Guia do Estudante

Análise de redação: Refugiados

Ana Lourenço | 22/08/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “As dificuldades do acolhimento de refugiados”. Leia abaixo uma das redações enviada por um de nossos leitores e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Mãe e filho em campo de refugiados
Mãe e criança curdas em campo de refugiados. Foto: Getty Images

Os intensos conflitos e guerras civis, a violação dos direitos humanos e as más condições de vida têm levado milhares de pessoas, dos mais [6] diversos países, a fugirem para outras localidades. Segundo a ONU, o mundo presencia o maior número de refugiados da história. Apesar de enfrentarem riscos na saída de seus países, que acontece principalmente pelo mar [1] mediterrâneo, as suas dificuldades não terminam com a imigração. Em várias nações esses seres humanos nem sequer são acolhidos.

O escritor Castro Alves, em seu poema “Navio Negreiro”, retrata [7] a mortandade que ocorria no transporte dos escravos africanos. Em pleno século XXI, a situação não é diferente com os fugitivos que atravessam o [1] mediterrâneo em embarcações precárias. Os poucos que conseguem vencer essa situação [3] se deparam [2] com a xenofobia, que impede a recepção desses estrangeiros em muitos lugares.

Países da Europa [4] se aderiram à causa dos refugiados, [8] porém enfrentam a aversão de alguns cidadãos. Os tais afirmam que esses estrangeiros desfrutariam dos recursos e infraestrutura locais sem contribuir [5] para isso. Já outros enxergam a possibilidade de que os migrantes disputem com eles as oportunidades de emprego.

Portanto, os preconceitos e as discriminações precisam ser combatidos e a integração social deve ser promovida. [9] Ações governamentais que possibilitassem a oferta de empregos aos refugiados em áreas onde a mão de obra é escassa seria uma forma de equilibrar divergências. [10] Na mídia e nas redes sociais, campanhas que conscientizassem a população sobre as dificuldades enfrentadas pelos fugitivos e o quanto eles podem contribuir culturalmente para a sociedade são imprescindíveis. [11] Assim, eles poderiam ser bem acolhidos e superariam a xenofobia.

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema As dificuldades do acolhimento de refugiados. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Fuga ao tema, desrespeito aos direitos humanos e descumprimento do gênero dissertativo-argumentativo podem anular a redação do Enem. Não cometa esse erro!

Análise da redação do aluno:

O estudante precisa melhorar a argumentação, mas mostrou um bom domínio de pontuação, acentuação e disposição dos parágrafos.

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta:

[1] Mediterrâneo é nome próprio, e deve ser grafado com letra maiúscula.

[2] Deparam-se é a forma correta. Não deixe de observar as regras de colocação pronominal: ênclise, próclise e mesóclise.

[3] Sempre que um período for composto por coordenação ou subordinação, usamos a vírgula entre as orações, ou conjunção, se for o caso. Para identificar a oração, localize o verbo ou a locução verbal, pois formam o núcleo da oração.

[4] O correto é aderiram à causa. A partícula “se” é índice de indeterminação do sujeito ou pode ser pronome oblíquo desempenhando a função de objeto. Não é o caso nesta sentença. O sujeito: países da Europa; objeto: causa. Revise termos essenciais, integrantes e acessórios para ficar claro.

[5] Sempre que um período for composto por coordenação ou subordinação, usamos a vírgula entre as orações, ou conjunção se for o caso. Para identificar a oração, localize o verbo ou a locução verbal, pois formam o núcleo da oração.

Competência II – Compreender a proposta:

O parágrafo de introdução é uma breve apresentação sobre o tema. É importante fazer a contextualização, usando um fato histórico, citação de autoridade de conhecimento. Mas também é importante expor o seu ponto de vista. A tese que será defendida ao longo do texto deverá estar explícita na introdução.

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos:

[6] Diversos países ficou generalizado. Procure especificar sobre os países em conflito. Embora esteja subentendido, será considerado aquilo que está explícito no texto.

[7] Sempre que defender o ponto de vista na argumentação, procure citar exemplos de fatos concretos, dados estatísticos, retirados de fontes sérias que validem o argumento. A argumentação deve ser pautada na consequência do tema e não na causa.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação:

[8] É a mesma ideia sobre xenofobia exposta acima. Sempre que precisar retomar ou antecipar uma palavra, ideia dentro do argumento, recorra a um elemento de coesão (pronomes, conjunções, pronomes, advérbios etc). Esses conectivos têm por função evitar repetições que comprometem a qualidade do texto.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema:

[9] O parágrafo de conclusão serve para apresentar uma solução para o problema abordado nos argumentos anteriores. Como mudar essa situação? Quem e como poderá mudar? Quem será o público-alvo dessa intervenção? Ao responder a essas questões, você estará apresentando a solução efetiva para o problema.

[10] A proposta de intervenção é sempre baseada na tese inicial. No entanto, a tese não ficou explícita na introdução. O estudante fez apenas uma menção. A intervenção é para resolver a questão apresentada inicialmente.

[11] Sempre que redigir sobre um tema, faça pesquisa em fontes variadas de informação, isso refletirá na qualidade da argumentação. Deve-se evitar argumentos óbvios e lugares-comuns. É importante trazer uma provocação ao debate.

Nota: 880

Compartilhe

Cursinhos apontam temas possíveis para a redação do Enem

Paulo Montoia | 19/08/2016

Veja a seleção de temas dos professores do Cursinho pH, do Rio, e Intergraus, de São Paulo. Vários deles já estão sendo abordados neste blog com propostas e redações comentadas.

A convite deste blog, os professores Luciano Segura, que leciona redação no Cursinho Intergraus, de São Paulo, e Thiago Braga, professor e coordenador de Língua Portuguesa e redação do Colégio e Cursinho pH, do Rio de Janeiro, sugeriram temas que podem cair na prova do Enem 2016. São assuntos possíveis também nos vestibulares 2017, como o da Fuvest e outras 39 universidades públicas que ainda mantém provas próprias de redação.

Confira as 40 universidades públicas com provas próprias de redação. 

