assuntos como desmatamento, biodiversidade, sustentabilidade ambiental, efeito estufa, desastres naturais.

água calma 200

ÁGUA E MEIO AMBIENTE Um dos temas presentes no grupo 3, que abrange saneamento básico, poluição, desenvolvimento sustentável e outros

UFSC 2011
As reações humanas a enchentes e secas [exige a leitura de obras específicas e obrigatórias da prova]
Baixe o pdf desta prova

Unicamp 2011
As enchentes e o poder público
Baixe o pdf desta prova

UFSM (RS) (PAS) 2011
A humanização de animais de estimação.
Baixe o pdf desta prova

 

GRUPO 4 – As relações do indivíduo e do mundo real com o mundo tecnológico e virtual
Privacidade nas redes sociais, direito ao esquecimento na rede, suspensão de serviços públicos como Whatsapp e Facebook motivadas por leis locais em um mundo globalizado, legislação sobre crimes virtuais, impactos da realidade aumentada, trabalho remoto on-line, sexualidade virtual, mobilizações civis pela rede,
desafios da economia colaborativa (Uber, Lifty e Airbnb), bitcoins.

Simpsons giphy

Lisa Simpson surfa na internet. O acesso das crianças a páginas da internet para adultos é foco de debates no mundo


Esse grupo de temas está em crescimento, cai cada vez mais nas provas de redação. Foram os casos, por exemplo, da prova 2015 da Universidade Federal de Santa Maria (Juventude conectada – evolução ou problema social?) e da UFRGS no mesmo ano (Amizades e conexões virtuaisNa sua opinião, o que é a amizade nos dias de hoje?) e em 2016 (O livro na era da digitalização do escrito e da adoção de novas ferramentas de leitura.). Observe que o tema amizade, por si só, pertence ao grupo 1; outros abaixo, como economia colaborativa, pertencem ao grupo 2.

Os temas do grupo 4 na verdade são novos recortes de abordagem dos temas dos demais grupos, mas é preciso ter cuidado para não cair no “ladrão de cena” – quando o foco da proposta de redação não é a tecnologia exatamente. Porém, consideramos que esses recortes exigem do candidato familiaridade com os desafios do mundo digital e globalizado para gerar argumentos consistentes de texto. Veja a seguir alguns exemplos, com linque para as provas e suas coletâneas.

Enem 2011
Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado.
Baixe o pdf desta prova

Fuvest 2008

net giphy

INTERAÇÃO: O mundo digital está alterando o mundo real

Cultura na rede, verdades e idiotices no mundo digital.
Baixe o pdf
desta prova

PUC Minas 2016
Os desafios da leitura digital: entre o excesso de informação e a produção de conhecimentos.
Baixe o pdf desta prova

Unifev – Centro Universitário de Votuporanga (SP) 2º Sem 2016
A quebra de sigilo na internet em casos de investigações criminais é mais importante que a privacidade dos usuários?
Baixe o pdf desta prova

Unicamp 2012
Escolas monitoram o que o aluno faz em rede social.
(tema com provas comentadas pela banca)
Baixe o pdf desta prova

ESPM 2015
Tema 1 -No Brasil, a tecnologia do livro digital favoreceria o aumento de leitores em relação ao existente hoje, no meio impresso?
Tema 2 – Quais são os impactos da economia colaborativa ou compartilhada (Uber, Lifty e Airbnb) na economia formal?
Baixe o pdf desta prova

Esperamos que você tenha gostado \o/!

 

Imagens: Giphy 

 

Compartilhe

Análise de redação: Rio 2016 – O legado olímpico

Ana Lourenço | 26/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “Rio 2016: O legado olímpico”. Leia abaixo uma das redações enviada por um de nossos leitores e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Olimpíadas Rio
Imagem: Getty Images

Grandes eventos esportivos, como as Olímpiadas, sempre atraíram grande atenção do público. Em 2016, o Brasil foi escolhido para representá-la. No entanto, a luxuosidade do evento se contrasta com as precárias condições sociais passadas pelos cidadãos e o crescente desgaste ambiental, provocando protestos das mais diversas camadas sociais.

Nas últimas semanas, a dívida acumulada levou o Rio de Janeiro a decretar estado de calamidade pública. No entanto, vultosas quantidades de dinheiro foram destinadas para os Jogos Olímpicos, tornando o evento desse ano como um dos mais caros na história. Isso ocasiona menor investimento público em setores essenciais à vida social, como o da saúde, educação e segurança, afetando principalmente a comunidade carente, que não possui recursos para atendimentos eficazes em redes privadas.

Diante disso, grande parte da população se mostra revoltosa. Vê-se, principalmente em redes sociais, reuniões entre grupos populacionais que têm como objetivo apagar a tocha, à medida que ela percorre o país, que dialoga com a recente manifestação de policiais ocasionada pela falta de pagamento e de estrutura, destaque nos grandes jornais internacionais. Essas medidas têm por objetivo chamar a atenção da mídia para os problemas socioeconômicos por que passa a atual população brasileira.

Essa indignação também afeta grandes esportistas internacionais, vista na recente recusa de virem ao Brasil em razão da precária situação ambiental passada pela cidade sede, sobretudo revelada na poluição marinha. Esse problema, provocado pelo despreparo estadual na gestão de recursos, agravar-se-á devido à grande quantidade de resíduos provenientes de pessoas atraídas pelos jogos, podendo provocar problemas irreversíveis ao ecossistema marinho.

Diante disso, é necessário entender que o país tem outros desafios a vencer, como a baixa escolaridade média, a falta de creches e a grande crise político-financeira que atinge a todos os habitantes. A vinda das Olímpiadas apenas resultará no repasse de verbas para a manutenção e funcionamento do evento e na dissimulação da real situação brasileira pela massa informacional.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, Educação inclusiva, até domingo (31). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema Rio 2016: O legado olímpico. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Fuga ao tema, desrespeito aos direitos humanos e descumprimento do gênero dissertativo-argumentativo podem anular a redação do Enem. Não cometa esse erro!

