Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Brasil Colônia: Como cai na prova

1. (UNICAMP 2016) Os estudos históricos por muito tempo explicaram as relações entre Portugal e Brasil por meio da noção de pacto colonial ou exclusivo comercial. Sobre esse conceito, é correto afirmar que:

a) Trata-se de uma característica central do sistema colonial moderno e um elemento constitutivo das práticas mercantilistas do Antigo Regime, que considera fundamental a dinâmica interna da economia colonial.
b) Definia-se por um sistema baseado em dois polos: um centro de decisão, a metrópole, e outro subordinado, a colônia. Esta submetia-se à primeira através de uma série de mecanismos político-institucionais.
c) Em mais de uma ocasião, os colonos reclamaram e foram insubordinados diante do pacto colonial, ao exigirem sua presença e atuação nas Cortes dos reis ou ao pedirem a presença do Marquês de Pombal na colônia.
d) A noção de pacto colonial é um projeto embrionário de Estado que acomodava as tensões surgidas entre os interesses metropolitanos e coloniais, ao privilegiar as experiências do “viver em colônia”.

2. (UNESP 2016) Os diários, as memórias e as crônicas de viagens escritas por marinheiros, comerciantes, militares, missionários e exploradores, ao lado das cartas náuticas, seriam as principais fontes de conhecimento e representação da África dos séculos XV ao XVIII. A barbá- rie dos costumes, o paganismo e a violência cotidiana foram atribuídos aos africanos ao mesmo tempo que se justificava a sua escravização no Novo Mundo. A desumanização de suas práticas serviria como justificativa compensatória para a coisificação dos negros e para o uso de sua força de trabalho nas plantations da América. Regina Claro.

Olhar a África, 2012. Adaptado

As “plantations da América”, citadas no texto, correspondem a

a) um esforço de coordenação da colonização ao redor do Atlântico, com a aplicação de modelos econômicos idênticos nas colônias ibéricas da América e da costa africana.
b) uma estratégia de valorização, na colonização da América e na África, das atividades agrícolas baseadas em mão de obra escrava, com a consequente eliminação de toda forma de artesanato e de comércio local.
c) um modelo de organização da produção agrícola caracterizado pelo predomínio de grandes propriedades monocultoras, que utilizavam trabalho escravo e destinavam a maior parte de sua produção ao mercado externo.
d) uma forma de organização da produção agrícola, implantada nas colônias africanas a partir do sucesso da experiência de povoamento das colônias inglesas na América do Norte.
e) uma política de utilização sistemática de mão de obra de origem africana na pecuária, substituindo o trabalho dos indígenas, que não se adaptavam ao sedentarismo e à escravidão.

3. (ESPCEX 2016) No fim do Século XVIII, era grande a insatisfação com a carestia e a opressão colonial. A isso se somava a simpatia que muitas pessoas demonstravam em relação às lutas pela emancipação do Haiti (1791-1804) e à Revolução Francesa (1789). Para difundir esta ideia fundou-se a loja maçônica Cavaleiros da Luz.
Em agosto de 1798, alguns conspiradores afixaram em muros e postes da cidade manifestos exortando a população à revolução. Os panfletos pregavam a proclamação da República, a abolição da escravidão, melhores soldos para os militares, promoção de oficiais, liberdade de comércio etc.
Denunciado por um traidor, o movimento foi esfacelado. Alguns participantes foram presos, outros fugiram e quatro foram condenados à morte: Luís Gonzaga das Virgens, Lucas Dantas de Amorim Torres, João de Deus do Nascimento e Manuel Faustino dos Santos.

Adaptado de ARRUDA & PILETTI, p. 351

O texto acima descreve, em parte, a

a) Revolta dos Alfaiates, ocorrida em Salvador, Bahia.
b) Inconfidência Mineira, desencadeada em Ouro Preto, Minas Gerais.
c) Revolta de Beckman, que teve por palco São Luís, Maranhão.
d) Confederação do Equador, ocorrida em Recife, Pernambuco.
e) Cabanagem, ocorrida em Belém, Pará.

 

4.

(PUC-SP 2015) A invasão e a ocupação holandesas no Nordeste do Brasil, ocorridas durante o período da União Ibérica (1580-1640),

 

a) derivaram dos conflitos territoriais entre Portugal e Espanha, que fragilizaram o controle português sobre a colônia.
b) foram resultado das disputas entre Holanda e Inglaterra pelo controle da navegação comercial atlântica.
c) derivaram dos interesses holandeses na produção e comercialização do açúcar de cana.
d) foram resultado do expansionismo naval espanhol, que desrespeitou os limites definidos no Tratado de Tordesilhas.
e) derivaram da corrida colonial, entre as principais potências europeias, na busca de fontes de matérias-primas e carvão.