1 – Inclusão social

Juntos, mas separados: favela versus área urbanizada no Rio de Janeiro  (iStock/Peeter Viisimaa)

Para Luciano Segura, destacam-se neste momento os Movimentos de Inclusão como recorte dos direitos humanos. “Eles estão muito em evidência. Os direitos da mulher já foram abordados, o de refugiados imigrantes, idosos, mas há outros, como a participação inclusiva das comunidades (favelas) no conjunto da sociedade, tema que vimos na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos.”

O professor destaca que os temas ilustrados naquela cerimônia são suficientemente fortes para serem abordados nas provas de redação. Por exemplo:

     2 – Respeito à diversidade de gênero.
     3 – A necessidade de preservar a natureza.
     4 – A valorização do índio. Segundo o Censo 2010, o Brasil possui mais de 890 mil índios, distribuídos por 274 idiomas próprios.
     5Limites da liberdade de expressão. Outro tema atual destacado por Luciano Segura. O tema abrange desde as injúrias raciais em espaços públicos e na internet até as declarações racistas, homofóbicas e de apologia à ditadura militar feitas pelo deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Para Thiago Braga, do Cursinho pH, o mais forte candidato para a prova deste ano é o tema Mobilidade urbana, que  também destacamos na edição 2017 do Guia do Estudante Redação e neste blog. “É o tema em que mais aposto, pois une sociedade e meio ambiente. A gente vive esse caos no transporte, que também contribui para a emissão de gás carbônico. É um tema na prova que conjugue a possibilidade de maior mobilidade e de um transporte mais limpo, com ciclovias e benefícios ambientais. É forte candidato porque os estudantes podem propor muita coisa, estamos esperando que caia há alguns anos e ainda não caiu”, diz Braga.

iStock/Sasa69M

Veja nossa proposta Desafios da mobilidade urbana sustentável, veiculada em julho.

Agora, as demais apostas do professor Thiago Braga.

     2 – O Esporte como fator de integração e o legado das Olimpíadas. “Estamos esperando um tema do esporte há muito tempo. Dois dos nossos medalhistas de ouro vieram de programas sociais ligados ao esporte, e vemos vínculos com ascensão social, a iniciativa privada adotando políticas de marketing por meio do esporte.”

Veja a proposta que fizemos em julho: Rio 2016: o legado olímpico.

     3 – Racismo e intolerância. “A discussão de racismo ainda não aconteceu no Enem. Em 2007 tivemos O desafio de se conviver com a diferença, mas não o racismo na visão do brasileiro, o fato dele não se aceitar como racista, o racismo endêmico e não assumido.”

     4 – Alternativas para a violência urbana. “O Enem nunca tratou da violência urbana no país, com elementos como o tráfico de drogas e armas e a violência policial”, diz Braga. “Atualmente, tramita no Congresso o Projeto de Lei 3722, que pretende alterar o Estatuto do Desarmamento e, permitir, por exemplo, que advogados e deputados possam ter porte de arma.”

     5Educação de qualidade no Brasil. “É minha última aposta”, diz Braga. Trata-se de tema diretamente afeto aos estudantes, inclui as medidas de inclusão, liga-se ao slogan de Pátria educadora e deverá ser tema de debates nas eleições deste ano.

Veja a proposta que fizemos em julho: A realidade da escola inclusiva no Brasil.

     E aí? Achou as propostas interessantes? Algumas são muito desafiadoras!

Veja também: As quatro grandes áreas de temas de redação no Enem.

Compartilhe

Nova proposta de redação: Refugiados

Ana Lourenço | 14/08/2016

Tem proposta nova de redação no blog! O tema é As dificuldades do acolhimento de refugiados. Você pode enviar o seu texto até o próximo domingo (21).

Refugiados
Foto: Getty Images

Para participar, você deverá criar um perfil de usuário na plataforma Imaginie, selecionar a proposta da semana e seguir as instruções para o envio da redação diretamente pelo site. Os primeiros a se cadastrarem por meio desse link terão direito a uma correção, sempre feita por dois ou mais professores, seguindo os mesmos critérios do Enem. O Guia do Estudante vai distribuir entre 50 e 250 correções gratuitas semanalmente. Ao longo da semana seguinte, o blog publicará algumas das correções.

ATENÇÃO: Para que sua redação seja publicada no blog, é preciso desenvolver a proposta correspondente à semana em curso! Ou seja, para os textos enviados até domingo (21), a proposta deve ser a que está descrita abaixo.

Veja as instruções do tema da semana:

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma-padrão da língua portuguesa sobre o tema As dificuldades do acolhimento de refugiados. Apresente proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I

refugiados

Disponível em: <http://aheadmkt.com/refugiados-pelo-mundo-muito-mais-que-a-morte-de-uma-crianca-siria/> Acesso em 11 jul 2016.

TEXTO II

Na semana passada, a ONU organizou um encontro em Nova York para falar de dois temas que, embora não pareçam, estão intimamente ligados: refugiados e urbanização sustentável. Há hoje no mundo todo um bilhão de pessoas vivendo em favelas, tendência impulsionada justamente pela onda de refugiados que se instalam em condições precárias em cidades de vários países. E não há solução que não seja global tanto para a crise dos refugiados quanto para o clima.

Segundo dados divulgados no encontro, esses migrantes vivem em média 17 anos em campos de refugiados. Ou seja, os locais que os acolhem não são instalações temporárias, e sim permanentes. Se forem bem planejadas, poderão contribuir para que, em vez de problema, o contingente de refugiados se torne um ativo.

Na visão da ONU, os refugiados devem ser cocriadores das cidades que habitam, totalmente integrados a elas. E as cidades que fizerem isso estabelecerão uma relação de ganha-ganha baseada em diversidade e crescimento. Infelizmente, o que prevalece hoje é uma abordagem fragmentada, anti-urbana e marcada pela negação da presença dessas pessoas. “A migração é, na verdade, uma força urbana inerentemente positiva”, afirma Eliasson. “Mas precisamos de esforços melhores, mais coerentes e coordenados para lidar com a questão”.