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Análise da redação do aluno:

O estudante deve ficar atento e não deixar de elaborar a proposta de intervenção. É importante também que ele revise as características do gênero argumentativo para saber o que escrever em cada parte e os elementos de coerência e coesão para estruturar e organizar bem o texto.

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: O estudante cometeu alguns desvios ortográficos que devem ser evitados.

Exemplo: “Isso ocasiona menor investimento público em setores essenciais à vida social, (1) como o da saúde, educação e segurança, (2) afetando principalmente a comunidade carente, que não possui recursos para atendimentos eficazes em redes privadas.”

(1) Sempre que destacar, enumerar um elemento ou sequência, usa-se os dois pontos, vírgula ou travessão.

(2) O verbo no gerúndio é para expressar ação simultânea, não ação sequencial. O modo verbal que prevalece no discurso é o presente do indicativo e o pretérito, para relacionar fatos do argumento. Não deixe de estudar as características do gênero argumentativo.

Exemplo: “Diante disso, grande parte da população (3) se mostra revoltosa.”

(3) O correto é: mostra-se. É importante estudar as regras de colocação pronominal: ênclise, próclise e mesóclise.

Exemplo: “Essa indignação também afeta grandes esportistas internacionais, vista na recente recusa de virem ao (4) Brasil em razão da precária situação ambiental passada pela cidade sede, sobretudo revelada na poluição marinha.”

(4) Sempre que um período for composto por coordenação ou subordinação usamos a vírgula entre as orações ou conjunção se for o caso. Para identificar a oração, localize o verbo ou a locução verbal, pois formam o núcleo da oração.

Exemplo: “Esse problema, provocado pelo despreparo estadual na gestão de recursos, agravar-se-á devido à grande quantidade de resíduos provenientes (5) de pessoas atraídas pelos jogos, podendo provocar problemas irreversíveis ao ecossistema marinho.”

(5) “[…] que serão atraídas […]” Quando a ação é hipotética, usa-se o modo verbal no subjuntivo.

Competência II – Compreender a proposta: O parágrafo de introdução é uma breve apresentação sobre o tema. É importante fazer a contextualização, usando um fato histórico, citação de autoridade de conhecimento. Mas também é importante expor o ponto de vista, a tese que será defendida ao longo do texto deve ficar explícita na introdução.

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos:

Exemplo: “Nas últimas semanas, a dívida acumulada levou o Rio de Janeiro a decretar estado de calamidade pública. No entanto, vultosas quantidades de dinheiro foram destinadas para os Jogos Olímpicos, tornando o evento desse ano como um dos mais caros na história.”

– Sempre que defender o ponto de vista na argumentação procure citar exemplos de fatos concretos, dados estatísticos, retirados de fontes sérias que validem o argumento. Como a prova do Enem cobra temas da atualidade é muito importante que você leia jornais, revistas ou sites de notícias. Isso irá te ajudar muito na hora da construção de seus argumentos. Deve-se evitar argumentos óbvios, desgastados. Também é necessário trazer uma provocação ao debate.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: Para evitar repetição de ideias, palavras. Sempre que precisar retomar ou antecipar uma palavra, ideia dentro do argumento, recorra a um elemento de coesão (pronomes, conjunções, pronomes, advérbios etc). Esses conectivos têm por função evitar repetições que comprometem a qualidade do texto. Veja nossa dica sobre coesão e coerência.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema:

O parágrafo de conclusão é para apresentar uma solução para o problema abordado nos argumentos anteriores. Como mudar essa situação? Quem e como poderá mudar? Quem será o público-alvo dessa intervenção? Ao responder a essas questões, você estará apresentando a solução efetiva para o problema. Não deixe de apresentar uma proposta de intervenção e lembre-se: sua proposta precisa respeitar os direitos humanos.

Nota: 720

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: Educação inclusiva. Você pode enviar seu texto até domingo (31).

Comentários: nenhuma pessoa comentou

Categoria: Correção, Redação

Compartilhe

Nova proposta de redação: Educação inclusiva

Ana Lourenço | 24/07/2016

Tem proposta nova de redação no blog! O tema é A realidade da escola inclusiva no Brasil. Você pode enviar o seu texto até o próximo domingo (31).

educação inclusiva

Para participar, você deverá criar um perfil de usuário na plataforma Imaginie, selecionar a proposta da semana e seguir as instruções para o envio da redação diretamente pelo site. Os primeiros a se cadastrarem por meio desse link terão direito a uma correção, sempre feita por dois ou mais professores, seguindo os mesmos critérios do Enem. O Guia do Estudante vai distribuir entre 50 e 250 correções gratuitas semanalmente.

Ao longo da semana seguinte, o blog publicará algumas das correções. Lembrando: toda semana teremos proposta nova e exemplos de redações corrigidas.

>> 3 erros comuns nas redações

ATENÇÃO: Para que sua redação seja publicada no blog, é preciso desenvolver a proposta correspondente à semana em curso! Ou seja, para os textos enviados até domingo (31), a proposta deve ser a que está descrita abaixo.

Veja as instruções do tema da semana:

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma-padrão da língua portuguesa sobre o tema: A realidade da escola inclusiva no Brasil. Apresente experiência ou proposta de ação social que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I

A nova legislação, chamada de Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, garante condições de acesso à educação e saúde e estabelece punições para atitudes discriminatórias contra essa parcela da população.

Hoje no Brasil existem 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência. A lei foi sancionada pelo governo federal em julho e passa a valer somente agora, 180 dias após sua publicação no Diário Oficial da União.

Um dos avanços trazidos pela lei foi a proibição da cobrança de valores adicionais em matrículas e mensalidades de instituições de ensino privadas. O fim da chamada taxa extra, cobrada apenas de alunos com deficiência, era uma demanda de entidades que lutam pelos direitos das pessoas com deficiência.

