Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Fundeb: Senado tira trecho que autorizava repassar recursos para igrejas

O destaque polêmico, que gerou muitas crítica, foi incluído tardiamente pela Câmara no dia 10 de dezembro

Por Juliana Morales Atualizado em 16 dez 2020, 10h52 - Publicado em 15 dez 2020, 16h53

Na terça-feira (15), o Senado excluiu o trecho da regulamentação do  que autorizava repassar recursos públicos para escolas privadas (filantrópicas e religiosas), incluindo as do Sistema S (Senai, Sesi, Senac, Sesc). O destaque polêmico, que gerou muitas crítica, foi incluído tardiamente pela Câmara no dia 10 de dezembro.

Se o ponto não fosse alterado no Senado, as escolas públicas poderão perder R$ 15,9 bilhões em recursos, de acordo com uma estimativa feita pela Campanha Nacional pelo Direito à Educação e a Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação (Fineduca). 

Atualmente, o Fundeb prevê que essas instituições podem receber recursos só quando houver falta de vagas na rede pública, como no caso de creches, que é um problema comum da educação básica brasileira.

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) de 2019, até o ano passado, a rede pública atendia 74,7% dos alunos da creche e pré-escola, 82% dos estudantes do ensino fundamental regular e 87,4% do ensino médio regular.

Neste ano, como consequência da crise financeira muito agravada pela pandemia, esses número pode aumentar, já que famílias perderam suas rendas e transferiram os filhos para o ensino público.

Continua após a publicidade

Em agosto, o Congresso aprovou a nova proposta do Fundeb, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação. Assim, tornou o fundo para educação básica permanente, com maior participação da União. Para as novas regras valerem em 2021, é necessário a regulamentação, que agora terá o texto analisado novamente pela Câmara. 

Revisão: o que é o Fundeb

O Fundeb tem como principal objetivo promover a redistribuição dos recursos vinculados à educação básica, da creche ao ensino médio, dos estados, Distrito Federal e municípios. Isso inclui desde reformas em escolas até salário de professores. O dinheiro é especialmente importante para os estados e municípios que não conseguem investir nem o mínimo exigido por aluno.

Levando em consideração o desenvolvimento social e econômico, a União distribui recursos nas regiões nas quais o investimento por aluno seja inferior ao valor mínimo fixado para cada ano. Essa distribuição considera as matrículas nas escolas públicas e conveniadas, apuradas no último censo escolar realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). Além dessa contribuição da União, a maior parte do valor vêm da arrecadação de impostos estaduais e municipais.

Prepare-se para o Enem sem sair de casa. Assine o Curso Enem do GUIA DO ESTUDANTE e tenha acesso a centenas de videoaulas com professores do Poliedro, que é recordista em aprovações na Medicina da USP Pinheiros.

 

Continua após a publicidade

Publicidade