Disponível em: <http://veja.abril.com.br/blog/cidades-sem-fronteiras/geograficas/um-bilhao-de-pessoas-vive-em-favelas-e-a-crise-dos-refugiados-so-acelera-o-problema-diz-a-onu/> Acesso em 11 ago 2016. Adaptado

TEXTO III

A chanceler alemã Angela Merkel expressou nesta segunda-feira seu desejo de que os líderes europeus deem um “bom passo” em direção a uma solução para a crise de refugiados, que inclui a redução dos fluxos de imigrantes irregulares em todos os países e não só em alguns através de medidas unilaterais. Para ela, o plano de ação com a Turquia é a “chave” para enfrentar a crise de refugiados porque significa melhorar as condições de vida das pessoas mais perto de seus países de origem e reduzir o fluxo de chegadas na Europa. Antes defensora de uma política para acolher os refugiados, Merkel está adequando seu discurso diante das muitas dificuldades que a Europa e a própria Alemanha estão enfrentando.

Disponível em: <http://veja.abril.com.br/mundo/merkel-agora-defende-reducao-de-refugiados-em-todos-os-paises-da-ue/>. Acesso em 11 jul 2016. Adaptado

TEXTO IV

“Ter um time de refugiados me fez ver que tem lugar no mundo para nós. Isso representa tudo”, diz, em um português simples. Mariama Bah assistiu às lutas nesta quarta-feira (10/08) ao lado de dezenas de refugiados na sede da Cáritas, braço humanitário da Igreja Católica, no bairro do Maracanã.

[…]

Para ela, a Olimpíada ajuda a dar visibilidade aos refugiados. “Somos jovens com sonhos. Não temos só histórias tristes, temos vitórias”, diz. Uma delas, para Mariama, é conseguir trazer a filha para o Brasil. A menina, hoje com 12 anos, mora em Gâmbia com as tias e deve chegar em setembro para ficar com a mãe. “Meu coração sempre ficou dividido, com ela lá e eu aqui. Não quero que ela passe pelo que eu passei. Aqui ela vai poder estudar”, afirma.

Disponível em: <http://www.cartacapital.com.br/sociedade/tem-lugar-no-mundo-para-nos-diz-refugiada-sobre-a-rio-2016>. Acesso em 11 jul 2016. Adaptado

Comentários: nenhuma pessoa comentou

Categoria: Sem categoria

Compartilhe

Análise de redação: Desafios da mobilidade urbana sustentável

Ana Lourenço | 11/08/2016

Com base na última proposta de redação, os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “Os desafios da mobilidade urbana de baixo impacto ambiental. Leia abaixo uma das redações enviada por um de nossos leitores e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Ciclistas no Parque do Ibirapuera
Ciclistas no Parque do Ibirapuera. (Foto: iStock)

No que se refere ao transporte de baixo impacto ambiental, é possível afirmar que o Brasil deve investir mais nessa área. Isso se evidencia não apenas pela problemática do aquecimento global, como também pelos benefícios dessa prática sustentável.

Após a Segunda Guerra Mundial, o Brasil começou a urbanizar-se de forma rápida e desordenada. Isso se reflete diretamente nos dias atuais, visto que não houve planejamento adequado na infraestrutura das cidades para facilitar o deslocamento diário dos cidadãos, através de meios alternativos, como as bicicletas. Além disso, durante o governo de Juscelino Kubitschek, o presidente incentivou o modelo desenvolvimentista do país, no qual foi amplificado o poder aquisitivo da população, a fim de estimular a compra de veículos particulares. Com isso, nota-se que a grande quantidade de automotores, bem como a falta de projetos que incentivem o uso de alternativas sustentáveis para a locomoção são impasses a serem superados pela sociedade brasileira.

[2] Segundo pesquisadores, mais de setenta milhões de toneladas de gás carbônico são liberados na atmosfera decorrente da utilização de gasolina por veículos no Brasil. [1] Dessa forma, esse composto químico é responsável pelo aumento do aquecimento global, o que ocasiona a elevação da temperatura média e, consequente, vários problemas ambientais.

Diante disso, percebe-se a real necessidade de desenvolver meios para reverter essa situação. Na cidade de Fortaleza, a prefeitura lançou o projeto Bicicletar, no qual foram instalados postos de bicicletas para uso compartilhado, com intuito de minimizar impactos ambientais, desobstruir o trânsito, além de melhorar o bem-estar da população. De acordo com estatísticas, essa medida já evitou a emissão de duzentas toneladas de CO2.

É necessário, portanto, desenvolver métodos para incentivar formas sustentáveis de transporte. Para isso, os governantes devem implementar projetos similares ao de bicicletas compartilhadas, bem como construir mais ciclo faixas, a fim de melhorar a mobilidade urbana. Além disso, os meios de comunicação necessitam incentivar o uso de bicicletas, por meio de [3] campanhas. [4] Ademais, as escolas precisam inserir aulas sobre educação ambiental, com o objetivo de não só debater esse assunto, mas também promover a criação de medidas para estimular o transporte de baixo impacto ambiental, aplicando-as em nível individual e social. Nesse sentido, haveria maiores benefícios para a sociedade e para o meio ambiente.

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema Os desafios da mobilidade urbana de baixo impacto ambiental. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Análise da redação do aluno:

O estudante desenvolveu bem os argumentos, mas apresentou algumas informações sem relacioná-las muito bem. É importante que o aluno articule melhor o texto e apresente mais informações para melhorar a nota.

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: O estudante mostrou domínio da norma culta e não cometeu erros que pudessem prejudicá-lo.

Competência II – Compreender a proposta: Desenvolveu a proposta de forma consistente.

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos: [1] Aqui faltou um pouco de articulação entre as informações.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: [2] Procure utilizar mais recursos coesivos para articular melhor as partes do texto. Veja uma dica aqui.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: [3] Como seriam feitas essas campanhas? Seja mais detalhista. [4] A proposta de intervenção precisa ser mais desenvolvida e detalhada.

Nota: 840

Compartilhe

Conheça as provas “secretas” de redação do Enem

Paulo Montoia | 09/08/2016

Você já ouviu falar do Enem PPL? Pois se não ouviu, não estranhe. Fala-se pouco dele, e como o Inep divulga apenas os gabaritos e não as provas, tornou-se difícil encontrá-las na internet, e elas têm se mantido quase secretas. Esse “Enem 2” é aplicado todos os anos, um mês após o Enem tradicional.