Quem impedir ou dificultar o ingresso da pessoa com deficiência em planos privados de saúde está sujeito a pena de dois a cinco anos de detenção, além de multa. A mesma punição se aplica a quem negar emprego, recusar assistência médico-hospitalar ou outros direitos a alguém, em razão de sua deficiência.

Disponível em: <http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/estatuto-da-pessoa-com-deficiencia-entra-hoje> Acesso em 20 jul 2016.

TEXTO II

A Constituição Brasileira, de 1988, prevê o direito universal à Educação em seu artigo 208. O Estatuto da Criança e do Adolescente, de 1990, garante o mesmo. Em 1996, a Lei de Diretrizes e Bases (Lei 9394/96) definiu regras a respeito da inclusão escolar, que foram reforçadas pela Política Nacional de Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, publicada em 2007. Todos esses passos foram dados em direção a uma educação a que todos tenham acesso, independentemente de dificuldades físicas e intelectuais – e de qualquer outra natureza.

“Não há como dissociar a inclusão educacional da social”, afirma a psicopedagoga Mary Lopes Frizanco, de São Bernardo do Campo (SP), lembrando que a exclusão escolar no Brasil também atinge os pobres e outros grupos vítimas de preconceito. “As escolas tiveram o prazo de 10 anos, dado pelo MEC, para se adaptar à realidade da inclusão. Esse período acabou em 2010, mas ainda estamos caminhando nesse sentido”, pondera a especialista em educação especial.

[…]

Aceitar alunos com dificuldades de aprendizado é uma coisa; garantir a eles o real acesso ao conteúdo é outra. Em outras palavras, a inclusão na prática é diferente da do papel. “Dar a vaga porque existe a lei não é suficiente”, ressalta a psicopedagoga Sheila Pinheiro, lembrando que, a partir do momento em que a escola recebe uma criança com deficiência, todos, do porteiro ao diretor, têm de participar do processo de inclusão. “A diferença deve ser aceita com naturalidade, afinal, todos somos singulares”, argumenta Mary Lopes.

Disponível em: <http://educarparacrescer.abril.com.br/comportamento/inclusao-mundo-melhor-736661.shtml> Acesso em 20 jul 2016.

TEXTO III

Aplicativo gratuito auxilia crianças com deficiência

“Todas as crianças aprendem no dia a dia, brincando, participando das atividades de vida diária, em casa, na escola, em diversos ambientes. No caso de uma criança com deficiência é da mesma forma, mas esse aprendizado muitas vezes precisa de orientações e um acompanhamento especializado”, defende.

Foi com essa proposta que ele criou o app Minha Rotina Especial, lançado em 2015. A ideia era criar um software de baixo custo, instalado num aparelho que as crianças já estão habituadas, com informações personalizadas para ajudar em sua organização antes da tarefa e visualização posterior para relembrar o que foi feito, ajudando a reforçar o aprendizado. A proposta também era que os cuidadores, os profissionais de educação e reabilitação pudessem acompanhar o desenvolvimento das crianças com deficiência, personalizando orientações, compartilhando relatórios e objetivos para as crianças com deficiência nas atividades diárias.

Disponível em: <http://exame.abril.com.br/negocios/dino/noticias/aplicativo-gratuito-auxilia-criancas-com-deficiencia.shtml> Acesso em 20 jul 2016.

TEXTO IV

Até que, em 2008, após anos de debates, a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva acabou com a escolha entre ensino regular e especial.

A nova política começou a mudar os padrões ao definir com clareza como deve ser oferecida a Educação para todos os que têm deficiência. Não por acaso, nesse mesmo ano, pela primeira vez, o número de alunos com necessidades especiais no ensino regular superou o de matriculados em salas especiais.

ensino regular educação especial

Disponível em: <http://novaescola.org.br/formacao/inclusao-ensina-511186.shtml?page=1> Acesso em 20 jul 2016.

Compartilhe

Análise de mais uma redação: A persistência do racismo

Ana Lourenço | 22/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “A persistência do racismo na sociedade brasileira”. Já publicamos a primeira correção de um dos textos enviados pelos nossos leitores, que você pode acessar aqui. Leia agora a segunda redação e, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

marcha-genocidio-povo-negro
Marcha Nacional contra o Genocídio do Povo Negro (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Herança da escravidão

A escravidão negra no Brasil deixou marcas profundas na sociedade que persistem até hoje, visto que perseguições contra negros nas redes sociais e nas ruas são comuns, outro retrato desse racismo persistente é a marginalização do negro no país.

Em julho de 2015 a jornalista Maria Júlia, do Jornal Nacional, foi atacada através das redes sociais com comentários racistas na ocasião uma grande mobilização foi feita no país, mas infelizmente a situação se repete todos os dias com anônimos que não recebem a mesma atenção e seus agressores saem impunes graças ao suposto anonimato que a internet oferece. 

O racismo no Brasil vai além de ofensas discriminatórias do dia a dia sabendo que nem todos tem a coragem de dizer o que pensam. Após a assinatura da Lei Áurea, em 1888, o negro foi jogado de lado a margem da sociedade e teve que lutar muito para conquistar seu espaço. Cerca de 60% da população carcerária no país é negra, dados como esse revelam as dificuldades que os mesmos enfrentam no acesso à educação, saúde e a moradia de qualidade.

Desse modo, deve se instituir como pena que aqueles que forem flagrados profanando ofensas raciais a prestar serviço comunitário em comunidades carentes, de maioria negra para os mesmos verem que não há diferença nenhuma e são todos seres humanos. Além disso, campanhas de conscientização devem ser feitas nas escolas infantis para educar crianças desde pequenas contra o racismo.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, Rio 2016: O legado olímpico, até domingo (24). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema A persistência do racismo na sociedade brasileira. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Fuga ao tema, desrespeito aos direitos humanos e descumprimento do gênero dissertativo-argumentativo podem anular a redação do Enem. Não cometa esse erro!