 

RESOLUÇÃO

1. Tradicionalmente, as relações entre colônias e metrópoles, como no caso de Brasil e Portugal, são explicadas por um conjunto de determinações expresso no chamado Pacto Colonial. Uma das principais características desse pacto é o chamado exclusivo metropolitano, recurso pelo qual a metrópole detinha o monopólio da exploração econômica sobre sua colônia. Ou seja, os brasileiros só podiam comercializar produtos com os portugueses. Para garantir sua lucratividade, a metrópole instituía sistemas administrativos por vezes complexos e ineficazes, instituindo altos impostos sobre a exploração dos produtos coloniais. A função da colônia neste contexto era a de enriquecer a metrópole, com uma produção voltada fundamentalmente para o abastecimento de seus mercados. Resposta: B

2. O modelo mais básico de exploração colonial, adotado pelas metrópoles europeias, foi o chamado sistema de plantation. As principais características do modelo eram a monocultura, a escravidão e a produção em larga escala em latifúndios, voltada, fundamentalmente para o mercado externo. Nesse processo, várias foram as justificativas para a adoção da mão de obra escrava dos negros, entre elas a inferioridade dos africanos e a desvalorização de suas tradições culturais e religiosas frente às dos europeus. Resposta: C

3. A questão descreve em linhas gerais a Conjuração Baiana, também conhecida como Revolta dos Alfaiates, ocorrida em 1798. O movimento possuía caráter fundamentalmente popular, apesar da participação de grupos médios, como médicos, padres e advogados, sendo liderado por representantes das camadas populares (alfaiates, negros libertos, brancos pobres etc.). Pregava a separação em relação a Portugal e ao Brasil, proclamando a República Baiense. Teve como principais influências as ideias iluministas, a Revolução Francesa, em sua fase popular, e a independência do Haiti. Resposta: A

4. A presença dos holandeses no Nordeste brasileiro está ligada aos desdobramentos da União Ibérica, período em que houve a união das monarquias de Portugal e Espanha, sob controle dos espanhóis. Se por um lado a Holanda era parceira econômica de Portugal, tendo investido maciçamente na produção do açúcar no Brasil, por outro estava em guerra com a Espanha na luta pela concretização de sua independência. Ao dominar Portugal, a Espanha corta o fornecimento do açúcar brasileiro aos flamengos, que, como forma de garantir seus investimentos, invadem as regiões produtoras no Brasil – naquele momento também sob o domínio espanhol. Durante a presença holandesa no Nordeste brasileiro, a administração de Maurício de Nassau selou um acordo com os senhores de engenho que impulsionou a produção de açúcar. Nesse período, também foram realizados grandes investimentos na infraestrutura do Recife. Resposta: C

 

SAIBA MAIS

Confira no mapa abaixo a área que foi invadida e ocupada pelos holandeses no Nordeste brasileiro entre 1630 e 1654.

Screenshot_1

 

RESUMO

Brasil Colônia

ORGANIZAÇÃO POLÍTICA e administrativa A fim de tomar posse e explorar a colônia recém-descoberta, Portugal dividiu o território brasileiro em 15 capitanias hereditárias, em 1534. Elas foram entregues a nobres ou burgueses representantes da Coroa. O sistema não teve sucesso por falta de investimentos, ataques indígenas e isolamento da colônia. Em 1548, criouse o Governo-Geral, com sede na Bahia, numa tentativa de centralizar o poder. O objetivo foi atingido, do ponto de vista militar, mas o dia a dia da população continuou a ser gerido pelas Câmaras Municipais de cada vila.

ECONOMIA A economia colonial estava sob influência do pacto colonial, pelo qual os brasileiros só comercializavam produtos com os portugueses, que ficavam com grande parte dos lucros gerados no Brasil. A extração do pau-brasil, a produção de açúcar, a pecuária e a mineração foram as principais atividades econômicas do período.

SOCIEDADE A sociedade açucareira era agrária, escravagista e estratificada. O grupo mais privilegiado era dos senhores de engenho. Já na sociedade do ouro, a população se concentrava em núcleos urbanos, e a mobilidade social e o trabalho livre estavam muito mais presentes, permitindo o surgimento de uma classe média, ausente na sociedade açucareira.

MOVIMENTO BANDEIRANTE A busca por metais preciosos, a captação de mão de obra indígena e o combate a negros fugitivos motivaram, nos séculos XVII e XVIII, expedições de desbravamento do interior do Brasil – as entradas e bandeiras. O movimento foi responsável direto pela expansão territorial.

JESUÍTAS Com a função inicial de catequizar os nativos, convertendo-os ao catolicismo, os jesuítas contribuíram com a expansão territorial da colônia, com a extração das drogas do sertão no Vale Amazônico e com a pecuária e a mineração no extremo sul, com mão de obra predominantemente indígena.

ESCRAVIDÃO Para movimentar a economia açucareira, Portugal recorreu à escravidão, primeiramente dos índios e, posteriormente, dos africanos. Estima-se que 4 milhões de negros africanos tenham chegado ao Brasil entre 1550 e 1850. Como forma de resistência, entre outras práticas, os escravos criaram comunidades autossuficientes, os quilombos, formados por fugitivos. A escravidão só foi abolida em 1888, no fim do império.

INDEPENDÊNCIA O Brasil concretizou sua independência em 7 de setembro de 1822, mas revoltas emancipacionistas já ocorriam desde o fim do século XVIII. Apesar de politicamente soberano, o país continuou economicamente dependente – não mais de Portugal, mas da Inglaterra. Para alavancar a economia, recém-emancipada, o país contraíra volumosos empréstimos dos britânicos, tornando-se submisso ao seu poder econômico.