A sigla PPL resume “pessoa privada de liberdade”. A prova é aplicada para jovens que estão em instituições socioeducativas e para adultos em prisões que se inscrevem, pois têm o direito de querer avançar nos estudos e se reintegrar à sociedade. Os participantes podem conseguir a certificação de conclusão do Ensino Médio ou de disciplinas específicas, se obtiverem a nota mínima exigida. Em 2015, houve 45,5 mil participantes, 19% a mais que no ano anterior. Quem obtém a nota média maior que 600 pontos pode se inscrever nos programas Sisutec, Pronatec ou Sisu, mas precisa obter autorização judicial para deixar a instituição.

As propostas de redação estão dispersas, e em poucos lugares na internet. O que fizemos foi coletá-las para você. Veja aqui os temas e a coletânea das sete provas já aplicadas, algumas das quais poderiam ter caído no Enem tradicional (a última delas, aliás, foi usada em segunda aplicação excepcional).

E fica a sugestão: se algum tema lhe parecer desafiador, veja a coletânea e tente desenvolvê-lo!

Vamos lá:

Enem 2015 PPLO Histórico desafio de se valorizar o professor.
Coletânea: dois textos de Sociologia e duas imagens de valorização do professor. Esta prova foi também utilizada em segunda aplicação regular em Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Enem 2015

________________

Enem 2014 PPLO que o fenômeno social dos ‘rolezinhos’ representa?
Coletânea: Dois textos informativos e uma charge.

Enem 2014 Texto IEnem 2014 Texto II

Enem 2014 PPL Texto III
Fonte: Imaginie

__________________

Enem 2013 PPL – Cooperativismo como alternativa social
Coletânea:
 Depoimento e notícia, e dois textos não-verbais.

Enem PPL 2013

Fonte: Cursinho pH, Rio de Janeiro

Enem 2012 PPL – O Grupo fortalece o indivíduo?
Coletânea: Textos e notícias da primeira greve dos bancários em 1932, jogador fala da união que garantiu a vitória na Copa Libertadores da América; movimento de igualdade de gênero Marcha das Vadias.

Enem 2012

_______

Enem 2011 PPLCultura e mudança social.
Coletânea: Textos definindo o trabalho do Grupo Cultural AfroReggae; e o perfil e convicções do sociólogo Herbert José de Souza (o Betinho, criador do movimento Fome Zero).

Enem PPL 2011

_____________

Enem 2010 PPL Ajuda humanitária
Coletânea: Trechos de reportagens sobre Comitê de ajuda às vitimas de Palmares e Terremoto no Haiti, cartaz de ajuda a vítimas de enchente no Rio de Janeiro.

Enem 2010

_______

Enem 2009 PPL – A família contemporânea e o que ela representa para a sociedade.
Coletânea: Pintura de Tarsila do Amaral, textos de sociologia.

Enem 2009

E aí, gostou?yay2

 

Compartilhe

Análise de redação: Educação inclusiva

Ana Lourenço | 04/08/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “A realidade da escola inclusiva no Brasil”. Leia abaixo uma das redações enviada por um de nossos leitores e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Criança com síndrome de down na educação inclusiva
Foto: iStock

No livro Memórias Póstumas de Brás Cubas [1] o personagem principal relata um dos seus casos amorosos com Eugênia, que, entre diversas qualidades, ficou conhecida pela deficiência, sendo chamada de coxa pelo narrador. Fora das ficções de Machado de Assis, a questão dos portadores de necessidades especiais ainda possui desafios na atualidade, entre eles [2] a dificuldade da educação inclusiva no Brasil.

Um dos fatores que impedem a inclusão efetiva é a falta de infraestrutura nas escolas. Isso porque as instituições de ensino, em sua maioria, não possuem instalações físicas adequadas – como rampas de acessibilidade – e, ainda, os profissionais mostram-se despreparados para assistirem os deficientes. Nesse sentido, crianças e jovens com necessidades especiais são prejudicados por não terem condições primordiais para se manterem no ambiente escolar, propiciando, assim, uma consequente evasão desses alunos.

Além disso, uma outra problemática inerente à questão é a permanência do preconceito nas escolas, expressado por meio de piadas e de exclusão do convívio. Isso ocorre porque há uma limitada tolerância em relação às diferenças, tornando os que não estão de acordo com os padrões sociais marca de algo que deve ser evitado ou debochado, fruto de uma mentalidade discriminatória enraizada no Brasil. Por conseguinte, sendo vítimas constantes de preconceitos, os deficientes físicos podem desenvolver transtornos psicológicos, como problemas de [3] auto-estima e depressão, o que corrobora com o processo de exclusão no país.

A questão da inclusão, portanto, ainda é um desafio no meio educacional brasileiro. Para solucionar o impasse, é necessário que, por meio de uma [4] parceira público-privada entre o MEC e empresas especializadas, sejam instalados novos materiais e estruturas adaptadas para uma maior acessibilidade nas escolas. Ainda, o MEC deve organizar seminários pelo país com palestras ministradas por psicólogos e psicopedagogos direcionadas aos alunos, pais e funcionários para se debater a inclusão social e, com isso, minimizar os preconceitos. Assim, os deficientes terão mais um meio de superação, a educação, que [5] segundo Kant é um valioso instrumento para a melhoria do Homem, já que [6] para o filósofo [7] “O ser humano é aquilo que a educação faz dele”.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, Desafios da mobilidade urbana sustentável, até domingo (7). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema A realidade da escola inclusiva no Brasil. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Análise da redação do aluno:

O aluno precisa tomar cuidado com a pontuação inadequada, pois pode prejudicar o entendimento do texto.

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: O estudante cometeu muitos erros de pontuação.

[1] Deve-se usar vírgula aqui.

[2] Deve-se usar vírgula aqui.

[3] A grafia correta, de acordo com a Nova Regra Ortográfica da Língua Portuguesa, é “autoestima”.

[4] Neste contexto, o correto seria “parceria”.

[5] O trecho “segundo Kant” deve vir entre vírgulas.