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Análise da redação do aluno:

É importante que o estudante treine a argumentação e gramática. Revisar as características do gênero dissertativo-argumentativo e o que escrever em cada parte (introdução, desenvolvimento e conclusão) também é essencial para não prejudicar a estrutura do texto. Antes de redigir, faça tópicos do que irá abordar, assim fica mais fácil fazer a encadeação das ideias. E, por último, estudar mais coerência e coesão textual, pois são importantes na organização dos argumentos.

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: O estudante cometeu alguns desvios ortográficos que devem ser evitados.

À margem: todas as locuções adverbiais femininas recebem acento indicador de crase.
Têm x tem: tem (acompanha sujeito na terceira pessoa do singular), têm (acompanha sujeito na terceira pessoa do plural).
Proclamar x Profanar: Proclamar (declarar em voz alta publicamente), profanar (violar algo que é sagrado).

Competência II – Compreender a proposta: O parágrafo de introdução é uma breve apresentação sobre o tema. É importante fazer a contextualização, usando um fato histórico, citação de autoridade de conhecimento. Mas também é importante expor o ponto de vista: a tese que será defendida ao longo do texto deve ficar explícita na introdução.

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos:

Sobre a argumentação dos casos de racismo na internet (2° parágrafo): Sempre que defender o ponto de vista na argumentação, procure citar exemplos de fatos concretos, dados estatísticos, retirados de fontes sérias que validem o argumento. A argumentação deve ser pautada na consequência do tema e não na causa.

Ao redigir sobre um tema, faça pesquisa em fontes variadas de informação, isso refletirá na qualidade da argumentação. Deve-se evitar argumentos óbvios, desgastados. É importante trazer uma provocação ao debate.

Sobre a argumentação na proposta de intervenção (4° parágrafo): Sempre que apresentar um argumento, deve-se fazê-lo de modo imparcial, não é correto expor a opinião direta ou subjetiva do emissor (quem escreve).

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação:

Para introduzir os argumentos é necessário conhecer os elementos de coerência que irão ajudar a organizar tópicos frasais, transformar ideias em argumentos. O 3° parágrafo, por exemplo, deveria vir primeiro, sendo que aborda numa sequência a causa do racismo, e o parágrafo que exemplifica essa exposição viria depois. Faltou uma sequência linear na disposição dos argumentos.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema:

O parágrafo de conclusão é para apresentar uma solução para o problema abordado nos argumentos anteriores. Como mudar essa situação? Quem e como poderá mudar? Quem será o público-alvo dessa intervenção? Ao responder a essas questões, você estará apresentando a solução efetiva para o problema.

Nota: 720

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: Rio 2016 – O legado olímpico. Você pode enviar seu texto até domingo (24).

Compartilhe

Análise de redação: A persistência do racismo

Ana Lourenço | 20/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “A persistência do racismo na sociedade brasileira”. Leia abaixo uma das redações enviada por um de nossos leitores e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

racismo-brasil-marcha-mulheres
Marcha das Mulheres Negras Contra o Racismo (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

No Brasil, desde a colonização, há um processo de sincretismo, em que a cultura da nação sofre influência africana, europeia e indígena. Entretanto, devido ao eurocentrismo – grande valorização e hegemonia das tradições e das características do povo europeu – e ao papel do português como colonizador há, até hoje, uma exaltação de tudo que vem do branco e desprezo e preconceito pelo que é de origem negra, tornando um país de fortes influências africanas, racista, que mesmo ciente de tal flagelo, permanece excludente ao longo dos séculos.

Com o passado histórico brasileiro demarcado pela opressão étnica, o racismo, gerador de violência, ódio e discórdia, tornou-se um fator cultural de extrema prevalência no país e, por isso, deve ser urgentemente, combatido. Segundo Nelson Mandela: “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar”. A partir dessa afirmação de um dos símbolos da luta contra a segregação de raças, há a comprovação de que a grande questão do preconceito é que valores de aversão à diversidade são doutrinados na sociedade e, para reverter a atual situação, é necessária uma mudança educacional que promova a igualdade e a harmonia.

Em virtude dessa discriminação amplamente difundida, a sociedade brasileira, em sua maioria, demonstra uma certa ojeriza pela produção cultural negra e pela estética da etnia, o que é explícito e reforçado pela mídia. Nos meios de comunicação de massa, como o cinema, a televisão e a internet, é visível a falta de espaço para a produção de origem afrodescendente e a ausência de papéis – principalmente de protagonistas – em filmes, séries e novelas para atores negros. Contudo, quando existem personagens disponíveis, são usados para a construção de estereótipos preconceituosos, a exemplo de negros retratados como criminosos ou trabalhadores de subempregos.

Fica evidente a necessidade de ação para a mudança do atual contexto de desigualdades entre raças, que continua assolando o país. Portanto, o Ministério da Educação deve realizar a inserção de tópicos fundamentais no currículo escolar para a formação cidadã, de modo a introduzir o estudo da história dos povos africanos – essencial para o entendimento da construção sincretista brasileira – e também deve ser discutido nas aulas de Sociologia a importância do negro na sociedade e o seu legado cultural. Além disso, o Ministério da Cultura deve usar de seus recursos para ampliar o incentivo à produção artística afrodescendente, que por meio de discussões inovadoras e personagens diferenciados, promova a diversidade da cultura e a desconstrução da imagem estereotipada que difama o negro.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, Rio 2016: O legado olímpico, até domingo (24). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema A persistência do racismo na sociedade brasileira. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Análise da redação do aluno:

O estudante compreendeu bem o tema. O texto seguiu o tipo dissertativo cobrado no Enem, e o autor usou argumentos pertinentes que ratificaram o seu ponto de vista.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: A redação foi desenvolvida de acordo com a norma culta e não houve nenhum desvio ortográfico grave que comprometesse o texto.