[6] O trecho “para o filósofo” deve vir entre vírgulas.

[7] Uso inadequado da letra maiúscula.

Competência II – Compreender a proposta: Para garantir nota máxima, procure utilizar um repertório sociocultural produtivo, isto é, analisar a questão proposta sob diferentes prismas considerando a sociedade em que vivemos e nossa cultura.

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos: Para argumentar convincentemente, é preciso abordar os diversos ângulos do assunto, as causas, os precedentes históricos, as consequências, as evidências etc.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação:

Use conectores (mas, portanto, entretanto, contudo, no entanto etc.) para estabelecer relação entre as orações. A falta de pontuação adequada pode comprometer a estrutura textual.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: É necessário apresentar, pelo menos, duas propostas de intervenção bem detalhadas com os seguintes requisitos:

  • O que pode ser feito para solucionar o problema abordado?
  • Quem o fará
  • Como isso será feito?

Nota: 780

Compartilhe

Nova proposta de redação: Desafios da mobilidade urbana sustentável

Ana Lourenço | 31/07/2016

Tem proposta nova de redação no blog! O tema é Os desafios da mobilidade urbana de baixo impacto ambiental. Você pode enviar o seu texto até o próximo domingo (7).

Bicicleta em ciclovia de São Paulo

 

Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas (22/09/2015)

Para participar, você deverá criar um perfil de usuário na plataforma Imaginie, selecionar a proposta da semana e seguir as instruções para o envio da redação diretamente pelo site. Os primeiros a se cadastrarem por meio desse link terão direito a uma correção, sempre feita por dois ou mais professores, seguindo os mesmos critérios do Enem. O Guia do Estudante vai distribuir entre 50 e 250 correções gratuitas semanalmente.

Ao longo da semana seguinte, o blog publicará algumas das correções. Lembrando: toda semana teremos proposta nova e exemplos de redações corrigidas.

>> 3 erros comuns nas redações

ATENÇÃO: Para que sua redação seja publicada no blog, é preciso desenvolver a proposta correspondente à semana em curso! Ou seja, para os textos enviados até domingo (7), a proposta deve ser a que está descrita abaixo.

Veja as instruções do tema da semana:

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma-padrão da língua portuguesa sobre o tema: Os desafios da mobilidade urbana de baixo impacto ambiental.

Apresente experiência ou proposta de ação social que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I

mobilidade-urbana

No eixo das ordenadas, encontram-se os modos de transporte de passageiros comuns: pedonal, ferroviário, rodoviário e aéreo; individual e coletivo.

No eixo das abcissas, encontra-se a quantidade de energia, medida em megajoules, necessária para fazer deslocar um passageiro pela distância dum quilômetro.

Disponível em: <https://ruadaconstituicao.wordpress.com/2014/05/19/eficiencia-energetica-dos-meios-de-transporte/> Acesso em 28 jul. 2016

TEXTO II

Sérgio dos Reis, de 54 anos, sócio do fundo de investimento Set, tomou recentemente uma decisão importante — fazer o trajeto de 2 quilômetros de casa para o trabalho de bicicleta, todos os dias. “Eu só usava a bicicleta para passear em parques nos fins de semana”, afirma Reis.

Ele ganhou coragem para deixar o carro na garagem depois da construção de uma ciclovia na avenida Brigadeiro Faria Lima, zona oeste de São Paulo, próxima a seu escritório. “Não chego mais ao trabalho estressado por causa do trânsito e diminuí em aproximadamente 1.000 reais por mês os gastos com gasolina e estacionamento”, afirma.

[…]

A faixa exclusiva para ciclistas foi projetada pela TC Urbes, empresa paulista que faz projetos de mobilidade urbana com ênfase na construção de ciclovias, calçadas para pedestres e bicicletários. A obra foi concluída em 2012, por encomenda da prefeitura de São Paulo.

“Dez anos atrás, uma empresa como a TC Urbes seria economicamente inviável”, afirma Ricardo Corrêa, de 35 anos, que fundou o negócio em 2007. “Só agora começa a existir no Brasil uma demanda para integrar as bicicletas ao planejamento viário.”

E não está se falando de passeios no parque. Há três anos, São Paulo contava com apenas 5 quilômetros de ciclofaixas. Hoje, os pedaços de chão reservados às bicicletas alcançam 108 quilômetros. As receitas da TC Urbes devem ser de 500.000 reais neste ano, o triplo de 2010.

Disponível em: <http://exame.abril.com.br/revista-exame-pme/edicoes/67/noticias/uma-vida-melhor-nas-cidades> Acesso em 28 jul. 2016

TEXTO III

 Copenhague, na Dinamarca, reduziu o uso de combustíveis fósseis

A capital dinamarquesa é bicampeã no ranking de cidades inteligentes da Europa, elaborado pela revista Fast Company, uma das mais respeitadas publicações sobre inovação do mundo. Não é para menos. De lá vem um dos melhores exemplos de redução das emissões de carbono de todo o planeta.

Em relação a 2005, quando o conceito de carbono zero passou a fazer parte das ações do governo local, Copenhague reduziu 21% das emissões. Atualmente, a cidade emite, em média, 2 milhões de toneladas per capita de carbono por ano.

O objetivo é diminuir ainda mais a emissão até 2025, chegando a 1,16 milhão de toneladas per capita anuais. Para atingir a meta, todos os novos edifícios precisam ser construídos segundo regras de sustentabilidade.

Também ajuda o fato de, em Copenhague, metade da população de pouco mais de meio milhão de pessoas usar bicicletas para chegar ao trabalho, segundo dados oficiais. A cidade possui um amplo sistema de aluguel de bicicletas equipadas com GPS. Recentemente, elas começaram a receber sensores que detectam a qualidade do ar e ainda permitem aos usuários receber informações em tempo real sobre congestionamentos.