Competência II – Compreender a proposta: Compreendeu a proposta e elaborou uma boa introdução, contextualizando bem o tema e o ponto de vista.

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos: Soube selecionar os argumentos. Citou o ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, que é um ícone da luta pela igualdade racial. Além de apontar como a mídia influencia na criação de estereótipos dos negros.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: As frases foram compostas coerentemente e o texto segue uma ordem lógica.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: Apresentou boas propostas de intervenção (que não fugiram ao que foi abordado no texto), mostrando que a valorização e o conhecimento do legado cultural produzido pelo negro podem ajudar no combate ao racismo.

Nota: 900

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: Rio 2016 – O legado olímpico. Você pode enviar seu texto até domingo (24).

Compartilhe

5 formas de melhorar sua letra para a redação do vestibular

Paulo Montoia | 19/07/2016

dificil de entender

Sua letra é apenas razoável e podia ser melhor? Ou é garrancho puro? Quando publicamos um post sobre desastres de escrita em provas de redação, muito leitores nos pediram ajuda para melhorar a letra. Afinal, uma escrita indecifrável pode prejudicar sua nota no vestibular.

Há grande número de dicas disponíveis por aí, mas triamos e separamos as que nos pareceram as melhores. Tenha em mente que, assim como a preparação para o vestibular exige que façamos regularmente exercícios de matemática, de biologia, de química etc., também pode ser necessário fazer exercícios para a caligrafia, que é a sua ferramenta para a redação e as provas dissertativas. Além disso, uma caligrafia melhor acompanhará você por toda a vida, e não apenas nas provas. Lembre-se de que não é proibido escrever com letras de forma, se for o seu caso.

1 – Selecione sua ferramenta e adeque o espaço

Vale a pena experimentar diferentes tipos de canetas para descobrir a que produz o melhor resultado para a sua letra (não é apenas a que você mais gosta, ok?). Algumas deslizam mais facilmente, produzem registro mais fino ou mais espesso, têm pegada melhor ou pior etc. Se no seu caso o melhor é lápis, vá de lápis mesmo: aprimore a caligrafia antes, volte para a caneta depois. O local em que vai escrever é muito importante: precisa ter espaço adequado para apoiar os braços, e também para o papel: tendo acertado a posição do braço e da mão, o melhor não é descer a mão para cada linha abaixo, porque você entorta o punho: é melhor deslizar a folha para cima!

2 Escreva no ar, na vertical

Isso mesmo: vamos escrever no ar. Ao substituir o suporte horizontal – a mesa – pelo vertical, esse exercício ataca de frente três aspectos importantes:

– Ensina você a perceber que a mão não escreve sozinha: o ombro e o braço conduzem a mão em cada movimento! São os movimentos que você precisa aperfeiçoar para melhorar sua caligrafia;

– Solta a sua letra quando ela é amarrada, presa, principalmente para quem segura a caneta com muita força;

– Ajuda você a identificar problemas nas “laçadas” (as passagens de uma letra para a letra seguinte).

Preferencialmente em pé, com o braço de escrita levemente flexionado, escreva no ar palavras e frases com letras bem grandes. Ao fazer isso, observe o movimento de seu ombro e do braço. A intenção é que você perceba e incorpore a existência deles no ato de escrever, e diminua a pressão que faz mentalmente, e fisicamente, sobre a sua mão. Fique atento especialmente às junções das letras (as laçadas) ou em letras que você considera feias ou não muito bonitas. Tente mudar a forma de escrever suas “letras-problema” e suas laçadas imperfeitas.

Avise a seus pais que você não está louco. Explique que é apenas “Mal de Enem”!

giphy esganando a caneta

Segurar a caneta com muita força dificulta escrever!

3  Aperfeiçoe

Nas práticas seguintes, vá diminuindo o tamanho das letras que você escreve no ar, observando os mesmos aspectos. Se preferir, escreva em uma lousa, seguindo as mesmas diretrizes.

4 Busque o domínio de movimentos e formas

No ato da escrita, segure a caneta ou o lápis levemente e procure fazer os traços percebendo que deve conduzir com o braço os movimentos da mão. Procure não forçar a caneta sobre o papel como quem quer assassiná-lo! Em um caderno pautado, faça traços verticais sequencialmente enchendo as linhas pautadas: na vertical em alguns blocos, inclinados para um lado e para o outro em outras séries. Tente manter a retidão dos traços e a distâncias entre eles. Faça o mesmo com sequências de círculos (como molas) para ganhar domínio do movimento. Esses exercícios ajudam a domar os traços retos e curvos que foram as letras. Alguns sites sugerem que você, além disso, comece a escrever já as letras no papel em tamanho maior, e ir diminuindo até o tamanho usual da sua letra.

Setima

Pratique traços retos e circulares para melhorar a forma das suas letras e os espaçamentos

5 Treino divertido com pangramas

Pangramas são frases curtas utilizando todas as letras de uma língua. Algumas são bastante doidas, como você verá aqui. Ao praticar com pangramas a pessoa treina todas as letras ao mesmo tempo. A mais famosa é em inglês (The quick brown fox jumps over the lazy dog – a rápida raposa marrom pula sobre o cachorro preguiçoso). Com a entrada em vigor da Reforma Ortográfica, começaram a ser criados pangramas incluindo o “k” e o “y”. Também há outros com a cedilha e todos os acentos. Mas você também pode praticar com qualquer texto, principalmente fazendo dissertações como as das propostas que oferecemos semanalmente aqui neste blog do site do Guia do Estudante (veja a desta semana).

Pangramas para praticar

Imagem nona00019

Blitz prende ex-vesgo com cheque fajuto. (33 letras)

Um pequeno jabuti xereta viu dez cegonhas felizes. (42 letras)

Zebras caolhas de Java querem passar fax para moças gigantes de New York. (60 letras)

Gazeta publica hoje no jornal uma breve nota de faxina na quermesse. (56 letras)

 

Principal fonte: Wikihow

Comentários: nenhuma pessoa comentou

Categoria: Enem, Redação

Tags:

Compartilhe

Nova proposta de redação: Rio 2016 – O legado olímpico

Ana Lourenço | 17/07/2016

Tem proposta nova de redação no blog! Desta vez, o tema é Rio 2016: O legado olímpico. Você pode enviar o seu texto até o próximo domingo (24).

Cristo Redentor iluminado para Olimpíadas
Foto: Getty Images

Para participar, você deverá criar um perfil de usuário na plataforma Imaginie, selecionar a proposta da semana e seguir as instruções para o envio da redação diretamente pelo site. Os primeiros a se cadastrarem por meio desse link terão direito a uma correção, sempre feita por dois ou mais professores, seguindo os mesmos critérios do Enem. O Guia do Estudante vai distribuir entre 50 e 250 correções gratuitas semanalmente.

Ao longo da semana seguinte, o blog publicará algumas das correções. Lembrando: toda semana teremos proposta nova e exemplos de redações corrigidas.

>> 3 erros comuns nas redações

ATENÇÃO: Para que sua redação seja publicada no blog, é preciso desenvolver a proposta correspondente à semana em curso! Ou seja, para os textos enviados até domingo (24), a proposta deve ser a que está descrita abaixo.

Veja as instruções do tema da semana:

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema Rio 2016: O legado olímpico, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I

Com um orçamento estimado em 24,6 bilhões de reais, o plano de legado das Olimpíadas do Rio de Janeiro conta com 27 projetos. O programa abrange obras urbanísticas, ambientais e, claro, esportivas. […] Todas as quatro sedes anteriores dos Jogos Olímpicos também contaram com planos de legado. Os resultados, todavia, foram distintos em cada cidade. De elefantes brancos a importantes iniciativas de revitalização urbanística. […] Os Jogos Olímpicos de 2008 anunciaram uma “nova China”, moderna e tecnológica. […] Nos anos seguintes, no entanto, o crescimento da cidade agravou os congestionamentos já existentes, enquanto problemas sociais e de poluição continuaram estagnados. Estima-se que serão necessários cerca de 30 anos para que todos os gastos do evento – aproximadamente 32 bilhões de dólares, o orçamento mais caro da história dos Jogos Olímpicos – se paguem.

Disponível em: <http://www.cartacapital.com.br/internacional/de-londres-a-sydney-o-que-sobrou-do-legado-das-olimpiadas-1050.html> Acesso em 13 jun. 2016

TEXTO II

As Olimpíadas seriam uma chance para a Grécia divulgar sua imagem e estimular o turismo e o crescimento. Mas, dez anos depois, os precursores dos jogos olímpicos modernos não têm muito para celebrar quando olham para as arenas destinados ao evento: lixo, esgoto, vegetação e pó estão por todos os lugares. Os locais construídos para sediar as Olimpíadas, em Atenas, estão abandonados ou servem só para conferências ou casamentos, diz a Reuters. Ainda segundo a agência de notícias, para os gregos que se enchiam de orgulho há dez anos, os jogos olímpicos são relembrados com raiva. A Grécia se encontra em uma crise que já dura seis anos, com desemprego recorde, moradores de rua e pobreza.

Disponível em: <http://exame.abril.com.br/mundo/album-de-fotos/10-anos-depois-atenas-tem-obras-para-olimpiadas-abandonadas> Acesso em 13 jun. 2016

TEXTO III

O Comitê Rio-2016, responsável por organizar os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, garantiu que o estado de calamidade pública decretado pelo governo não causará impacto na organização do evento. “Não afeta em absolutamente nada”, afirmou o diretor de Comunicação do Rio-2016, Mario Andrada. “Primeiro, porque a gente já sabia que o Estado estava quebrado. Segundo, porque os recursos por meio de incentivo (renúncia fiscal) já foram garantidos.” No decreto que institui o estado de calamidade, a Olimpíada é citada em três das oito justificativas. A grave crise financeira do Estado “vem impedindo o Estado de honrar com os seus compromissos para a realização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016″, expõe o texto assinado pelo governador em exercício, Francisco Dornelles (PP), 49 dias antes do início dos jogos.

Disponível em: <http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/rio-2016-diz-que-decreto-de-calamidade-nao-afeta-olimpiada> Acesso em 13 jun. 2016

TEXO IV

Uma análise de classificação de risco de crédito da Agência inglesa Moody’s apontou que o Rio foi bem avaliado em relação ao legado dos Jogos Olímpicos de 2016, como mostrou o RJTV nesta quarta-feira (18). Especialistas ressaltam, no entanto, que a cidade precisa pensar no período após a competição, a fim de atrair novos investimentos.

Disponível em: <http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/olimpiadas/rio2016/noticia/2016/05/moodys-avalia-legado-olimpico-do-rio-como-positivo-em-documento.html> 13 jun. 2016

Compartilhe

Análise de mais uma redação: Lixo e meio ambiente

Ana Lourenço | 13/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “Gestão de resíduos na sociedade brasileira”. Já publicamos a primeira correção de um dos textos enviados pelos nossos leitores, que você pode acessar aqui. Leia agora a segunda redação e, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Lixo, meio ambiente e reciclagem
Imagem: iStock

Lar, doce lar?

Desde a segunda metade do século XVIII, o meio ambiente começou a sentir o impacto do novo modelo de produção (baseado na força motriz, nas máquinas e no sistema fabril). O famoso rio Tâmisa foi testemunha do desenvolvimento de Londres, alcançando por duas vezes na história o status de “rio biologicamente morto”. O afã por grande poder econômico, não raro no passado e no presente, suplantam os cuidados que são devidos ao meio ambiente para que haja, ao menos, a preservação do equilíbrio entre homem e natureza. O Brasil não se situa longe desse panorama na gestão de resíduos.