Disponível em: <http://exame.abril.com.br/publicidade/siemens/conteudo-patrocinado/conheca-3-cidades-inteligentes-pelo-mundo>

Compartilhe

Veja os quatro grandes temas na redação do Enem e vestibulares

Paulo Montoia | 29/07/2016

Sabe aquela prova de redação em que você não se deu tão bem? Pois achamos que sabendo a que grupo de temas ela pertence você pode descobrir se o problema é o seu domínio ou desenvoltura naquele grupo de temas a que ela pertence. Lendo mais a respeito dos temas de cada grupo, e praticando, você poderá melhorar. Eis os quatro grupos definidos em uma palavra central, que a seguir desenvolveremos:

1 – Indivíduo; 2 – Sociedade; 3 – Meio Ambiente, 4 – Tecnologia e mundo virtual.

Os grupos foram definidos em entrevistas com professores e coordenadores de redação dos cursinhos Anglo, Etapa, Intergraus e Politécnico (São Paulo), pH (Rio de janeiro), Pitágoras (Belo Horizonte) e Positivo (Curitiba), ao longo de diferentes edições. Nos últimos dez anos o grupo 3 está em baixa e o grupo 4, em alta. Veja os grupos, com 18 provas importantes e seus linques para ver a coletânea em cada uma.

Nossa sugestão para aproveitar bem esta matéria: ao encontrar um tema desafiador, baixe a prova, leia a coletânea e tente definir uma tese com um argumento em um parágrafo. E aí, vai encarar?

GRUPO 1 – Temas com foco inicial no próprio indivíduo
Amizade, felicidade, sofrimento, altruísmo, solidariedade, valores morais, escolha da profissão.

giphy

AMIZADE: Tema de diferentes provas recentes!

Fuvest 2011
O altruísmo e o pensamento a longo prazo ainda têm lugar no mundo contemporâneo?
Baixe o pdf desta prova!

UnB 2014
Viagem a Marte sem volta: possíveis motivos que levam pessoas a querer participar dessa viagem.
Baixe o pdf desta prova

 

GRUPO 2 – A relação do indivíduo com os outros
Temas sociais como direitos civis, violência, imigração, pobreza, trabalho,
corrupção, consumismo, inclusão social.
Este grupo é o que concentra temas das provas do Enem.

Enem 2014
Publicidade infantil em questão no Brasil.
Baixe o pdf desta prova

Enem 2012
O movimento imigratório para o Brasil no Século XXI
Baixe o pdf desta prova

Fuvest 2015
“Camarotização” da sociedade brasileira: a segregação das classes sociais e a democracia.
Baixe o pdf desta prova

Fuvest 2012
Participação política: indispensável ou superada?
Baixe o pdf desta prova

PUC-Rio 2015
Como, na sua concepção, “os indivíduos são levados a formular princípios que devem valer tanto para eles como para os outros”, em nossos dias?
Baixe o pdf desta prova

PUC Minas 2015-2 Prova dos cursos tecnólogos
O impacto da publicidade na formação de crianças e jovens.
Baixe o pdf desta prova

 

GRUPO 3 – A relação humana com o ambiente natural
Assuntos como desmatamento, biodiversidade, sustentabilidade ambiental, efeito estufa, desastres naturais.

água calma 200

ÁGUA E MEIO AMBIENTE Um dos temas presentes no grupo 3, que abrange saneamento, poluição, desenvolvimento sustentável e outros

UFSC 2011
As reações humanas a enchentes e secas [exige a leitura de obras específicas e obrigatórias da prova]
Baixe o pdf desta prova

Unicamp 2011
As enchentes e o poder público
Baixe o pdf desta prova

UFSM (RS) (PAS) 2011
A humanização de animais de estimação.
Baixe o pdf desta prova

 

GRUPO 4 – As relações do indivíduo e do mundo real com o mundo tecnológico e virtual
Privacidade nas redes sociais, direito ao esquecimento na rede, suspensão de serviços públicos como Whatsapp e Facebook motivadas por leis locais em um mundo globalizado, legislação sobre crimes virtuais, impactos da realidade aumentada, trabalho remoto on-line, sexualidade virtual, mobilizações civis pela rede,
desafios da economia colaborativa (Uber, Lifty e Airbnb), bitcoins.

Simpsons giphy

Lisa Simpson surfa na internet. O acesso das crianças a páginas da internet para adultos é foco de debates no mundo


Esse grupo de temas está em crescimento, cai cada vez mais nas provas de redação. Foram os casos, por exemplo, da prova 2015 da Universidade Federal de Santa Maria (Juventude conectada – evolução ou problema social?) e da UFRGS no mesmo ano (Amizades e conexões virtuaisNa sua opinião, o que é a amizade nos dias de hoje?) e em 2016 (O livro na era da digitalização do escrito e da adoção de novas ferramentas de leitura.). Observe que o tema amizade, por si só, pertence ao grupo 1; outros abaixo, como economia colaborativa, pertencem ao grupo 2.

Os temas do grupo 4 na verdade são novos recortes de abordagem dos temas dos demais grupos, mas é preciso ter cuidado para não cair no “ladrão de cena” – quando o foco da proposta de redação não é a tecnologia exatamente. Porém, consideramos que esses recortes exigem do candidato familiaridade com os desafios do mundo digital e globalizado para gerar argumentos consistentes de texto. Veja a seguir alguns exemplos, com linque para as provas e suas coletâneas.

Enem 2011
Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado.
Baixe o pdf desta prova

Fuvest 2008

net giphy

INTERAÇÃO: O mundo digital está alterando o mundo real

Cultura na rede, verdades e idiotices no mundo digital.
Baixe o pdf
desta prova

PUC Minas 2016
Os desafios da leitura digital: entre o excesso de informação e a produção de conhecimentos.
Baixe o pdf desta prova

Unifev – Centro Universitário de Votuporanga (SP) 2º Sem 2016
A quebra de sigilo na internet em casos de investigações criminais é mais importante que a privacidade dos usuários?
Baixe o pdf desta prova

Unicamp 2012
Escolas monitoram o que o aluno faz em rede social.
(tema com provas comentadas pela banca)
Baixe o pdf desta prova

ESPM 2015
Tema 1 -No Brasil, a tecnologia do livro digital favoreceria o aumento de leitores em relação ao existente hoje, no meio impresso?
Tema 2 – Quais são os impactos da economia colaborativa ou compartilhada (Uber, Lifty e Airbnb) na economia formal?
Baixe o pdf desta prova

Esperamos que você tenha gostado! yay2!