A “casa comum” – como foi chamada a terra pela campanha da fraternidade (movimento da Igreja Católica) – merece nossa atenção de maneira especial no tempo atual, em que o Brasil convive com os problemas de um rápido crescimento econômico. Menos da metade das unidades federativas possui programas de coleta seletiva de lixo. A reciclagem torna o resíduo reutilizável e se fosse implantada de maneira mais intensa e desenvolvida poderia contribuir para a diminuição das áreas destinadas a lixões de céu aberto, bem como diminuir o consumo de matérias primas por meio da reintrodução de materiais como plásticos e papéis no ciclo de produção.

Um outro aspecto que merece especial atenção é o grande volume de lixo tecnológico gerado pela febre contemporânea que legou ao Brasil um lugar dentre os maiores consumidores de celulares do planeta. São cerca de 50 toneladas de lixo eletrônico (contando-se ainda outros setores, além do de comunicações) que tendem a crescer, ainda mais, nos próximos anos. Contudo, de acordo com uma pesquisa da Dell, apenas 10% dos computadores descartados em todo mundo são destinados a reciclagem.

Acidentes como o de Mariana-MG e enchentes em diversas cidades (que praticamente já se tornaram normais aos noticiários) são exemplos de que há uma lacuna na consciência sobre a importância que se deve dar ao meio ambiente. A dita “casa comum” requer cuidados particulares, haja visto que, a espécie humana mora aí e precisa, assim como os demais animais, de condições específicas para viver de forma saudável. 

Os atuais 2,24% dos orçamentos estatais direcionados para a área ambiental deveriam ser dilatados e melhor administrados. O Ministério da Cultura poderia promover uma disseminação pelos veículos midiáticos (TV, rádio, jornais, outdoor etc) de propagandas que explicitem a importância da separação do lixo para a reciclagem e do combate à poluição do meio ambiente. Os governos estaduais deveriam ser mais empenhados em soluções dinâmicas para a questão ambiental servindo-se de pesquisas universitárias e subsídios federais para a manutenção de políticas de limpezas das cidades, reciclagem, monitoramento do descarte de resíduos industriais e, ainda, organização na coleta de resíduos tecnológicos como baterias, pilhas, celulares inutilizados etc. Estado e população devem se aliar na busca e manutenção diária da ordem na “casa comum”.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, A persistência do racismo na sociedade brasileira, até domingo (17). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema Gestão de resíduos na sociedade brasileira. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Análise da redação do aluno:

O aluno compreendeu bem a proposta e expôs fontes externas, que corroboraram seus argumentos. O texto é coerente, coeso e escrito na norma culta.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: O estudante dominou bem a linguagem padrão.

Competência II – Compreender a Proposta: Compreendeu bem a proposta e soube argumentar para defender seu ponto de vista.

Competência III – Selecionar, relacionar argumentos: Introduziu bem, apresentando o tema e a tese. Defendeu bem sua tese, expondo conhecimento de mundo e fontes externas para validar os argumentos.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: O texto todo é muito bem construído e articulado. Os parágrafos foram muito bem relacionados.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: Propôs uma solução coerente às ideias antes expostas, de maneira convincente e criativa em todos os âmbitos.

Nota: 920

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: A persistência do racismo na sociedade brasileira. Você pode enviar seu texto até domingo (17).

Compartilhe

Análise de redação: Lixo e meio ambiente

Ana Lourenço | 12/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “Gestão de resíduos na sociedade brasileira”. Leia abaixo uma das redações enviada por um de nossos leitores e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Latas lixo reciclável
Imagem: iStock

Segundo Sartre, filósofo francês, o ser humano é livre e responsável; cabe a ele escolher seu modo de agir. Logo, com o avanço do sistema capitalista, recai sobre o homem o compromisso de tornar o mundo mais sustentável. No século XXI, a preocupação com a gestão de resíduos na sociedade brasileira, necessária para a melhoria da saúde pública, reflete essa realidade.

Com o advento do capitalismo, aliado, posteriormente, à globalização, a sociedade pós-moderna adquiriu características peculiares, como o consumo em excesso e irresponsável, a respeito do descarte irregular do lixo, notamos isso através das mídias e dos livros de sociologia. A falta ou a má gestão de resíduos no nosso país é fruto da ideia de que, pela extensão a qual Terra possui, o planeta é capaz de abrigar todo lixo produzido. Sendo assim, é preciso reeducar as pessoas em relação à sustentabilidade.

Como bem ilustrou um dos maiores físicos que já existiu, Isaac Newton, toda ação gera uma reação de mesma intensidade. No contexto do tema apresentado, a ação antrópica provoca reações que trazem consigo problemas aos seres humanos e ao ecossistema. A nós, a principal consequência gerada pela ausência da gestão do lixo, segundo o Ministério do Meio Ambiente, são as enchentes, que são causadas, na maioria das vezes, pelo entupimento de bueiros por sacolas plásticas e produtos industriais. O descarte irresponsável de metais pesados, por exemplo, leva peixes à morte.

A fim de atenuar o problema, o Ministério da Educação deve alterar a grade curricular dos alunos do ensino fundamental e médio, criando uma nova disciplina que aborde as questões relacionadas à sustentabilidade e à coleta seletiva, necessárias ao avanço. Além disso, o Governo Federal deve, aliado as Organizações não Governamentais (ONG´s), ligadas ao meio ambiente, aplicar campanhas de abrangência nacional junto às emissoras de televisão, como forma de estímulo à redução da falta de controle ao direcionamento dos resíduos.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, A persistência do racismo na sociedade brasileira, até domingo (17). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema Gestão de resíduos na sociedade brasileira. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Fuga ao tema, desrespeito aos direitos humanos e descumprimento do gênero dissertativo-argumentativo podem anular a redação do Enem. Não cometa esse erro!