 

Imagens: Giphy 

 

Compartilhe

Análise de redação: Rio 2016 – O legado olímpico

Ana Lourenço | 26/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “Rio 2016: O legado olímpico”. Leia abaixo uma das redações enviada por um de nossos leitores e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Olimpíadas Rio
Imagem: Getty Images

Grandes eventos esportivos, como as Olímpiadas, sempre atraíram grande atenção do público. Em 2016, o Brasil foi escolhido para representá-la. No entanto, a luxuosidade do evento se contrasta com as precárias condições sociais passadas pelos cidadãos e o crescente desgaste ambiental, provocando protestos das mais diversas camadas sociais.

Nas últimas semanas, a dívida acumulada levou o Rio de Janeiro a decretar estado de calamidade pública. No entanto, vultosas quantidades de dinheiro foram destinadas para os Jogos Olímpicos, tornando o evento desse ano como um dos mais caros na história. Isso ocasiona menor investimento público em setores essenciais à vida social, como o da saúde, educação e segurança, afetando principalmente a comunidade carente, que não possui recursos para atendimentos eficazes em redes privadas.

Diante disso, grande parte da população se mostra revoltosa. Vê-se, principalmente em redes sociais, reuniões entre grupos populacionais que têm como objetivo apagar a tocha, à medida que ela percorre o país, que dialoga com a recente manifestação de policiais ocasionada pela falta de pagamento e de estrutura, destaque nos grandes jornais internacionais. Essas medidas têm por objetivo chamar a atenção da mídia para os problemas socioeconômicos por que passa a atual população brasileira.

Essa indignação também afeta grandes esportistas internacionais, vista na recente recusa de virem ao Brasil em razão da precária situação ambiental passada pela cidade sede, sobretudo revelada na poluição marinha. Esse problema, provocado pelo despreparo estadual na gestão de recursos, agravar-se-á devido à grande quantidade de resíduos provenientes de pessoas atraídas pelos jogos, podendo provocar problemas irreversíveis ao ecossistema marinho.

Diante disso, é necessário entender que o país tem outros desafios a vencer, como a baixa escolaridade média, a falta de creches e a grande crise político-financeira que atinge a todos os habitantes. A vinda das Olímpiadas apenas resultará no repasse de verbas para a manutenção e funcionamento do evento e na dissimulação da real situação brasileira pela massa informacional.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, Educação inclusiva, até domingo (31). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema Rio 2016: O legado olímpico. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Fuga ao tema, desrespeito aos direitos humanos e descumprimento do gênero dissertativo-argumentativo podem anular a redação do Enem. Não cometa esse erro!

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Análise da redação do aluno:

O estudante deve ficar atento e não deixar de elaborar a proposta de intervenção. É importante também que ele revise as características do gênero argumentativo para saber o que escrever em cada parte e os elementos de coerência e coesão para estruturar e organizar bem o texto.

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: O estudante cometeu alguns desvios ortográficos que devem ser evitados.

Exemplo: “Isso ocasiona menor investimento público em setores essenciais à vida social, (1) como o da saúde, educação e segurança, (2) afetando principalmente a comunidade carente, que não possui recursos para atendimentos eficazes em redes privadas.”

(1) Sempre que destacar, enumerar um elemento ou sequência, usa-se os dois pontos, vírgula ou travessão.

(2) O verbo no gerúndio é para expressar ação simultânea, não ação sequencial. O modo verbal que prevalece no discurso é o presente do indicativo e o pretérito, para relacionar fatos do argumento. Não deixe de estudar as características do gênero argumentativo.

Exemplo: “Diante disso, grande parte da população (3) se mostra revoltosa.”

(3) O correto é: mostra-se. É importante estudar as regras de colocação pronominal: ênclise, próclise e mesóclise.

Exemplo: “Essa indignação também afeta grandes esportistas internacionais, vista na recente recusa de virem ao (4) Brasil em razão da precária situação ambiental passada pela cidade sede, sobretudo revelada na poluição marinha.”

(4) Sempre que um período for composto por coordenação ou subordinação usamos a vírgula entre as orações ou conjunção se for o caso. Para identificar a oração, localize o verbo ou a locução verbal, pois formam o núcleo da oração.

Exemplo: “Esse problema, provocado pelo despreparo estadual na gestão de recursos, agravar-se-á devido à grande quantidade de resíduos provenientes (5) de pessoas atraídas pelos jogos, podendo provocar problemas irreversíveis ao ecossistema marinho.”

(5) “[…] que serão atraídas […]” Quando a ação é hipotética, usa-se o modo verbal no subjuntivo.

Competência II – Compreender a proposta: O parágrafo de introdução é uma breve apresentação sobre o tema. É importante fazer a contextualização, usando um fato histórico, citação de autoridade de conhecimento. Mas também é importante expor o ponto de vista, a tese que será defendida ao longo do texto deve ficar explícita na introdução.

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos:

Exemplo: “Nas últimas semanas, a dívida acumulada levou o Rio de Janeiro a decretar estado de calamidade pública. No entanto, vultosas quantidades de dinheiro foram destinadas para os Jogos Olímpicos, tornando o evento desse ano como um dos mais caros na história.”

– Sempre que defender o ponto de vista na argumentação procure citar exemplos de fatos concretos, dados estatísticos, retirados de fontes sérias que validem o argumento. Como a prova do Enem cobra temas da atualidade é muito importante que você leia jornais, revistas ou sites de notícias. Isso irá te ajudar muito na hora da construção de seus argumentos. Deve-se evitar argumentos óbvios, desgastados. Também é necessário trazer uma provocação ao debate.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: Para evitar repetição de ideias, palavras. Sempre que precisar retomar ou antecipar uma palavra, ideia dentro do argumento, recorra a um elemento de coesão (pronomes, conjunções, pronomes, advérbios etc). Esses conectivos têm por função evitar repetições que comprometem a qualidade do texto. Veja nossa dica sobre coesão e coerência.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema:

O parágrafo de conclusão é para apresentar uma solução para o problema abordado nos argumentos anteriores. Como mudar essa situação? Quem e como poderá mudar? Quem será o público-alvo dessa intervenção? Ao responder a essas questões, você estará apresentando a solução efetiva para o problema. Não deixe de apresentar uma proposta de intervenção e lembre-se: sua proposta precisa respeitar os direitos humanos.