Análise da redação do aluno:

O texto do aluno foi muito bem escrito. Ele soube discutir o tema com um bom vocabulário e argumentos sólidos.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: Mostrou domínio da norma culta e não cometeu erro grave.

Competência II – Compreender a Proposta: Abordou e compreendeu bem a proposta.

Competência III – Selecionar, relacionar argumentos: O aluno conseguiu selecionar e relacionar bem os argumentos. Em alguns casos poderia ter sido mais objetivo, mas não cometeu nenhum erro grave que compromete o entendimento do texto.

Uma parte do texto que poderia ser melhorada é a última frase do primeiro parágrafo: “No século XXI, a preocupação com a gestão de resíduos na sociedade brasileira, necessária para a melhoria da saúde pública, reflete essa realidade.” Como se trata da introdução, ele já deveria mencionar se a realidade é negativa ou positiva.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: Não cometeu nenhum erro grave que poderia comprometer sua nota e o entendimento do seu texto.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: O aluno propôs melhorias que envolveram o governo, ONGs, mídia e sociedade. As melhorias apresentadas são possíveis de serem realizadas e, o mais importante, respeitaram os direitos humanos.

Nota: 920

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: A persistência do racismo na sociedade brasileira. Você pode enviar seu texto até domingo (17).

Compartilhe

Nova proposta de redação: A persistência do racismo

Ana Lourenço | 10/07/2016

Tem proposta nova de redação no blog! Desta vez, o tema é A persistência do racismo na sociedade brasileira. Você pode enviar o seu texto até o próximo domingo (17).

redacao-racismo-persistencia
Mulher participa da Marcha das Mulheres Negras em Brasília. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Para participar, você deverá criar um perfil de usuário na plataforma Imaginie, selecionar a proposta da semana e seguir as instruções para o envio da redação diretamente pelo site. Os primeiros a se cadastrarem por meio desse link terão direito a uma correção, sempre feita por dois ou mais professores, seguindo os mesmos critérios do Enem. O Guia do Estudante vai distribuir entre 50 e 250 correções gratuitas semanalmente.

Ao longo da semana seguinte, o blog publicará algumas das correções. Lembrando: toda semana teremos proposta nova e exemplos de redações corrigidas.

>> 3 erros comuns nas redações

ATENÇÃO: Para que sua redação seja publicada no blog, é preciso desenvolver a proposta correspondente à semana em curso! Ou seja, para os textos enviados até domingo (17), a proposta deve ser a que está descrita abaixo.

Veja as instruções do tema da semana:

A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema A persistência do racismo na sociedade brasileira. Apresente proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I

Denomina-se cultura afro-brasileira o conjunto de manifestações culturais do Brasil que sofreram algum grau de influência da cultura africana desde os tempos do Brasil colônia até a atualidade. A cultura da África chegou ao Brasil, em sua maior parte, trazida pela escravidão africana na época do tráfico transatlântico de escravos. Traços fortes da cultura africana podem ser encontrados hoje em variados aspectos da cultura brasileira, como a música popular, a religião, a culinária, o folclore e as festividades populares.

Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura_afro-brasileira> Acesso em: 11 jan. 2016

TEXTO II

Anos de escravidão, lutas por liberdade e ainda hoje a população negra sofre com o preconceito e a falta de respeito por suas tradições. (…). A destruição de terreiros, ofensas, invasões e manifestação de ódio e intolerância mostram o retrocesso de parte da sociedade brasileira que teima em contestar a diversidade cultural de um país formado da intensa mistura de etnias. (…) ”Toda riqueza cultural das tradições afro-brasileiras não é mostrada porque não temos espaço na mídia para exibir o que os povos de terreiro têm de melhor”, pontua Pontes. O militante e iniciado no Candomblé ressalta também o infeliz hábito dos meios de comunicação brasileiros de reproduzir imagens ruins que não condizem com o que de fato acontece dentro dos terreiros. Mais do que isso, nas poucas vezes em que o debate relacionado ao universo cultural afro-brasileiro chega à grande mídia, o que se vê são produções carregadas de estereótipos, e o povo negro sendo alvo de piadas e desrespeito. (…) “Para mudar essa realidade, temos que combater a raiz da intolerância, que para mim é o racismo. Historicamente, a sociedade negou a cultura, religião e identidade do negro para negar a sua humanidade e justificar até mesmo a escravidão”, alerta Marina Duarte de Souza, jornalista e produtora cultural.

Disponível em: <http://negrobelchior.cartacapital.com.br/sobre-preconceito-e-intolerancia-religiosa/> Acesso em 11 jan. 2016

TEXTO III

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) estima que 93 milhões de pessoas se autodeclaram brancas, o que representa total de 46,1% da população. Segundo a Pnad 2013 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), 45% dos brasileiros se declaram pardos, e 8,1% da população se diz preta.

Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2014/09/18/ibge-n-de-auto declarados-pretos-e-pardos-sobe-e-negros-sao-45-no-pais.htm> Acesso em 11 jan. 2016

TEXTO IV

redacao-racismoDisponível em: <http://www.juniao.com.br/> Acesso em 15 jan. 2016

TEXTO V

Há uma máxima que diz que todo brasileiro tem o pezinho na África. Mas alguns têm bem mais do que isso. “Têm o pé, a perna, a alma, o coração. Um estudo mostrou que, numa determinada época, havia aqui um europeu para cada africano. Isso mostra que também fomos colonizados por eles, tanto que vemos a presença muito forte da África na nossa culinária, na nossa música, no nosso vocabulário e até na nossa cor”, ressalta o jornalista Carlos Alberto Jr., diretor de um projeto que tenta detectar as origens africanas de 150 brasileiros.

Disponível em: <http://divirta-se.uai.com.br/app/noticia/cinema/2015/08/09 /noticia_cinema,170467/serie-documental-submete-150-brasileiros-a-testes-de-dna-para-descobri.shtm> Acesso em: 11 jan. 2016

 

Compartilhe