Nota: 720

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: Educação inclusiva. Você pode enviar seu texto até domingo (31).

Comentários: nenhuma pessoa comentou

Categoria: Correção, Redação

Compartilhe

Nova proposta de redação: Educação inclusiva

Ana Lourenço | 24/07/2016

Tem proposta nova de redação no blog! O tema é A realidade da escola inclusiva no Brasil. Você pode enviar o seu texto até o próximo domingo (31).

educação inclusiva

Para participar, você deverá criar um perfil de usuário na plataforma Imaginie, selecionar a proposta da semana e seguir as instruções para o envio da redação diretamente pelo site. Os primeiros a se cadastrarem por meio desse link terão direito a uma correção, sempre feita por dois ou mais professores, seguindo os mesmos critérios do Enem. O Guia do Estudante vai distribuir entre 50 e 250 correções gratuitas semanalmente.

Ao longo da semana seguinte, o blog publicará algumas das correções. Lembrando: toda semana teremos proposta nova e exemplos de redações corrigidas.

>> 3 erros comuns nas redações

ATENÇÃO: Para que sua redação seja publicada no blog, é preciso desenvolver a proposta correspondente à semana em curso! Ou seja, para os textos enviados até domingo (31), a proposta deve ser a que está descrita abaixo.

Veja as instruções do tema da semana:

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma-padrão da língua portuguesa sobre o tema: A realidade da escola inclusiva no Brasil. Apresente experiência ou proposta de ação social que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I

A nova legislação, chamada de Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, garante condições de acesso à educação e saúde e estabelece punições para atitudes discriminatórias contra essa parcela da população.

Hoje no Brasil existem 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência. A lei foi sancionada pelo governo federal em julho e passa a valer somente agora, 180 dias após sua publicação no Diário Oficial da União.

Um dos avanços trazidos pela lei foi a proibição da cobrança de valores adicionais em matrículas e mensalidades de instituições de ensino privadas. O fim da chamada taxa extra, cobrada apenas de alunos com deficiência, era uma demanda de entidades que lutam pelos direitos das pessoas com deficiência.

Quem impedir ou dificultar o ingresso da pessoa com deficiência em planos privados de saúde está sujeito a pena de dois a cinco anos de detenção, além de multa. A mesma punição se aplica a quem negar emprego, recusar assistência médico-hospitalar ou outros direitos a alguém, em razão de sua deficiência.

Disponível em: <http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/estatuto-da-pessoa-com-deficiencia-entra-hoje> Acesso em 20 jul 2016.

TEXTO II

A Constituição Brasileira, de 1988, prevê o direito universal à Educação em seu artigo 208. O Estatuto da Criança e do Adolescente, de 1990, garante o mesmo. Em 1996, a Lei de Diretrizes e Bases (Lei 9394/96) definiu regras a respeito da inclusão escolar, que foram reforçadas pela Política Nacional de Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, publicada em 2007. Todos esses passos foram dados em direção a uma educação a que todos tenham acesso, independentemente de dificuldades físicas e intelectuais – e de qualquer outra natureza.

“Não há como dissociar a inclusão educacional da social”, afirma a psicopedagoga Mary Lopes Frizanco, de São Bernardo do Campo (SP), lembrando que a exclusão escolar no Brasil também atinge os pobres e outros grupos vítimas de preconceito. “As escolas tiveram o prazo de 10 anos, dado pelo MEC, para se adaptar à realidade da inclusão. Esse período acabou em 2010, mas ainda estamos caminhando nesse sentido”, pondera a especialista em educação especial.

[…]

Aceitar alunos com dificuldades de aprendizado é uma coisa; garantir a eles o real acesso ao conteúdo é outra. Em outras palavras, a inclusão na prática é diferente da do papel. “Dar a vaga porque existe a lei não é suficiente”, ressalta a psicopedagoga Sheila Pinheiro, lembrando que, a partir do momento em que a escola recebe uma criança com deficiência, todos, do porteiro ao diretor, têm de participar do processo de inclusão. “A diferença deve ser aceita com naturalidade, afinal, todos somos singulares”, argumenta Mary Lopes.

Disponível em: <http://educarparacrescer.abril.com.br/comportamento/inclusao-mundo-melhor-736661.shtml> Acesso em 20 jul 2016.

TEXTO III

Aplicativo gratuito auxilia crianças com deficiência

“Todas as crianças aprendem no dia a dia, brincando, participando das atividades de vida diária, em casa, na escola, em diversos ambientes. No caso de uma criança com deficiência é da mesma forma, mas esse aprendizado muitas vezes precisa de orientações e um acompanhamento especializado”, defende.

Foi com essa proposta que ele criou o app Minha Rotina Especial, lançado em 2015. A ideia era criar um software de baixo custo, instalado num aparelho que as crianças já estão habituadas, com informações personalizadas para ajudar em sua organização antes da tarefa e visualização posterior para relembrar o que foi feito, ajudando a reforçar o aprendizado. A proposta também era que os cuidadores, os profissionais de educação e reabilitação pudessem acompanhar o desenvolvimento das crianças com deficiência, personalizando orientações, compartilhando relatórios e objetivos para as crianças com deficiência nas atividades diárias.

Disponível em: <http://exame.abril.com.br/negocios/dino/noticias/aplicativo-gratuito-auxilia-criancas-com-deficiencia.shtml> Acesso em 20 jul 2016.

TEXTO IV

Até que, em 2008, após anos de debates, a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva acabou com a escolha entre ensino regular e especial.

A nova política começou a mudar os padrões ao definir com clareza como deve ser oferecida a Educação para todos os que têm deficiência. Não por acaso, nesse mesmo ano, pela primeira vez, o número de alunos com necessidades especiais no ensino regular superou o de matriculados em salas especiais.

ensino regular educação especial

Disponível em: <http://novaescola.org.br/formacao/inclusao-ensina-511186.shtml?page=1> Acesso em 20 jul 2016.

Compartilhe